sábado, abril 30, 2011

Jornais: Collor atrasa votação de lei contra sigilo eterno

FOLHA DE S.PAULO

Collor atrasa aprovação de lei que acaba com o sigilo eterno
Afastado da Presidência da República em 1992, o atual senador Fernando Collor de Mello (PTB-AL) ignorou apelos diretos do Palácio do Planalto e empacou a tramitação do projeto que acaba com o chamado sigilo eterno de documentos oficiais. A presidente Dilma Rousseff havia determinado que a base trabalhasse pela aprovação do projeto a tempo de ela poder sancioná-lo no Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, na próxima terça.

Leia mais: Senado acaba com sigilo eterno de documentos oficiais

Pela legislação atual, documentos públicos classificados como ultrassecretos ficam em sigilo por até 30 anos, mas o prazo pode ser renovado indefinidamente. Caso o projeto passe, o máximo de sigilo para qualquer documento público será de 50 anos. Pela nova regra, os papéis ficarão longe do público se forem reservados (5 anos), secretos (15 anos) e ultrassecretos (25 anos) – neste caso é permitida uma renovação por igual período.

O projeto fixa o conceito de que os cidadãos devem ter acesso a tudo o que é produzido na esfera pública. Haverá prazo fixo para fornecer qualquer documento produzido pelos três Poderes. Aprovado na Câmara e em duas comissões do Senado, o texto agora está na Comissão de Relações Exteriores, presidida por Collor – na última escala antes de ir a plenário. O projeto chegou à comissão na segunda. O ministro Antonio Palocci (Casa Civil) tentou convencer Collor a levar o projeto a votação, sem êxito. Ontem, Palocci pediu ajuda ao presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), para agilizar a aprovação. Sarney prometeu colaborar. A possibilidade mais otimista é que Collor aprove o texto na terça. O Planalto poderia levar o texto direto ao plenário, mas não deseja se indispor com Collor, que é da base aliada.

FAB jogou bomba em SP durante cerco a Lamarca
Documento das Forças Armadas liberado após 41 anos de sigilo revela que, em 1970, aviões da FAB despejaram bombas em áreas civis na região do Vale do Ribeira, em São Paulo, durante cerco ao grupo do guerrilheiro Carlos Lamarca, da VPR (Vanguarda Popular Revolucionária). O papel confirma o que poderia antes parecer exagero dos relatos feitos pelos militantes de esquerda que participaram do conflito: "Aviões B-26, da FAB, bombardearam regiões suspeitas".

O ex-guerrilheiro Darcy Rodrigues, 69, hoje capitão da reserva do Exército e na época braço direito do ex-capitão do Exército Lamarca, confirmou ontem à Folha que durante dez dias viu aviões sobrevoando a região e ouviu explosões que ele julgou serem de bombas caindo na região de Jacupiranga, a cerca de 30 km de Registro. "Eles escolhiam para bombardear as reentrâncias da serra do Mar, onde achavam que estávamos escondidos. Jogavam as bombas no início da manhã e à tarde."

"Para eles, não era só nos caçar, era também fazer exercício de guerra diferente." Em fuga, Rodrigues, o "Leo", se escondeu na mata até ser preso, agredido e levado a São Paulo, onde foi submetido a torturas diárias. Ele era um aliado de Lamarca desde os anos 60, quando deixou o Exército para seguir o capitão. Depois, exilou-se em Cuba até 1980.

Ministro afirma que avião espião vai voar a partir de setembro
O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, afirmou que o avião não tripulado comprado para fiscalização de fronteiras – Vant – deve começar a operar só a partir de setembro. A previsão inicial era março. O avião, que foi importado de Israel, faz parte de um pacote pelo qual a PF pagou cerca de R$ 50 milhões. Como adiantou ontem a Folha, ele está parado há mais de um mês perto de Foz do Iguaçu (PR) por falta de combustível. O pregão que definiria o fornecedor foi cancelado por falta de candidatos. "Houve atraso, mas não podemos definir resultados em licitações. Tivemos que reprogramar", afirmou Cardozo.

Petista de Minas assumirá controle da Funasa, atual território do PMDB
O governo desatou ontem um dos maiores nós na definição do segundo escalão. A presidência da Funasa ficará com a ala do PT-MG liderada pelos ex-ministros de Lula Luiz Dulci e Patrus Ananias. O nome confirmado ontem no "Diário Oficial da União" é o do engenheiro e empresário Gilson de Carvalho Queiroz Filho, presidente do Crea-MG.

A Funasa, vinculada ao Ministério da Saúde, é um dos mais cobiçados órgãos do segundo escalão, com orçamento previsto de R$ 5 bilhões para 2011. A disputa por seu comando foi um dos principais pontos de atrito entre PMDB e PT. Os peemedebistas comandaram o órgão ao longo do governo Lula. O líder do PMDB na Câmara, Henrique Eduardo Alves (RN), afirmou que o partido entrou em acordo com o governo para manter indicações em diretorias da Funasa.

Cade julgará casos de concentração de rádio e TV, afirma ministro
O governo federal quer deixar ao Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) a missão de analisar e julgar casos de concentração de poder econômico no setor de rádio e TV. A ideia original era criar uma agência reguladora para o conteúdo de radiodifusão e de análise de casos de concentração.

"Há a inclinação nossa de remeter questões como essa para análise do Cade, que já faz isso em outros setores", afirmou ontem o ministro Paulo Bernardo (Comunicações) durante audiência pública na Câmara. Paulo Bernardo não entrou em detalhes sobre como será a nova participação do Cade no setor, mas deu a entender que será mais intensa do que é feito hoje.

Correios vão poder vender celular e comprar avião
Os Correios estão autorizados, a partir de hoje, a montar uma empresa de telefonia celular, a ter uma frota de aviões própria para o transporte de carga e a investir na construção do trem-bala. A estatal também poderá criar seu próprio banco e se associar a outras empresas financeiras, de serviço de logística e postal eletrônico. A permissão consta em medida provisória assinada ontem pela presidente Dilma Rousseff, que reforma o estatuto dos Correios, de 1979. A decisão amplia os poderes da companhia no momento em que passa a ser comandada pelo PT.

Sob Lula, quando eram aparelhados também pelo PTB e pelo PMDB, os Correios tiveram a imagem arranhada por escândalos – o mensalão e a rede de tráfico de influência que derrubou a ministra Erenice Guerra. Lula tentou, sem sucesso, transformar a estatal em uma S.A. Embora essa mudança jurídica não tenha sido feita, o pacote assinado por Dilma permitirá aos Correios funcionar como tal. O presidente da estatal, Wagner Pinheiro, disse à Folha que a MP é o ponto de partida para que a empresa ofereça serviços de telefonia.

A ideia é operar nos moldes do MVNO, sigla em inglês que significa operadora móvel virtual. Funciona assim: os Correios "compram" no atacado espectro ocioso de operadoras de celular, como Vivo, TIM e Oi, e vendem no varejo para seus clientes. Esse modelo permite oferecer tarifas menores, já que a estatal não é obrigada a investir em infraestrutura de rede, ao contrário das tradicionais operadoras.

Delúbio defende, chorando, sua volta ao partido
Apesar de contar com o apoio da maior corrente do PT, a votação do pedido de refiliação de Delúbio Soares promete ser acalorada. Fracassada tentativa de acordo no partido, os apoiadores do ex-tesoureiro decidiram ontem, após tensa reunião, enfrentar no voto os opositores de sua volta ao partido. Isso ocorrerá hoje e amanhã, na reunião do Diretório Nacional.

Duas tendências – a Articulação de Esquerda e a Mensagem – resistem à refiliação, e pelo menos dois integrantes do Movimento PT, que apoia o retorno de Delúbio, já se manifestaram contrários ao pedido. Mas o ex-tesoureiro tem o apoio da corrente majoritária do PT, que se reuniu ontem. Delúbio chorou ao defender, nesse encontro, sua refiliação. Ele discursou por cerca de dez minutos e, segundo participantes, pediu "humildemente" para ser reintegrado. Outros petistas também choraram.

Já a Executiva Nacional do PT remeteu para o diretório o desgaste de discutir a refiliação. Delúbio fez o pedido em uma curta carta. "Sou PT de formação e de coração, portanto quero voltar a militar no partido", diz no texto. Ele lembra que não se filiou a outra sigla. Em Brasília desde anteontem, ele não deu entrevistas. "Pergunte aos meus advogados", limitou-se a responder, quando foi abordado pela Folha no hotel onde se hospedou.

Aliado de Dirceu, Rui Falcão deve comandar o PT até 2013
Reunida ontem em Brasília, a ala majoritária do PT escolheu o nome do deputado estadual Rui Falcão (SP) para a presidência do partido no lugar de José Eduardo Dutra (SE). Apoiada pelo ex-ministro José Dirceu, a candidatura será apresentada hoje pela ala às demais correntes. Com eleição marcada para amanhã, Falcão deve ficar no cargo até 2013. Sua escolha, caso se concretize, devolve o controle da sigla para São Paulo no momento em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva volta ao Estado.

