Família Montalvao

Família Montalvao

sábado, novembro 26, 2016

Anabel candidata sem registro tornou-se há muito tempo carta fora do baralho

· 

Jeremoabo deve ter nova eleição em 2017

Redação Por Luiz Brito DRT/BA 3.913
Divulgação
A novela de julgamento do recurso de Anabel de Tista (PSD) contra sua inelegibilidade nas eleições para prefeita Jeremoabo neste ano continua. Um pedido de vista na terça-feira, 22,  adiou novamente o julgamento no TER, em Salvador. Para tomar posse, Anabel precisa vencer este julgamento no TRE em Salvador e depois no Tribunal Superior Eleitoral, para onde o Ministério Público Eleitoral deve recorrer em caso de vitória da candidata. Para Anabel ser empossada, a decisão final do TSE precisa ser dada antes de 19 de dezembro, o que se tornou improvável depois deste adiamento e pelos prazos legais. Com isso, a lei prevê nova eleição em 2017.
Nota da redação deste Blog - A gota d'água que estava faltando para de uma vez por toda desiludir quem ainda acrediva que a candidata sem registro Anabel teria chance de conseguir a terceira reeleição chegou ao fim, com a decisão do TSE desta semana num caso semelhante ao de Jeremoabo, qualquer dúvida, abram o Link  http://www.tse.jus.br/imprensa/noticias-tse/2016/Novembro/negado-registro-de-candidata-a-prefeita-eleita-em-iguaba-grande-rj .

Quanto se irá haver novas eleições ou não, a decisão encontra-se nas mãos e nas canetas dos Ministros do STF. 

Portanto eleitores de Jeremoabo, qualquer comentário a respeito de novas eleições em Jeremoabo,  não passa de suposições   e incertezas, nada de concreto existe.

Para tirar qualquer dúvida a respeito do assunto, mais uma vez transcrevo a seguinte matéria, que esclarece dúvidas a respeito da tão comentada, decantada e esperada novas eleições:


STF decidirá sobre segundo colocado ser o prefeito

por Rafael Martinelli | Com informações do Conjur | Publicada em 07/11/2016 às 21h43| Atualizada em 10/11/2016 às 20h29
Desde o dia 26 está nas mãos do ministro relator Luís Roberto Barros, pronta para julgamento, a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 5.525 que questiona no Supremo Tribunal Federal a possibilidade de eleições diretas em caso de cassação do vencedor do pleito por maioria simples.
E, agora, o PSD nacional instiga o STF a esclarecer o regramento a ser aplicado já nas eleições municipais de 2016. Em outras palavras, o partido quer a votação da ADI e sua aplicação já.
O que a suprema corte nacional decidir influirá diretamente na eleição que não terminou em Gravataí. É que o STF derrubando a regra que prevê novas eleições independentemente da votação do vencedor (acrescida ao Código Eleitoral em 2015 pela minirreforma eleitoral), caso o mais votado nas urnas, Daniel Bordignon (PDT), e seu vice, Cláudio Ávila (PDT), não garantirem a diplomação e a posse, o segundo colocado, o atual prefeito Marco Alba (PMDB), assumiria a Prefeitura.

O tapetão nosso de cada eleição

Em resumo, para quem já se perdeu na confusão de mais uma eleição que se decide no tapetão em Gravataí, a chapa mais votada nas urnas, que concorreu sob impugnação do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), teve os votos validados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na manhã do dia 27. Só que à tarde, caiu o principal pilar da defesa de Bordignon, que era a não decretação do trânsito em julgado em condenação por improbidade administrativa na contratação de mais de mil funcionários na Prefeitura em seus governos.
Onze anos depois, e apenas sete horas após o julgamento, o ministro Napoleão Filho, que no TSE tinha dado seu voto a favor da liberação da candidatura, encerrou o processo confirmando a condenação que tem como pena a suspensão dos direitos políticos do ex-prefeito por cinco anos - o que o impede de exercer mandato ou ocupar qualquer cargo público.

Lá e cá

Curiosamente o PSD, cuja direção nacional defende a não realização de novas eleições, é o partido que, aqui na aldeia, estaria próximo de Bordignon e com a participação no governo praticamente acertada em reuniões na Paragem Verdes Campos.
Para o partido, a regra, delimitada pelo parágrafo 3 do artigo 224 do Código Eleitoral a Lei 4.737/1965, é inconstitucional, além de afrontar a jurisprudência eleitoral, ao obrigar nova disputa nas urnas quando já está pacificado que, nesses casos, quem assume é o segundo colocado.
Para o PSD, eleições diretas simples não podem ser incluídas em mudança legislativa promovida em 2015.
Os pleitos diretos simples ocorrem em disputas para o Senado e em cidades com menos de 200 mil eleitores – que é o caso de Gravataí, com 186.704 com domicílio eleitoral conforme o Tribunal Regional Eleitoral (TRE).

Sem novas eleições em municípios do porte de Gravataí

O artigo 224 foi alterado em 2015, durante a reforma eleitoral parcial promovida pelo Congresso.
Com a mudança, ficou estabelecido que "a decisão da Justiça Eleitoral que importe o indeferimento do registro, a cassação do diploma ou a perda do mandato de candidato eleito em pleito majoritário acarreta, após o trânsito em julgado, a realização de novas eleições, independentemente do número de votos anulados".
- A inconstitucionalidade aqui apresentada ocorre dentro de uma hipótese de interpretação/aplicação do art. 224, parágrafo 3º, CE, qual seja: não se exigirá novas eleições em sistemas eleitorais de maioria simples - argumentam Ezikelly Barros e Thiago Boverio, advogados que assinam a peça.

Pelo máximo aproveitamento dos votos

O PSD destaca que o parâmetro estabelecido no dispositivo fere a soberania popular por não permitir o máximo aproveitamento dos votos. Questiona também a racionalidade da medida para esse tipo de pleito e detalha que, se a regra for aplicada, pela situação atual na Justiça Eleitoral, 145 municípios brasileiros com menos de 200 mil eleitores – entre eles Gravataí - podem ter novas eleições.
- Qual a razoabilidade de realizar-se uma nova eleição quando a nulidade dos votos conferidos ao candidato-eleito em primeiro lugar, cujo registro de candidatura seja indeferido, cassado o diploma ou seja declarada a perda do mandato, não atingir mais de 50% dos votos remanescentes válidos - questionam os advogados.
Na ação, o PSD pede ainda que a ação seja enviada diretamente para o ministro Luis Roberto Barroso, que é relator da Ação Direta de Inconstitucionalidade 5.525, na qual é questionado o artigo 4º da Lei 13.165/2015, responsável pela inserção do parágrafo 3º no artigo 224 da Lei 4.737/1965.

A ÍNTEGRA DA AÇÃO
Clique aqui para ler a peça do PSD..

Fonte: http://seguinte.inf.br/mobile//noticias/tudao/1658_STF-decidira-sobre-segundo-colocado-ser-o-prefeito