Família Montalvao

Família Montalvao

domingo, abril 23, 2017

Marcelo do Sindicato já entrou em campo visitando as comunidades



Recebi essa foto de certo leitor numa demonstração de que o cidadão Marcelo do Sindicato disse que  "quem sabe faz a hora não espera acontecer".
Já iniciou sua jornada cívica, onde irá visitar todos seus amigos e companheiros da zona rural, levando uma palavra de fé, esperança e convencimento, de que na falência e desmando em que se encontra Jeremoabo, na atualidade só existe uma salvação que é DERI do PALOMA, pelo menos é trabalhador e honesto.
Segundo ainda essa fonte, o Marcelo do Sindicato, aproveitando da sua amizade e trabalho que vem prestando a todos os sindicalizados rurais, irá com toda honestidade e sem comprar votos, ou prometer trocar votos por empregos sem concurso público, convencer no mínimo 1000(mil)amigos para DERI caso  hajam novas eleições.

O Marcelo do Sindicato, falou que seu compromisso é com o bem estar dos associados rurais, principalmente na questão saúde, educação e segurança.

Jeremoabo tendo um hospital que funcione como deveria funcionar, todo mundo sai ganhando.
 Tendo educação principalmente com uma boa merenda escolar, os filhos dos trabalhadores rurais estudarão alimentados.
Quanto a segurança, havendo uma competente segurança, o roubo de bovinos, caprinos e ovinos, com certeza irá diminuir, e a população rural produzirá com tranquilidade.
Por fim o Marcelo do Sindicato, informou que está com DERI não atrás de emprego ou qualquer outra benesse suspeita, mas para exigir apenas uma coisa de acordo com a Lei: "que 50% da merenda escolar para os alunos de Jeremoabo saiam da agricultura familiar, como, mel, frutas, verduras, leite etc. conforme determina o Programa Nacional  de Educação Escolar.


Nota da redação deste Blog - Marcelo e todo cidadão de bem de Jeremoabo, ainda nutro a esperança de um dia ter o orgulho de diante de uma Jeremoabo bem administrada, progressista, livre de corruptos, livre de toda essa sujeira e entulhos, poder dizer:

Feliz por ter você...


As dez matérias mais visitadas e lidas.

Esses veículos abandonados no matagal é desperdício com o dinheiro do povo.

Esse “cemitério” de carros públicos pode apresentar riscos à saúde, um verdadeiro condomínio de luxo para o aegypt,  leptospirose, peste bubônica e tifo murino, causadas pelos ratos, além de febre tifóide e cólera causadas por baratas, malária, febre amarela, dengue, leishmaniose e elefantíase, transmitidas por moscas, mosquitos e pernilongos", com direito à piscina com água limpa.Textos, fotos, artes e vídeos da aquinoticias.com estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização de odiario.com. As regras têm como objetivo proteger o investimento que odiario.com faz na qualidade de seu jornalismo. Para compartilhar este conteúdo, utilize o link:

EntradaVisualizações de página
1739
980
948
848
841
683
661
660
652
609
Leo Pinheiro entrega documentos para reforçar ligação de Lula com tríplex
Foto: Divulgação

Ex-ministro do Equador é preso por suborno pago pela Odebrecht
Foto: Divulgação

Temer descarta risco de perder mandato em ação que investiga chapa com Dilma
Foto: Marcos Corrêa / PR

Cerca de 70% dos inquéritos abertos por Fachin envolvem pagamento de caixa 2
Foto: José Cruz/Agência Brasil

Receita Federal já autuou políticos em R$ 145 milhões na Lava Jato
Foto: Rafael Neddermeyer/ Fotos Públicas
A Secretaria da Receita Federal já emitiu R$ 145 milhões em autos de infração contra políticos e empresas de políticos no âmbito das investigações da Operação Lava Jato. De acordo com informações do G1, os autos de infração englobam impostos, multas e juros atrasados. O coordenador-geral de Pesquisa e Investigação da Receita, Gerson Schaan, avalia que as investigações mais recentes, incluindo as delações da Odebrecht, devem fazer o montante aumentar ainda mais. "Cada nova lista que aparece, vamos incluindo mais gente no trabalho", afirmou. A maior parte do dinheiro é questionada por pessoas físicas e jurídicas, e apenas uma parcela retorna aos cofres públicos.