Família Montalvao

Família Montalvao

domingo, março 05, 2017

Prefeito de Canindé, Orladinho Andrade, morre em Aracaju

O prefeito de Canindé de São Francisco, Orlando Porto de Andrade, faleceu na manhã deste domingo (5) no Hospital São Lucas, na capital sergipana.
De acordo com informações de amigos, Orladinho estava internado por conta de um tipo de câncer na garganta e pneumonia.

O seu irmão, Kaká Andrade, comunicou oficialmente em um grupo de whatsapp o falecimento do prefeito.
Orladinho foi prefeito de Canindé por dois mandatos e havia sido eleito no ano passado para administrar a cidade pela terceira vez.
Por Welder Ban

Prefeito de Canindé, Orladinho Andrade, morre em Aracaju



Domingo, 05 de Março de 2017 - 09:20

Ministros do governo Temer e ex-presidentes podem ser investigados após pedido de Janot

Ministros do governo Temer e ex-presidentes podem ser investigados após pedido de Janot
Foto: José Cruz / Agência Brasil

Estudo de comissão do Senado aponta para futuro corte de embaixadas no Brasil
Aloysio Nunes, ministro Relações Exteriores |Foto: Moreira Mariz/ Agência Senado

Consumidores pagarão R$ 1,1 bilhão a mais nas contas de luz
Foto: Reprodução / Coelba


Recém-inaugurada, barragem do Rio São Francisco tem vazamento em PE
Foto: Divulgação / Prefeitura de Sertânia

Mãe de Eliza Samúdio entra com recurso contra soltura do goleiro Bruno
Foto: Reprodução / O Tempo


Pintadas: Professores fazem moção de repúdio a prefeito e criticam gestão
Foto: Divulgação
Docentes da rede municipal da cidade de Pintadas, na Bacia do Jacuípe, protocolaram nesta sexta-feira (3) uma Moção de Repúdio ao atual prefeito, Batista da Farmácia (DEM), e ao secretário de educação, Carlos Alberto Almeida, que também é vice-prefeito. Os professores reivindicam o pagamento de 1/3 de férias, além do piso nacional e a progressão horizontal. Eles afirmam que os direitos citados estão previstos em lei. Os docentes, que afirmam que a moção foi assinada por 60% da categoria, também acusam perseguição política a servidores da educação. As retaliações, continuam os professores, estão em ações como o não cumprimento de alocação dos servidores nos postos de origem previstos no concurso público; a desconsideração de laudos médicos que garantem o deslocamento de docentes da sala de aula para a parte técnica, bem com a locação de profissionais qualificados em funções diferentes das suas especializações. A categoria também critica a antecipação do ingresso dos alunos no ensino fundamental antes dos seis anos de idade, o que, segundo os docentes, desrespeita as Diretrizes Curriculares e pode resultar em consequências negativas na aprendizagem.


1 RESTRIÇÃO