A ideia é agendar as reuniões do partido, hoje feitas em Brasília, em São Paulo. A transferência do controle para São Paulo expressa a estratégia de lançar ofensiva contra o PSDB num dos últimos redutos da oposição. A intenção é fortalecer o partido no Estado, valendo-se do desgaste provocado pela dissidência do prefeito Gilberto Kassab para seu novo partido, o PSD.

Alckmin endossa fusão PSDB-DEM-PPS
O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, defendeu ontem a fusão do PSDB com o DEM e o PPS como uma hipótese "muito boa" para a oposição. Alckmin foi o primeiro dos líderes tucanos a endossar a proposta, que divide opiniões nas três legendas. "Acho que é uma hipótese que poderá ser muito boa, mas que depende de conversas políticas.

Também não vejo urgência nisso, não precisa de correria. Mas vejo de forma positiva", disse. Nesta semana, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso admitiu que os partidos conversam sobre o assunto, mas evitou emitir opinião. "Existem propostas nesse sentido. São aspectos delicados. Acho que o mais importante é manter a coesão dos partidos", afirmou.

O ex-governador José Serra já manifestou a aliados, em mais de uma ocasião, ser contra a fusão imediata dos partidos de oposição. Serra disse a interlocutores que não aceitaria conviver no mesmo partido que desafetos como o ex-presidente do DEM deputado federal Rodrigo Maia (RJ). Além disso, na avaliação do ex-governador, a atual cúpula do DEM é parceira do projeto presidencial do senador Aécio Neves (PSDB-MG).

BC indica correção de rota e novas altas na taxa de juros
O Banco Central mudou o discurso adotado para defender sua estratégia de combate à inflação, indicando que voltará a aumentar os juros para conter os preços e fará isso num período de tempo mais prolongado do que se pensava há poucas semanas. A instituição divulgou ontem a ata em que explica a decisão tomada na semana passada pelo Copom (Comitê de Política Monetária), que na quarta-feira subiu a taxa básica de juros da economia de 11,75% para 12% ao ano. O documento sugere que o BC dará mais força à taxa de juros como instrumento de combate à inflação, deixando em segundo plano medidas de restrição da oferta de crédito como as adotadas desde o fim do ano passado.

O GLOBO

Deslizamento em túnel do PAC foi mantido em sigilo pelo governo
Um deslizamento de solo na entrada do Túnel Cuncas I, localizado no município de Mauriti, no Ceará, paralisou as escavações da obra que faz parte do projeto de transposição do Rio São Francisco e integra o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Não houve feridos. Uma visita a essa obra foi um dos últimos compromissos oficiais do ex-presidente Lula, no dia 14 de dezembro, duas semanas antes de deixar o cargo.

O Túnel Cuncas I tem 15 quilômetros de extensão e liga Mauriti a São José de Piranhas, na Paraíba. Cerca de 98% do túnel ficam em rocha, mas foi no pequeno trecho em solo que o deslizamento, ocorreu no último dia 20. Mas até ontem ele foi mantido em sigilo pelo Ministério da Integração. Ontem, em nota, o ministério disse que nas escavações de túneis em solo podem ocorrer "imprevistos geológicos" que induzem à ruptura do teto, acarretando o desprendimento da terra. Nesses casos, segundo a pasta, é feito o preenchimento do solo da região afetada antes de ser retomada a escavação.

O Consórcio Construtor Construcap/Toniollo e Busnello/Ferreira Guedes, responsável pela execução desse trecho, suspendeu as atividades até que sejam realizadas novas análises e estudos do solo. As visitações também foram suspensas por motivo de segurança. A imprensa não teve acesso.

Dilma estrelará programas do PT na televisão
A presidente Dilma Rousseff, avessa a muitas aparições públicas desde que chegou ao Planalto, será figura constante na TV nos próximos dias. Começa hoje, com o tradicional pronunciamento presidencial por ocasião do Dia do Trabalho, em rede nacional de rádio e televisão. E, a partir de amanhã, a presidente volta a estrelar os comerciais do PT no rádio e na TV, ao lado do ex-presidente Lula.

No programa partidário, a dupla usará o espaço para responder, indiretamente, às críticas do PSDB, que em seu horário partidário veiculado nas últimas semanas explorou o atraso das obras de infraestrutura no país relacionadas à Copa de 2014 e às Olimpíadas de 2016. Os tucanos criticaram a falta de planejamento do governo e alardearam o risco de o Brasil passar pelo vexame de não conseguir sediar o campeonato mundial de futebol, por falta de estrutura adequada.

Nos filmetes do PT, que antecedem o programa semestral de 15 minutos e foram gravados com a supervisão do marqueteiro João Santana, Dilma e Lula vão detalhar os investimentos do governo principalmente na área de aeroportos e obras para construção de estádios. Dilma falará ainda sobre o Plano Nacional de Erradicação da Miséria, que lançará em maio. No pronunciamento de hoje em cadeia nacional, Dilma deve falar sobre o programa do governo para ampliar as ações de qualificação técnica e profissional dos trabalhadores brasileiros, o Pronatec, que foi lançado ontem por ela no Palácio do Planalto.

Dirceu impõe derrota a Dilma no PT
Numa estratégia para retomar o comando do PT e a interlocução sobre indicações para o segundo escalão do governo, o grupo paulista do partido articulou uma reviravolta na madrugada de ontem, surpreendeu o Palácio do Planalto e vai eleger hoje o deputado estadual Rui Falcão (PT-SP) para presidir a legenda até 2013, impondo uma derrota à presidente Dilma Rousseff. Numa manobra de última hora articulada pelo ex-chefe da Casa Civil José Dirceu, cassado no escândalo do mensalão, os paulistas aproveitaram a decisão do atual presidente da legenda, José Eduardo Dutra - que anuncia hoje a renúncia por problemas de saúde - e decidiram passar por cima até mesmo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que preferia o senador Humberto Costa (PT-PE) no cargo.

Ontem à noite, Lula foi ao encontro da presidente Dilma Rousseff no Palácio da Alvorada para avaliar a sucessão petista. Diante da força e do poder de votos dos paulistas no Diretório Nacional, Lula teve que avalizar o nome de Falcão. Segundo interlocutores de Dilma, a presidente ficou contrariada com a manobra paulista, mas, para evitar um enfrentamento, no início da noite, quando o quadro era irreversível, a presidente ligou para Rui Falcão e disse que está à disposição para discutir os assuntos de interesse do partido. Falcão chegou a ser coordenador da campanha de Dilma à Presidência, ano passado, mas perdeu o cargo em meio ao escândalo da suposta compra de dossiê contra o tucano José Serra e seus familiares.

Foi a segunda derrota que o PT impôs à presidente Dilma desde que ela foi eleita. A primeira aconteceu em dezembro, quando a bancada escolheu o atual presidente da Câmara, deputado Marco Maia (PT-SP), como candidato para comandar a Casa. O indicado por Dilma era o atual líder do governo, Cândido Vaccarezza (PT-SP), que é do grupo paulista, mas evitou aparecer nas reuniões que articularam a eleição de Rui Falcão.

Como previra Delúbio, mensalão vira mesmo piada de salão entre petistas
O mensalão virou piada de salão ontem no jantar oferecido pela senadora Marta Suplicy (PT-SP) para comemorar a eleição de seu aliado Rui Falcão (SP) para a presidência do PT e a volta ao convívio petista do companheiro Delúbio Soares, operador do esquema que desviou R$55 milhões para financiar apoios de partidos aliados. Ontem, a Executiva Nacional do PT recebeu a carta de Delúbio com o pedido de refiliação, que deverá ser aprovado hoje no Diretório Nacional. Mas, ontem mesmo, ao fim de várias reuniões, a decisão era votar e aprovar tudo rapidamente, tanto a volta de Delúbio quanto a eleição de Rui Falcão para a vaga de José Eduardo Dutra até 2013.

A certeza sobre a volta de Delúbio era tanta que, além da festa, seus companheiros previam que em dois dias o assunto estará morto na opinião pública. A mulher de Delúbio, Mônica, foi braço-direito de Marta na prefeitura de São Paulo. - Eu sou católico. Para uma pessoa obter um perdão é preciso quatro coisas: o pecado, o arrependimento, a penitência e a promessa de que não vai pecar de novo. Perfeito, só Deus! As críticas à aprovação da volta do Delúbio não seguram dois dias de manchete de jornal - disse o deputado Jilmar Tatto (PT-SP), do grupo de Marta e Rui Falcão.

Paralelamente à reunião da Executiva, as várias correntes do partido com representantes no Diretório Nacional analisaram o pedido de refiliação do ex-tesoureiro, um dos 39 réus do processo do mensalão. No pedido, Delúbio lembra sua fidelidade e diz que nunca se filiou a outra legenda. Em tom emocional, apela: "Eu sou PT de formação e de coração, portanto quero voltar a militar no partido". Ele lembra que, em abril de 2009, encaminhou pedido de refiliação, mas acabou retirando por recomendação da direção do PT, que temia impacto negativo na campanha de Dilma Rousseff.

