Família Montalvao

Família Montalvao

sexta-feira, julho 01, 2016

A mentira começa na primeira campanha, depois vem a segunda, a terceira e pronto! Tornam-se especialistas ao ponto de fazer a mentira virar verdade e a verdade virar mentira. "

Jeremoabo: Cenário de candidaturas para eleição municipal segue indefinido

O cenário de pré-candidaturas para a disputa ao executivo municipal de Jeremoabo, segue indefinido até poucos meses antes da disputa eleitoral. A atual prefeita Anabel de Carvalho Sá, do PSD, não é candidata, mas também ainda não definiu quem será o candidato governista. Na cidade rumores dão conta de que o empresário Fábio do SECOF seria o nome mais natural, mas há outros nomes no tabuleiro sucessório.
Pela oposição se discute por exemplo, qual seria a melhor formação para uma chapa. Além de Derí do Paloma, o grupo também é composto por nomes como Zé Leão e Lula de Dalvinho. O advogado Fernando Montalvão avalia que a definição para chapa deve sair até final do mês de julho e início do mês de agosto, prazo limite para registros na Justiça Eleitoral.



  Nota da redação deste Blog - Nosso comentário hoje a respeito da politicagem de Jeremoabo, será a transcrição do texto abaixo, que é uma verdadeira caricatura dos politiqueiros da nossa cidade.


Políticos mentem porque a população se sente melhor assim


O fato de que muitos políticos de carreira são mentirosos descarados e compulsivos não é apenas uma característica inerente à classe política; é também um reflexo do eleitorado. Quando as pessoas querem o impossível, somente os mentirosos demagogos podem satisfazê-las.   Porém, quando a realidade se impõe e os efeitos econômicos de medidas populistas começam a cobrar seu preço, os eleitores finalmente percebem que foram enganados.  E então começam a reclamar que os demagogos os enganaram e venderam ilusões.
Essas pessoas são as mesmas que, no passado, não apenas acreditaram piamente nas promessas dos demagogos, como também ignoraram rispidamente todos os alertas, feitos pelos mais sensatos, de que determinadas políticas populistas eram insustentáveis e cobrariam um preço caro no futuro. 
Pessoas que se recusam a aceitar verdades desagradáveis quando estas são ditas em épocas de bonança não têm direito de, no futuro, reclamar que os políticos mentiram e que elas foram enganadas.  Afinal, com essa mentalidade, que outro tipo de candidato essas pessoas elegeriam?
Uma das principais mentiras do estado assistencialista é a noção de que o governo pode dar às pessoas coisas que elas desejam, mas que não podem bancar.  Dado que o governo não produz riqueza, não tem renda própria e se mantém por meio do confisco de recursos das pessoas, então, por uma questão de lógica, se as pessoas como um todo não podem bancar algo, tampouco pode o governo.
Se você vota em políticos que prometeram dar a você benesses pagas com o dinheiro confiscado de terceiros, então você não tem nenhum direito de reclamar quando esses mesmos políticos resolverem tomar o seu dinheiro para repassá-lo para terceiros, inclusive para eles próprios.
[N. do E.: e isso é exatamente o que está acontecendo hoje no Brasil: além de reduzir alguns benefícios trabalhistas, o governo está aumentando impostos sobre a folha de pagamento e revertendo isenções fiscais ao mesmo tempo em que se recusa a cortar a mordomia dos políticos, o número de ministérios, de secretarias e de cargos comissionados].
Existe, é claro, a imortal falácia de que o governo pode simplesmente aumentos os impostos sobre "os ricos" e utilizar tal receita adicional para pagar por coisas que a maioria das pessoas não consegue comprar. O que é incrível nesse raciocínio é a sua implícita suposição de que "os ricos" são todos tão idiotas, que não farão nada para evitar que seu dinheiro seja tributado. (http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=2129).