Família Montalvao

Família Montalvao

segunda-feira, setembro 19, 2016

Cuidado para não comprar gato por lebre nestas eleições Além de votar certo você precisa saber que seu voto tem consequências e que seus direitos valem muito mais que um favorzinho pessoal

Cuidado para não comprar gato por lebre nestas eleições
Eça de Queiroz já dizia que os políticos e as fraldas devem ser mudados frequentemente pela mesma razão. Sábia frase! Comungo do mesmo pensamento do escritor português que no passado inteligentemente ilustrou e profetizou a realidade da atual política brasileira.
Em uma clara tentativa de manipular a opinião pública e tentar mascarar as verdadeiras intenções, entenda-se aqui governar em benefício próprio, muitos pré-candidatos já aderiram ao meticuloso discurso do “novo jeito de governar”. Cuidado eleitores! Em pleitos anteriores muitos candidatos usaram deste mesmo tom, lançaram suas ideias, contaram com o respaldo das urnas, mas na prática imperou o velho e surrado jeito de administrar.
Aquele que estamos exaustos de assistir, que privilegia a minoria, que governa para poucos e que deixa a população a ver navios. Modelo arcaico de fazer política que exclui, que ignora o anseio popular e que abomina a imprensa quando se levanta contra aos escândalos de corrupção que eles tanto buscam esconder debaixo dos panos.
Portanto analise todas as propostas, conheça bem os candidatos e antes de depositar a confiança do voto, exija o comprometimento de quem vai representa-lo. Leve em consideração pleitos que sua comunidade ou entidade precisa. Não peça cestas básicas ou qualquer outro favor pessoal. Lembre-se que durante quatro anos alguém estará representando seus interesses e os de sua comunidade.
Peça escolas para seus filhos, saúde de qualidade nos postos de saúde para atender bem sua família, ruas pavimentadas no seu bairro, mas não venda seu voto. Lembre-se que o combate à corrupção começa por nós!
Nota da redação deste Blog - Nas eleições deste ano, vocês correm o perigo de pensar que estão votando na candidata indeferida, e votando nutra pessoa.
Saulo Pithan