Acusado de vazamento de dossiê
O futuro presidente do PT, Rui Falcão, de 67 anos, tem sua trajetória no partido marcada por polêmicas. Na campanha presidencial do ano passado, foi citado pelo jornalista Amaury Ribeiro Jr., em depoimento na Polícia Federal, como responsável por ter roubado informações de seu computador para fazer um dossiê contra o tucano José Serra. Falcão negou a acusação e entrou com uma queixa-crime contra o jornalista. O episódio causou constrangimento para a então candidata Dilma Rousseff, que foi companheira de militância de Falcão contra a ditadura na organização guerrilheira VAR-Palmares, nos anos 60.

A crise na campanha de Dilma, que levou ao afastamento de Falcão do núcleo de decisões petistas, não foi a primeira vez em que o jornalista e atualmente deputado estadual por São Paulo causou dor de cabeça para colegas de partido. Nos anos 90, quando presidiu o diretório paulistano da sigla, se colocou como opositor da administração petista da então prefeita da cidade, Luiza Erundina, hoje no PSB.

Apesar da grande participação nas articulações internas, em público, o mineiro de Pitangui costuma se mostrar discreto e cauteloso nos contatos pessoais. Os aliados o descrevem como "disciplinado e organizado". Advogado e jornalista, Falcão ingressou no PT em 1982, dois anos depois da fundação da legenda. Na época, era diretor de redação da revista "Exame", da Editora Abril. Ficou no posto até 1988, mas antes trabalhou em diversos jornais paulistas, como o "Jornal da Tarde". No ano seguinte, assumiu a direção do PT na capital paulista e iniciou o embate com Erundina.

Foi a segunda derrota que o PT impôs à presidente Dilma desde que ela foi eleita. A primeira aconteceu em dezembro, quando a bancada escolheu o atual presidente da Câmara, deputado Marco Maia (PT-SP), como candidato para comandar a Casa. O indicado por Dilma era o atual líder do governo, Cândido Vaccarezza (PT-SP), que é do grupo paulista, mas evitou aparecer nas reuniões que articularam a eleição de Rui Falcão.

Governo corre para mudar regras de licitação
Confiante no apoio do governador do Rio, Sérgio Cabral, e do prefeito Eduardo Paes, o líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP), anunciou ontem que quer votar, até o próximo dia 10, a proposta do Regime Diferenciado de Contratações (RDC), que muda as regras da Lei de Licitações em vigor, a Lei 8.666/93. Segundo Vaccarezza, a mudança dará agilidade às licitações, especialmente para as obras nos aeroportos. Vaccarezza quer conversar com os líderes da oposição na próxima semana para pedir apoio à votação:

- Elaboramos um texto equilibrado e tentaremos votar até o dia 10. O texto foi construído ouvindo o Ministério Público, o TCU, a oposição, o prefeito e o governador do Rio, os mais atingidos pelas obras das Olimpíadas. A ideia é ampliar o escopo das licitações, não vinculando as mudanças só às Olimpíadas e à Copa. Vamos ter condição de votar na próxima semana.

Mas os líderes da oposição resistem. Cientes de que o governo poderá usar a maioria para aprovar, anunciam que obstruirão as próximas votações. - Estamos abertos a conversar. Ele me ligou, mas não pode combinar conosco de conversar e marcar data. Até por já saber os métodos dos tratores do governo, nós nos manteremos em obstrução - avisa Duarte Nogueira, líder do PSDB. - Como não tiveram competência para fazer (as obras) no tempo adequado, querem atropelar a lei. A população vai pagar pelo prejuízo, porque as mudanças abrem margem à corrupção.

Senado substituirá frota por carros alugados
Dentro de um mês e sob o comando de José Sarney (PMDB-AP), o Senado vai lançar um edital para alugar 89 carros para uso exclusivo dos senadores e da direção da Casa. Com a proposta, aprovada ontem pela Mesa Diretora, a atual frota será aposentada e terá como destino o leilão público. Segundo a Casa, a substituição permitirá uma economia de até R$6 milhões por ano. Os parlamentares trocarão os Fiat Marea, comprados em 2002, por veículos de luxo "do parâmetro do Chevrolet Vectra", conforme classificou o primeiro secretário da Mesa, Cícero Lucena (PSDB-PB).

A atual frota custa aos cofres do Senado R$17,8 milhões anuais, de acordo com Lucena. O valor, segundo ele, é gasto em manutenção, pois muitos dos carros tem "mais de 200 mil quilômetros rodados". - Esse gasto se justifica pela mão de obra de manutenção. Gastos de oficina, de peças que precisam ser trocadas. São custos criados pelo envelhecimento dos carros - disse o primeiro-secretário.

Cada carro alugado deverá custar pouco mais de R$4 mil mensais. Os pagamentos devem prosseguir normalmente no período de recesso do Legislativo. Lucena admitiu que a fiscalização da imprensa e dos órgãos de controle será fundamental para "dar transparência à licitação", que garantirá à empresa vencedora um contrato de cinco anos com o Senado. Os novos veículos deverão ser trocados a cada dois anos pela locadora, e os custos de manutenção também ficarão a cargo da vencedora da licitação nacional.

Vale participará da construção de Belo Monte
Menos de um mês depois de anunciar a mudança na presidência, o Conselho de Administração da Vale aprovou a a aquisição de até 9% do capital da Norte Energia, consórcio que construirá a Usina Hidrelétrica de Belo Monte, no Pará.

A Norte Energia (Nesa) tem como objetivo exclusivo a implantação, operação e exploração da usina de Belo Monte. Para entrar no consórcio, a mineradora adquirirá a parcela detida pela Gaia Energia e Participações S.A (Gaia), e reembolsará a Gaia, do grupo Bertin que deixa o projeto, pelos aportes de capital realizados assumindo os compromissos de aportes futuros, num total estimado em R$ 2,3 bilhões, considerando que o custo total o projeto é de R$ 25 bilhões.

A construção da usina, no rio Xingu, é alvo de polêmica e protestos e já recebeu manifestações contrárias até da Organização dos Estados Americanos (OEA).

Governo promete R$ 1 bi para ensino técnico
A presidente Dilma Rousseff lançou ontem o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e ao Emprego (Pronatec), uma continuação da expansão das escolas técnicas realizada no governo do ex-presidente Lula — lembrado na cerimônia por Dilma e o ministro da Educação, Fernando Haddad.

Com a iniciativa — promessa de campanha —, Dilma espera reduzir um problema crônico para o crescimento dos serviços e da indústria nacional: a falta de mão de obra especializada. O orçamento deste ano será de R$ 1 bilhão, sendo R$ 700 milhões para bolsas de estudo e R$ 300 milhões para financiamento estudantil. A verba para a construção das escolas já está prevista no Orçamento do Ministério da Educação. O objetivo do Pronatec, de acordo com Haddad, é construir mais 200 escolas técnicas até 2014. Somadas às 140 existentes até 2002 e às 214 inauguradas na gestão Lula, em quatro anos serão 554 unidades.

TRFs não sabem como punir juízes que aderiram à greve
Um dia depois da paralisação dos magistrados federais, os Tribunais Regionais Federais (TRFs) ainda não sabem como vão cumprir a determinação do Conselho de Justiça Federal de cortar o ponto dos juízes que aderiram ao movimento.

O TRF da 3ª Região, que engloba São Paulo e Mato Grosso do Sul, informou que nesses estados ninguém cruzou os braços. Com isso, o tribunal acabou contestando os dados divulgados pela Associação dos Juízes Federais (Ajufe). Segundo a Ajufe, em todo o país, 90% dos juízes aderiram à paralisação por aumento salarial de 14,79%.

Mas, segundo o TRF-3, 300 juízes e 41 desembargadores que fazem parte da 3ª Região da Justiça Federal não teriam engrossado a paralisação. Ou seja, considerando apenas os dados do tribunal de São Paulo, a adesão teria sido de 77%.

CORREIO BRAZILIENSE

Ataque a consulado no Brasil
Documentos secretos do governo brasileiro liberados este mês revelam que, 22 dias depois do ataque de oito terroristas à Vila Olímpica de Munique, durante a realização dos Jogos Olímpicos em setembro de 1972, uma carta-bomba foi enviada ao Consulado de Israel no Rio de Janeiro. Encontrado por um funcionário dos Correios, o explosivo não chegou a ser detonado. No envelope, além de um cartão de felicitações, havia um panfleto escrito em árabe e em inglês, supostamente assinado pela Organização Setembro Negro — o mesmo grupo que cometeu o atentado contra os competidores israelenses na Alemanha. Na época, dois atletas morreram no alojamento onde estavam e outros nove foram executados durante a fuga dos terroristas.

A carta-bomba era endereçada a um diplomata israelense que já não se encontrava mais no Brasil. O documento não revela a origem da postagem do explosivo, mas chegou ao posto dos Correios no Largo do Machado, bairro do Flamengo, no Rio. O envelope retangular tinha cerca de 22cm de largura e 11cm de altura, mas não há referências sobre o seu peso. “Era sensível à apalpação a existência, em seu interior, de um retângulo de cartolina de 20,5cm x 10,4cm, o qual se verificou depois ser um cartão de felicitações de aniversário”, relataram oficiais da Divisão de Informações de Segurança (DIS), do Comando da 1ª Zona Aérea, em um documento confidencial.

O cartão serviria — pelas explicações contidas no relatório secreto — para ocultar uma massa plástica explosiva. “As chapas de raios X indicaram objeto (…) no qual observava-se: arame, peça que, posteriormente, verificou-se conter em seu interior um percussor (peça metálica) acionado por mola, cujo movimento é retido por um balancim, o qual, se movimentado, libera a ação do percussor sobre uma espoleta”, relatam os investigadores, ressaltando que, dentro do envelope, havia um saco com sílica gel, para preservar a umidade do explosivo.

De traidores a zumbis
O DEM iniciou a vingança contra os parlamentares que trocaram o partido pelo recém-criado PSD. Além de acionar a Justiça pedindo a perda do mandato dos “traidores”, a legenda, desidratada após a debandada de 10 parlamentares, encontrou uma resposta mais rápida para as deserções. A sigla vai tomar todos os postos de indicação do DEM nas comissões e na estrutura do Congresso. O objetivo é transformar os dissidentes em parlamentares “zumbis”. O termo refere-se a congressistas que mantêm o mandato, mas não exercem funções de destaques em comissões ou na estrutura do parlamento, limitando a atividade legislativa a discursos na tribuna do plenário e às votações.

A primeira vítima da ação é a senador Kátia Abreu (TO). Durante a escolha da Mesa Diretora do Senado, em fevereiro, ela foi indicada para assumir a Ouvidoria-geral a fim de compensar o partido pela perda da Primeira-Secretaria e a consequente ausência na estrutura da nova Mesa. Depois da saída de Kátia do DEM para o PSD, criado pelo prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, o cargo de ouvidor ficou com o senador Flexa Ribeiro (PSDB-PA). O DEM ainda quer Kátia longe dos postos de titular da Comissão de Meio Ambiente, da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e das suplências nas comissões de Educação e de Agricultura e Reforma Agrária.

A revolta do DEM contra os ex-correligionários atingirá também o deputado Júlio Cesar (PI), que deixou a legenda pela qual foi eleito para comandar o PSD em seu estado. Ele deixará a Presidência da Comissão de Agricultura e Pecuária. “Na Câmara, quem sair vai perder tudo. Na Comissão de Agricultura, o Júlio Cesar foi substituído pelo Lira Maia (DEM-PA)”, afirmou o deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS).

STF abre ação penal contra João Magalhães
O Supremo Tribunal Federal (STF) abriu uma ação penal contra o deputado federal João Magalhães (PMDB-MG), suspeito de envolvimento em um esquema criminoso que desviou verbas públicas de cidades do interior de Minas Gerais e acabou desbaratado pela Operação João-de-Barro, feita pela Polícia Federal em 2008. Em julgamento realizado ontem, os ministros aceitaram, por unanimidade, a denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR), na qual o peemedebista é acusado de vender emendas parlamentares. O deputado é alvo de outro inquérito no Supremo Tribunal Federal, ainda não analisado, que tramita desde 2006 e investiga o envolvimento do parlamentar com venda de emendas parlamentares destinadas a obras de infraestrutura e saneamento em municípios do leste mineiro. Além disso, o deputado é réu em 29 ações de improbidade que tramitam na Justiça Federal pelos mesmos motivos dos processos no STF.

De acordo com a denúncia, Magalhães recebia propina em troca da apresentação de emendas que destinavam verbas federais para obras de infraestrutura em municípios mineiros. Conforme o Correio noticiou em julho de 2008, uma escuta ambiental flagrou um encontro da mulher do deputado, Renata Magalhães, com o lobista João Carlos de Carvalho, apontado pela PF como testa de ferro do deputado e principal articulador do esquema com as prefeituras mineiras. Na ocasião, Renata, também denunciada pelo Ministério Público Federal, foi ao escritório do lobista, em Belo Horizonte, para pegar propina que teria sido paga pelos prefeitos em troca da liberação de emendas do Orçamento da União.

Mensalão? que Mensalão? Delúbio voltará ao PT
Sem consenso entre suas tendências para reintegrar o ex-tesoureiro Delúbio Soares aos quadros do partido, o PT deixou o tema fora da pauta oficial da reunião do Diretório Nacional hoje. Mas, isso não significa que o pedido de Delúbio para voltar ao ninho petista está limado das discussões. Francisco Rocha, coordenador da tendência Construindo um novo Brasil (CNB), o grupo majoritário, apresentará a solicitação para ser discutida e terá o apoio de outros dois grupos petistas — Novos Rumos e o PT de Lutas e Massas. Essas facções respondem hoje por 56% dos votos do diretório e, se houver tempo para discutir o assunto, a volta de Delúbio estará sacramentada. O líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP), defende a reintegração do ex-tesoureiro e considera que faltou prudência ao partido no passado, no episódio da expulsão. “Não houve mensalão, mas caixa dois de campanha, como o próprio Delúbio confessou. Agora, ele foi expulso sem nem sequer ser julgado pela Justiça. Não defendemos penas perpétuas, o partido é democrático e tem de agir dessa forma”, diz Vaccarezza.

O PT expulsou Delúbio em 2005 por causa do escândalo do mensalão. Por duas vezes, já tentou voltar ao partido. A última tentativa ocorreu há dois anos, quando ele mesmo retirou o pedido, percebendo a derrota iminente. Desta vez, no entanto, a carta em que Delúbio pede perdão ao partido e o seu reingresso aos quadros do PT foi lida na reunião da Executiva Nacional, preparatória para o encontro do Diretório Nacional, de hoje e amanhã. Logo após a leitura do documento, Eloi Pietá, da tendência Mensagem ao partido — a mesma do governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro —, se posicionou contra a reintegração assim como a Democracia Socialista. A Articulação de Esquerda, de Valter Pomar, e a Militância Socialista, de Renato Simões (SP), minoritárias, também não concordam com a reintegração. A tendência Movimento PT, do secretário de Habitação do Distrito Federal, Geraldo Magela, está dividida. Diante desse quadro, o PT tirou o tema da agenda oficial.

O problema é que há outros temas a serem discutidos hoje, como o comando do partido. O atual presidente, José Eduardo Dutra, avisou ontem aos petistas o que já tinha dito à presidente Dilma Rousseff na quarta-feira: vai mesmo renunciar à presidência do PT para se dedicar a um tratamento de saúde. O vice-presidente, Rui Falcão, embora ontem tenha saído na frente como provável nome para ocupar o lugar de Dutra até o final do mandato, em 2013, tem problemas. Falcão ficou na berlinda durante a campanha, por conta da montagem de um dossiê que envolveu quebra de sigilo fiscal até mesmo de Verônica Serra, filha de José Serra, derrotado por Dilma na sucessão presidencial. Além disso, ele não é do CNB, a tendência majoritária que reivindica o comando da legenda. O CNB quer 30 dias para consolidar um nome do grupo como o sucessor de Dutra. Se Falcão ganhar a presidência do PT, há quem diga que ele pode ser uma “rainha da Inglaterra” enquanto quem mandará de fato será o presidente de honra, Luiz Inácio Lula da Silva.

Janela aberta para o perdão
Embora alguns setores do PT considerem que não é hora de reintegrar o ex-tesoureiro Delúbio Soares aos quadros do partido, há quem diga que existe um portal aberto nesse momento. Afinal, o país não atravessa nenhuma grande crise insolúvel, a avaliação do governo é boa e o ano não é eleitoral. Sendo assim, o maior desgaste que pode acontecer é a imprensa passar as próximas semanas se referindo a Delúbio como um mensaleiro e ao PT como um partido que deixou de lado a ética — coisas que a imprensa já fala a respeito do PT e de Delúbio, estando ele reintegrado ou não.

A dúvida maior, que toma até alguns poucos integrantes do Construindo um Novo Brasil, é o Supremo Tribunal Federal (STF) condenar Delúbio mais à frente. Aí, o desgaste será grande. Por isso, a intenção de alguns petistas é vincular a reintegração à uma cláusula: se o STF condenar o ex-tesoureiro, ele estará novamente fora do PT. Resta saber se a maioria petista ligada a Delúbio aceitará essa condição.

Petista ligado a Patrus na Funasa
A presidente Dilma Rousseff (PT) não acatou a reivindicação do PMDB e nomeou para a Presidência da Fundação Nacional de Saúde (Funasa) Gilson Carvalho de Queiroz Filho, aliado do ex-ministro Patrus Ananias (PT) e nome referendado pelo PT de Minas Gerais. Para não intensificar a crise entre as legendas, a presidente deverá colocar na diretoria do órgão o superintendente da Funasa em Goiás, Ruy Gomide, ligado ao grupo do vice-presidente Michel Temer (PMDB). O acordo tende a acalmar os ânimos entre os partidos, já que o órgão foi um dos pivôs da crise entre PT e PMDB quando disputavam a indicação de cargos no segundo escalão.

A nomeação de Gilson Carvalho foi publicada ontem no Diário Oficial da União (DOU). Ele vai substituir Faustino Barbosa Lins Filho. O presidente do PT de Minas, Reginaldo Lopes, garante que não houve insatisfação dentro do partido por Gilson Carvalho ser da ala mineira ligada a Patrus. Ele afirmou que o nome foi apresentado para a presidente em janeiro, em uma lista de indicações dos petistas do estado. Apesar de os cargos na fundação serem antigas cotas dos peemedebistas, Reginaldo Lopes disse que o PMDB aceitou “sem problemas” perder a Presidência. Ele não confirmou, entretanto, que o partido do vice-presidente vai ganhar outro cargo na Funasa, um dos órgãos que mais recebem verba do governo federal.

Gilson Carvalho, 55 anos, é engenheiro e atualmente comanda o Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia de Minas (Crea-MG). Ele iniciou a carreira em 1980 como engenheiro de projetos de saneamento da Secretaria Estadual de Saúde do estado. No período entre 1994 e 1995, foi diretor de Obras da Superintendência de Desenvolvimento da Capital, em Belo Horizonte. E desde 2006 ocupa o cargo de presidente do Crea-MG.

Meio termo nos restos a pagar
Entre a vontade de cancelar de vez os recursos que o governo federal se comprometeu a repassar para estados e municípios desde 2006 e a ameaça de rebelião no Congresso se o dinheiro não for pago, o Planalto deve apresentar hoje uma saída intermediária. A ideia de consenso ontem era de que a melhor solução seria publicar um decreto prorrogando o prazo para a liberação dos recursos empenhados em 2009 e cancelar de vez os restos a pagar dos anos anteriores. A proposta não agrada por completo os parlamentares, sedentos por dinheiro de emendas individuais que entram na conta dos valores contingenciados, mas evita uma revolta da base aliada e reduz os obstáculos políticos para a votação da Lei de Diretrizes Orçamentárias enviada pelo Executivo na semana passada.

A saída deve ser apresentada hoje, já que o decreto editado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no fim do mandato, adiando o prazo para pagamento dos recursos, acaba amanhã. Os valores bloqueados entre 2006 e 2009 são de cerca de R$ 70 bilhões. Se o governo prorrogar o pagamento apenas de 2009, o montante que permanece pendente será de aproximadamente R$ 20 bilhões: mais do que o governo pretende pagar e menos do que prefeitos e governadores gostariam de receber. Na conta da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), quase R$ 28 bilhões dos valores contingenciados nos últimos anos seriam destinados às prefeituras.

O assunto foi tema de conversas de deputados e senadores, que contavam casos de obras essenciais em seus estados e faziam as contas dos votos nessas regiões. “Desse total bloqueado, quase R$ 10 bilhões são referentes ao Nordeste. São recursos para obras em estradas, asfaltamento e praças. Coisas essenciais para nossa região. Vamos nos unir e fazer apelos à presidente pela prorrogação desses prazos”, disse Gonzaga Patriota (PSB-PE), coordenador da bancada do nordeste.

O ESTADO DE S. PAULO

Presidente do Conselho de Ética do Senado também assinou atos secretos
O novo presidente do Conselho de Ética do Senado, João Alberto Souza (PMDB-MA), assinou atos secretos quando era membro da Mesa Diretora da Casa, entre 2003 e 2007. O nome do senador aparece chancelando boletins sigilosos de criação de novos cargos, aumento de salários e concessão de benefícios para servidores e senadores. Em 2009, quando a existência desses atos secretos foi revelada pelo Estado, o nome de João Alberto, homem de confiança do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), ficou de fora do escândalo porque na ocasião ele não era mais senador, mas vice-governador de Roseana Sarney no Maranhão.

A reportagem fez um pente-fino nos atos reconhecidos pelo próprio Senado como não publicados e encontrou o aval oficial do novo presidente do Conselho de Ética para a aprovação dessas medidas quando ele era primeiro-suplente da Mesa Diretora, entre 2003 e 2005, e segundo-secretário, de 2005 a 2007. O nome do senador está registrado, por exemplo, no ato secreto de 20 de dezembro de 2006 que transformou 14 cargos de confiança de R$ 1,6 mil mensais (valores atualizados) em vagas de R$ 12,2 mil. Naquele mesmo dia, uma outra medida, também não publicada na época, concedeu gratificação nos salários dos chefes de gabinetes – benefício cancelado só três anos depois.

Presidente do Conselho de Ética dá empregos a amigos do clã Sarney
O gabinete do senador João Alberto Souza (PMDB-MA) é usado para empregar aliados do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP). Trabalha lá, por exemplo, a jovem Giovana Duailibe de Abreu. Ela é filha do empresário João Guilherme Abreu, ex-chefe da Casa Civil de Roseana Sarney no governo do Maranhão e ex-sócio do marido dela, Jorge Murad.

O presidente do Conselho de Ética emprega também Juliana Nunes Escórcio Lima de Moura, filha de Alba Nunes Lima, uma assessora do gabinete de Sarney, segundo o registro do Senado. Juliana é filha e Alba é mulher do deputado Chiquinho Escórcio (PMDB-MA), uma espécie de faz-tudo da família Sarney. No gabinete de João Alberto trabalha ainda Virginia Murad de Araújo, que foi personagem da crise administrativa no Senado em 2009.

Por unanimidade, TJ-DF rejeita acusação de neto de Sarney
O Tribunal de Justiça do Distrito Federal (TJ-DF) rejeitou em segunda instância, por unanimidade dos desembargadores da 2.ª Turma Criminal, o pedido de abertura de ação penal contra os três jornalistas que assinaram, em junho de 2009, reportagens do Estado sobre o empresário José Adriano Cordeiro Sarney, neto do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP). Para os desembargadores, as reportagens "tiveram por objetivo prestar informações sobre fatos de interesse público decorrentes de investigações".

Segundo o TJ-DF, os repórteres Rosa Costa, Leandro Colon e Rodrigo Rangel atuaram "dentro do âmbito da liberdade de imprensa e de manifestação de pensamento" garantidos pela Constituição Federal. "Tiveram também os autores das matérias o cuidado de indicarem as fontes, investigarem as informações e, sobretudo, ouvirem os envolvidos, inclusive publicando as respectivas explicações, dentre as quais se destaca a entrevista com o próprio querelante (neto de Sarney)", diz o voto do relator, desembargador João Timóteo de Oliveira. O julgamento ocorreu no dia 7 de abril e o acórdão foi publicado no dia 18 no Diário Oficial de Justiça.

José Adriano pedia a condenação dos jornalistas pelos crimes de injúria, calúnia e difamação.

Em 4 anos, Dilma promete aumentar em 56,7% número de escolas técnicas
Com o calendário eleitoral na cabeça, a presidente Dilma Rousseff anunciou ontem metas para educação a serem atingidas em 2014, último ano de seu mandato: aumentar em 56,7% o número de escolas técnicas no País e ampliar em 806,9% a quantidade de estudantes na Escola Técnica Aberta do Brasil (E-Tec). As metas fazem parte do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), que visa a formar mão de obra qualificada por meio de capacitação técnica e profissional de alunos do ensino médio, além de beneficiários do Bolsa-Família e reincidentes do seguro-desemprego. O Ministério da Educação (MEC) prevê investimentos de R$ 1 bilhão para este ano.

O objetivo é ofertar, em 4 anos, 3,5 milhões de bolsas para jovens de ensino médio e trabalhadores e garantir que 8 milhões de pessoas se qualifiquem para o mercado. "Enfrentamos grande demanda de mão de obra qualificada, muitas vezes assimétrica. Em alguns casos falta mão de obra qualificada, em outros sobra mão de obra sem a qualificação necessária", disse Dilma.

Crise no PSDB atinge comando estadual
A exemplo dos vereadores paulistanos, a bancada de deputados federais do PSDB de São Paulo resolveu pleitear maior espaço na formação da nova Executiva estadual, que será eleita daqui a uma semana. Inspirados pelas demandas dos vereadores, que conseguiram ampliar a influência na cúpula partidária municipal após racha que resultou na saída de seis parlamentares, os deputados decidiram pedir, na formação da Executiva estadual, o mesmo espaço obtido pelos colegas tucanos da Câmara Municipal. A palavra de ordem é "isonomia".

Em almoço na terça-feira, no Senado, os deputados Luiz Fernando Machado, coordenador da bancada paulista, e Vaz de Lima e o senador Aloysio Nunes Ferreira avaliaram que os parlamentares devem ter mais representatividade na cúpula partidária, já que a presidência do partido ficará com um deputado estadual, Pedro Tobias, que conta com o apoio do governador Geraldo Alckmin.

Inspirados pelas demandas dos vereadores, que conseguiram ampliar a influência na cúpula partidária municipal após racha que resultou na saída de seis parlamentares, os deputados decidiram pedir, na formação da Executiva estadual, o mesmo espaço obtido pelos colegas tucanos da Câmara Municipal. A palavra de ordem é "isonomia". Em almoço na terça-feira, no Senado, os deputados Luiz Fernando Machado, coordenador da bancada paulista, e Vaz de Lima e o senador Aloysio Nunes Ferreira avaliaram que os parlamentares devem ter mais representatividade na cúpula partidária, já que a presidência do partido ficará com um deputado estadual, Pedro Tobias, que conta com o apoio do governador Geraldo Alckmin.

Comandante da PM fica 1 dia sem carro de luxo
O coronel Alvaro Batista Camilo ficou apenas um dia sem o seu Captiva. Para que ele pudesse voltar a usar o utilitário esportivo de R$ 92,9 mil que comprou para comparecer a compromissos e deslocar-se da casa para o trabalho, a Secretaria da Segurança Pública publica hoje no Diário Oficial uma resolução liberando para o comandante-geral e para o delegado-geral o uso de utilitários esportivos, os chamados SUVs (na sigla em inglês). A resolução 57 da secretaria é assinada pelo titular da pasta, Antonio Ferreira Pinto.

O argumento para liberar o uso desse tipo de carro pelo comandante-geral é de que o decreto de 1995 que determina o tipo de carro que cada autoridade do Estado pode ter não contemplava os SUVs – essa é uma categoria recente de veículos. Pela manhã, o Comando Geral da PM havia decidido suspender o uso do carro de luxo. "Por pairar dúvidas quanto ao uso do Captiva, ele deixa de utilizá-lo a partir de hoje (ontem), 28 de abril, até que seja a situação esclarecida."

O Estado revelou ontem que Camilo havia decidido comprar o carro e 61 Vectras descaracterizados para atender os coronéis da corporação. Gastou R$ 2,8 milhões com os veículos. Com o Captiva, Camilo passou a circular em um veículo mais luxuoso e caro do que o usado pelo governador do Estado, Geraldo Alckmin (PSDB), que normalmente usa Vectras e Corollas em seus compromissos e solenidades.

Pouco depois da divulgação da nota em que Camilo anunciava ter encostado o Captiva, o governador Alckmin confirmou a suspensão do uso deste veículo. Mas fez questão de elogiar o coronel. "O Alvaro Camilo é um excelente comandante, uma pessoa extremamente dedicada, corretíssima", disse. "Ele tem a nossa absoluta confiança."

BC indica continuidade da alta do juro
Para pôr a inflação de volta na meta em 2012, o ciclo de alta da taxa básica de juros (Selic) deverá durar mais do que se previa inicialmente. Pelo menos, foi essa a interpretação majoritária dos analistas econômicos sobre a ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que elevou a Selic em 0,25 ponto porcentual, para 12% ao ano. A avaliação foi de que o documento devolveu à Selic o protagonismo no combate à inflação e ainda serviu para o BC mandar um recado ao governo: é preciso moderar os subsídios ao crédito, como os praticados pelos bancos públicos.

Fonte: Congressoemfoco

Jornais: contas do governo no trimestre têm recorde

FOLHA DE S.PAULO

Contas do governo no trimestre têm recorde
Depois de um ano de 2010 no vermelho, Estados e municípios mostraram recuperação em seus resultados no primeiro trimestre e fecharam as contas com um saldo recorde para o período. Segundo dados divulgados ontem pelo Banco Central, somado ao bom desempenho da União, o resultado das contas públicas no primeiro trimestre alcançou 4,2% do PIB (Produto Interno Bruto), nível que não era atingido desde o período que antecedeu a crise de 2008.

No trimestre, os governos estaduais e municipais tiveram superavit primário – antes do pagamento dos juros da dívida – de R$ 13,6 bilhões. A economia supera em 48% a registrada em igual período de 2010. De acordo Túlio Maciel, chefe do Departamento Econômico do BC, a melhoria se deve a um aumento na arrecadação estimulada pela economia aquecida. Além disso, observa, a maioria dos governadores estão no primeiro ano de gestão, quando costumam "arrumar a casa":

"A hipótese é de que certamente há uma reorganização nas finanças do governo", afirma Maciel. Para o analista da consultoria LCA, Bráulio Borges, outro fator que influenciou foi o reajuste menor do salário mínimo neste ano. "O reajuste foi de praticamente zero. Isso ajuda nas finanças dos municípios", diz.

Aeroportos terão "prefeito" para cuidar de problemas do dia a dia
O governo decidiu criar uma autoridade aeroportuária para gerenciar os aeroportos do país e vai instalar em cada uma das 66 unidades da Infraero uma espécie de "prefeitura" para resolver problemas que afetam a vida de passageiros, como filas de atendimento e superlotação. O objetivo é fazer a gestão entre todos os órgãos envolvidos na operação dos aeroportos: Polícia Federal, Receita Federal, Anac (Agência Nacional de Aviação Civil); Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), Departamento de Controle do Espaço Aéreo, além da própria Infraero. Hoje, essas entidades quase não se comunicam. Esses "prefeitos" serão representantes da Secretaria de Aviação Civil, ministério recém-criado pela presidente Dilma para resolver os gargalos de infraestrutura da aviação comercial brasileira.

Governo preserva 1/3 dos gastos não pagos e aprovados
Após pressão de congressistas, insatisfeitos com cortes no Orçamento, o governo decidiu manter cerca de um terço dos gastos previstos que seriam cancelados a partir de hoje. Decreto publicado ontem no "Diário Oficial da União" permite que verbas dos Orçamentos de 2007, 2008 e 2009 poderão continuar sendo usadas caso obras e serviços já tenham sido iniciados. O valor acumulado entre 2007 e 2009 dos chamados "restos a pagar" é de R$ 15 bilhões, segundo o Ministério da Fazenda. Desse valor, o ministério estima que cerca R$ 10 bilhões serão cancelados, porque se referem a recursos destinados a obras que ainda não saíram do papel.

Petrobras prevê investir US$ 73 bi no pré-sal de Santos
A Petrobras informou ontem que a previsão dos investimentos para o desenvolvimento dos projetos do pré-sal da bacia de Santos até 2015 é de US$ 73 bilhões, sendo que 74% desse total será aportado diretamente pela estatal. A reavaliação do Plansal, plano instituído em 2008 para coordenar os investimentos nos reservatórios gigantes da bacia de Santos, foi feita em reunião do conselho de administração da estatal. Segundo o novo plano, em 2015 a área do pré-sal de Santos estará produzindo 613 mil barris diários de petróleo, referente à fatia da Petrobras nos campos, volume que representa um acréscimo de 108 mil barris diários em relação ao plano anterior.

Previsão de balança comercial será revisada pelo governo, diz ministro
O governo vai revisar para cima a previsão de superavit da balança comercial brasileira em 2011. A projeção atual é que o saldo fique entre US$ 12 bilhões e US$ 13 bilhões ao longo de 2011. O ministro Fernando Pimentel (Desenvolvimento) disse que os números serão apresentados depois de amanhã. Questionado se o número vai subir muito, disse que será "bem mais", se comparado aos atuais. "A balança está muito bem este ano, temos um superavit de US$ 4 bilhões", afirmou, durante a edição para a América Latina do Fórum Econômico Mundial, no Rio.

Novo presidente do PT recebeu doações de réus do mensalão
Ligado ao ex-ministro José Dirceu (Casa Civil), o novo presidente do PT, Rui Falcão, recebeu doações de outros dois réus do mensalão em sua campanha à reeleição como deputado estadual em São Paulo, no ano passado. O deputado João Paulo Cunha (PT-SP) e o ex-deputado José Genoino (PT-SP) fizeram contribuições que somam pouco mais de R$ 16.500, segundo sua prestação de contas à Justiça Eleitoral. O deputado José Mentor (PT-SP), que também foi investigado pela CPI dos Correios por receber dinheiro do valerioduto, integra a lista com R$ 5.710 em doações.

Os valores são modestos diante dos R$ 2,55 milhões arrecadados por Falcão, mas demonstram sua proximidade de petistas envolvidos no escândalo e reabilitados recentemente pelo partido. Ele assumiu o comando do PT no dia em que a sigla aprovou a volta do ex-tesoureiro Delúbio Soares, acusado de operar o mensalão. Falcão teve a maior parte das despesas eleitorais bancada por empreiteiras e pela cúpula do PT. Nove construtoras doaram R$ 1,15 milhão (45% da receita total), e o partido, mais R$ 1,02 milhão.

As contribuições atribuídas à legenda caracterizam as chamadas doações ocultas: não é possível saber a origem real do dinheiro. O deputado estadual foi eleito para o quarto mandato com 174 mil votos. Controla a primeira-secretaria da Assembleia Legislativa, responsável pela administração e pelos contratos da Casa.

Alto escalão evita participar de encontro
Boa parte do alto escalão do PT faltou ontem à reunião que avaliou o pedido de refiliação do ex-tesoureiro Delúbio Soares. A começar de Luiz Inácio Lula da Silva, presidente de honra do partido, estrelas petistas evitaram o desgaste de participar do encontro do Diretório Nacional. Titulares do órgão, ministros e senadores transferiram para seus suplentes a tarefa de aprovar o retorno de Delúbio.

Caberia em grande parte aos "bagrinhos" - classificação feita pelos próprios petistas - a tarefa de votar. Lula, embora estivesse em Brasília, não passou no partido. Segundo petistas, sua intenção foi evitar a associação de sua imagem como de principal avalista do renascimento político do ex-tesoureiro envolvido no mensalão. Ministros alegaram agenda oficial para não comparecer. José Eduardo Cardozo (Justiça), enviou uma mensagem de apoio a Dutra. Maria do Rosário (Direitos Humanos), afirmou que viajava em missão oficial. O governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, nem confirmou presença.

Falcão volta a negar acusação de vazar dossiê
Eleito ontem por unanimidade presidente do PT até 2013, o deputado estadual Rui Falcão (SP) foi obrigado a se defender em seu discurso de posse. Numa votação que representa a volta do poder para o PT de São Paulo, ele afirmou que sua missão é garantir apoio a Rousseff. Foi uma tentativa de aplacar rumores de que sua vitória afronta o governo federal. Falcão foi protagonista de um dos momentos mais delicados da disputa presidencial, em 2010, quando foi acusado de vazar dossiê produzido pela inteligência da pré-campanha de Dilma. Ele negou a acusação. "De nossa parte nunca existiu." Falcão descartou relação de sua eleição com o poder do ex-ministro José Dirceu.

Dilma vai à TV para reafirmar compromisso de combater inflação
Em um pronunciamento marcado pela reafirmação de compromissos de combate à pressão inflacionária, a presidente Dilma Rousseff batizou ontem o programa que ela pretende transformar em símbolo do seu governo para a erradicação da pobreza extrema: "Brasil sem Miséria". Em rede nacional, ontem à noite, Dilma não deu detalhes do programa, mas afirmou que ele será lançado "nas próximas semanas".

De acordo com a presidente, ele abarcará novos e antigos programas sociais -um deles deverá ser o Bolsa Família- e mobilizará "todos os setores da sociedade". Durante a campanha, a erradicação da miséria foi uma de suas maiores promessas. O pronunciamento teve como justificativa a celebração do Dia do Trabalho, amanhã, mas o destaque da fala presidencial foi a reafirmação do compromisso do governo com o combate à alta da inflação.

Para Temer, classe média deve ser foco do governo
Depois de a oposição se engalfinhar com a sugestão do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso de que é preciso priorizar a nova classe média, ontem foi a vez do vice-presidente Michel Temer (PMDB) dizer que esse segmento tem de ser uma prioridade para o governo. "Não se trata de esquecer os pobres, é claro. Mas eles já têm programas de assistência. Assim, identifico essa gente toda que ascendeu socialmente como um público a ser atendido, provavelmente com ainda maior incremento no ensino técnico", disse Temer à Folha em Roma, onde representa o Brasil na beatificação do papa João Paulo 2º amanhã.

Quando sugeriu em artigo a prioridade, FHC falou que a oposição teria de deixar o "povão" de lado. Embora explicasse que o "povão" era uma massa já cooptada pela rede assistencial ampliada no governo Lula, a expressão levou à interpretação de que FHC fora elitista. Temer afirmou que o governo já vê essa classe de forma mais coesa, "reivindicando socialmente".

Presidente do PSDB ataca Kassab e faz críticas a dissidentes
Num gesto de apoio ao governador Geraldo Alckmin, o presidente do PSDB, deputado Sérgio Guerra (PE), minimizou a crise no diretório paulistano do partido e atacou a legenda que será criada pelo prefeito Gilberto Kassab, o PSD. No texto, Guerra trata com naturalidade o fato de o partido ter perdido 6 dos 13 vereadores que tinha na Câmara Municipal da capital. Diz que os dissidentes estavam no PSDB mas não atuaram com o partido em 2008, quando Kassab se reelegeu derrotando Alckmin.

Na disputa, o prefeito contou com o apoio dos vereadores e do ex-governador José Serra. Com o texto, Guerra insinua que já não havia ligação entre os gestos dos dissidentes com as determinações da legenda.

Última governadora do DEM diz que não deixará a legenda
A governadora do Rio Grande do Norte, Rosalba Ciarlini, afirma que não abandonará o DEM e diz que confia na "superação" da crise em seu partido, que acumula conflitos internos e deserções neste ano. Rosalba, 58, diz "não ter motivos" para uma desfiliação porque sempre foi "muito bem tratada". Ela faz um apelo aos colegas da oposição dizendo que "o Brasil não pode ter um lado só".

Ela será a única representante do partido entre os governadores caso Raimundo Colombo, de Santa Catarina, confirme sua migração para o PSD, que está sendo criado pelo prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, ex-DEM. "Temos de reconhecer que estamos em um momento difícil, houve essas defecções. Isso reduz a força do partido. Mas já passamos por outras crises. Acredito muito que vamos superar."

A governadora, que trocou o PDT pelo PFL (atual DEM) há 21 anos, considera o troca-troca entre partidos uma "acomodação natural da democracia pluripartidária". Questionada sobre o risco de extinção de seu partido, afirma que "são ondas que acontecem, mas depois a maré irá amansar".

Excesso de partidos dificulta a governabilidade, afirma tucano
Um dia após endossar a fusão do PSDB com o DEM e o PPS, e ver a sigla tucana sofrer desidratação com a criação do PSD, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), defendeu a diminuição do número de partidos. Ele afirmou que o excesso de legendas "dificulta a governabilidade". Questionado se a crítica era direcionada à criação da nova sigla do ex-aliado Gilberto Kassab, o governador disse se tratar de uma afirmação "genérica".

"Quando se tem mais de 30 partidos, não se tem mais de 30 ideologias. [...] Não tem democracia com 40 partidos, com essa fragmentação partidária", disse ele, durante a edição latino-americana do Fórum Econômico Mundial. Ele disse não ser contrário à criação de partidos. Mas afirmou que o fim da coligação proporcional – feita para eleição de deputados e vereadores – eliminaria siglas com poucos votos.

Mãe de diretor da Assembleia era servidora-fantasma
O diretor administrativo da Assembleia Legislativa do Paraná, Altair Daru, foi demitido após a imprensa local revelar ontem que sua mãe era funcionária-fantasma no gabinete do presidente da Casa, deputado Valdir Rossoni (PSDB), de 2003 a 2005. Ontem, reportagem do jornal "Gazeta do Povo" revelou que a mãe de Daru, Hellena Luiza Valle Daru, foi funcionária comissionada no gabinete de Rossoni. Os salários variavam de R$ 10 mil a R$ 25 mil. Hellena diz nunca ter trabalhado no local nem ter recebido nada da Assembleia. Rossoni afirma que demitiu o diretor de forma "preventiva". Daru nega participação no caso.

O GLOBO

Governo prepara medidas para baratear energia
O ministro do Desenvolvimento, Fernando Pimentel, afirmou [ontem] que o governo está preparando uma série de medidas para baratear o custo da energia no Brasil. Ele reconheceu que a energia no país "é uma das mais caras do mundo", mas disse que a questão não pode ser tratada "com leviandade" porque impacta a arrecadação.

– Nossa energia é muito cara, uma das mais caras do mundo, se não for a mais cara. Boa parte desse custo se deve à tributação, e temos que reduzi-lo, mas não podemos fazer isso de uma hora para outra nem tratar o tema com leviandade, porque ele impacta fortemente a arrecadação federal e dos estados – disse Pimentel, ao participar do Fórum Mundial Econômico para a América Latina, no Rio.

Bovespa teve pior resultado entre as 10 maiores do mundo
A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) registrou em abril o pior desempenho entre as dez principais bolsas do mundo. A queda acumulada no mês pelo Ibovespa, referência do mercado brasileiro, foi de 0,48%, considerando a variação em dólar, segundo dados da Bloomberg. No ano, avança apenas 0,48% e só ganha do mercado de Tóquio, com recuo de 3,71%, puxado pela tragédia no Japão.

Entre os motivos que fizeram a Bovespa ir na direção contrária de outras bolsas em abril estão a preocupação com o avanço da inflação no Brasil e as incertezas em relação a possíveis novas medidas de restrição ao crédito e à elevação dos juros básicos. O debate entre Petrobras e governo por causa do reajuste da gasolina afetou fortemente as ações da estatal no mês e foi um fator determinante para o recuo. Segundo Hersz Ferman, gestor da Yield Capital, estrangeiros têm vendido ações em mercados emergentes que estejam enfrentando problemas com a alta do custo de vida para investir em países desenvolvidos que ensaiam recuperação econômica, sem pressão inflacionária.

Censo 2011: 60 mil casais gay com união estável
O Brasil possui hoje 60.002 casais homossexuais com união estável. É o que revela o resultado preliminar do Censo 2010 divulgado pelo IBGE na manhã desta sexta-feira. Pela primeira vez, a pesquisa incluiu uma amostra referente à relação de pessoas do mesmo sexo no país. Segundo o Censo, o número de relacionamentos gays representa 0,16% da população brasileira se for comparado aos 37.487.115 casamentos entre os heterossexuais.

A região Sudeste concentra mais da metade dos registros de casais homossexuais. Ao todo, o IBGE contabilizou 32.202 relacionamentos de pessoas do mesmo sexo. A maior parte está no estado de São Paulo, que registrou 16.872. Em seguida, aparece o Rio de Janeiro, com 10.170. Minas Gerais possui 4.098 e, o Espírito Santo, 1.062 relações. Dos 60.002 casais declarados gays, os estados do Nordeste agrupam 12.196. A Bahia lidera o ranking na região, com 3.029. Ceará e Pernambuco têm 2.620 e 2.571, consecutivamente. Depois, a lista segue com os estados do Rio Grande do Norte (982), Paraíba (885), Maranhão (717), Sergipe (440) e Piauí (312).

Censo 2011: 3,5 milhões de casas sem banheiro
Enquanto as discussões se concentram no acesso à rede de coleta de esgoto - que chega a apenas 55,5% dos lares brasileiros - uma parcela significativa desses domicílios sequer tem banheiro em casa para ser ligado a ela. São 3.562.671 domicílios sem banheiro no país, o que representa 6,2% das casas, de acordo com os números do Censo 2010, divulgados nesta sexta-feira pelo IBGE.

O número fica ainda mais impressionante ao se constatar que 3.050.945 casas têm três banheiros, revelando pelo número de sanitários, a desigualdade que assola o país. Já no topo da pirâmide sanitária estão os 1,2 milhão de casas com quatro banheiros ou mais. A grande maioria das casas tem um banheiro. São 67,14% nessas condições. E a situação já foi pior. Em 2000, quando houve o último censo, eram 7,5 milhões de domicílios sem banheiro.

Censo 2011: Brasil tem quase 14 milhões de analfabetos
Em dez anos, o analfabetismo no país caiu só quatro pontos percentuais. Hoje, há ainda 13,9 milhões de brasileiros, com 15 anos ou mais, analfabetos, diz o Censo de 2010 divulgado nesta sexta-feira pelo IBGE. É o equivalente a 9,63% da população nessa faixa etária - no Censo de 2000, esse percentual era de 13,64%. Apesar de ser uma das áreas do país com maior crescimento econômico e aumento de mercado consumidor, o Nordeste continua sendo a região com maior número de analfabetos.

Para pesquisadores, a queda na taxa de analfabetismo tem sido lenta. O próprio presidente do IBGE, Eduardo Pereira Nunes, afirma que essa taxa "não cai tão rápido". O principal motivo para isso, diz Nunes, é a dificuldade da alfabetização de pessoas mais velhas. Isso é apontado pelo fato de que, à medida que se avança na faixa etária, maior é o percentual de analfabetos. Na faixa de 60 anos ou mais, são 26,5% de analfabetos.

Fonte: Congressoemfoco

Mais uma afronta à cidadania: Genoino, réu no Supremo por corrupção e formação de quadrilha, é condecorado pelo ministro da Defesa e ganha a Medalha

Carlos Newton

O jornalista Ricardo Setti, em seu blog, chamou atenção para um importante assunto que passou meio despercebido pela chamada grande imprensa: o fato do ex-deputado José Genoino ter sido agraciado pelo ministro da Defesa, Nelson Jobim, com a Medalha da Vitória.

Esse tipo de honraria não é para qualquer um. Vejam o que diz o decreto presidencial que criou a condecoração:

“Art. 1º Fica criada a Medalha da Vitória, em reconhecimento à atuação do Brasil em defesa da liberdade e da paz mundial, em especial na II Guerra Mundial.

Art. 2º A Medalha da Vitória poderá ser conferida aos militares das Forças Armadas, aos civis nacionais, aos militares e civis estrangeiros, aos policiais e bombeiros militares e às organizações militares e instituições civis nacionais que tenham contribuído para a difusão dos feitos da Força Expedicionária Brasileira durante a II Guerra Mundial, participado de conflitos internacionais na defesa dos interesses do País, integrado missões de paz, prestado serviços relevantes ou apoiado o Ministério da Defesa no cumprimento de suas missões constitucionais.”

Por gentileza, que alguém explique onde José Genoino está enquadrado aí acima, para merecer a medalha.

Como o jornalista Ricardo Setti destacou, o ex-deputado José Genoino, assessor do ministro Nelson Jobim, é réu do escândalo do mensalão, tendo sido denunciado pelo procurador-geral da República pelos crimes de corrupção ativa e formação de quadrilha. A denúncia foi aceita pelo Supremo Tribunal Federal e está em processo de julgamento.

A nomeação de Genoino para assessor do Ministério da Defesa já foi um escárnio. Mas a condecoração é muito mais grave, é uma ofensa à cidadania, um desacato a quem realmente merece a Medalha da Vitória e nunca recebeu.

Fica parecendo que as autoridades brasileiras fazem questão de tripudiar sobre o cidadão, de mostrar quem manda neste país, de exibirem poder e demonstrarem menosprezo pela opinião pública. Decididamente, não têm pudor. Aliás, Francelino Pereira, já ia esquecendo: Que país é esse? Ora, meu amigo, é o país do dólar na cueca e do corrupto condecorado.

Fonte: Tribuna da Imprensa

O Democratas acusa o Palácio do Planalto de articular o PSD.

Carlos Chagas

Grave denúncia foi formulada pelo presidente do Democratas, senador José Agripino. Para ele, vem sendo articulada no palácio do Planalto a criação do novo partido liderado pelo prefeito Gilberto Kassab. A intenção do governo seria desconstruir a oposição, atingindo o seu partido e, também, o PSDB.

Como reação, o senador pelo Rio Grande do Norte passou a admitir a hipótese da fusão do DEM com os tucanos, ainda que com a ressalva da necessidade de consultas prolongadas às bases de ambos.

Falar em palácio do Planalto e em governo constitui um eufemismo para designar Dilma Rousseff. Porque se verdadeira a denúncia, não há como argumentar que ela não sabia de nada e que tudo se passa sem o seu conhecimento.

Vem então a pergunta: para que a presidente da República se empenharia em enfraquecer ainda mais uma oposição debilitada? Ou, no reverso da medalha: de que adiantaria ao governo dispor de mais alguns deputados e senadores na base oficial, se há número mais do que suficiente para não sofrer derrotas no Congresso?

José Agripino chama de trânsfugas seus ex-companheiros do DEM já de malas prontas para o PDS. Reconhece o impacto que está sendo a debandada de perto de 30 deputados, sem esquecer o governador de Santa Catarina e provavelmente dois senadores. Daí o contra-ataque que seria a união com o PSDB, tanto faz se denominada de fusão ou de incorporação. Significativa foi a adesão do ex-presidente Fernando Henrique ao casamento das duas legendas, ainda que a maioria dos tucanos rejeite qualquer mudança de sigla.

GREVE DOS JUÍZES FEDERAIS

Certas coisas são inaceitáveis. Entre elas, a greve de categorias especiais de funcionários do estado, como os juízes federais. Movimentos semelhantes de policiais já ultrapassam os limites da ética e do bom senso, mas a atual paralisação abre as portas do absurdo. Só falta mesmo as forças armadas entrarem em greve, ou os diplomatas. Quem sabe a presidente da República e seus ministros?

Mas tem mais. Os meretíssimos decidiram parar porque pretendem aumento salarial, mais auxílio-alimentação e outras vantagens. Os vencimentos iniciais da carreira de juiz federal somam 22 mil reais por mês. Um senhor salário. Maliciosamente, é por tabela que eles reivindicam 14.79 %: pretendem esse reajuste para os ministros do Supremo Tribunal Federal, sabendo que se concedido lá em cima, virá o efeito cascata para todo o Poder Judiciário.

Desde os tempos de Ramsés II que greve se faz contra patrão, público ou privado. No caso dos juízes federais, está sendo feita contra o povo que recorre aos tribunais. Exatamente como as greves de ônibus, onde o prejudicado é o cidadão necessitado de transporte público.

SÓ FALTA DELÚBIO NA TESOURARIA

O PT reabrirá suas portas, no fim de semana, para receber Delúbio Soares com toda pompa e circunstância. Até tapete vermelho, ele que havia sido expulso do partido como um dos responsáveis pelo escândalo do mensalão. Importa menos que responda a processo no Supremo Tribunal Federal, como réu, denunciado por formação de quadrilha, corrupção e outras acusações. Também, seria discriminação recusar-lhe a volta, já que entre os 40 processados encontram-se diversos integrantes do Diretório Nacional do PT.

O episódio reacende as dúvidas sobre o julgamento na mais alta corte nacional de justiça. Quando acontecerá? Ninguém sabe, talvez nem o ministro-relator, Joaquim Barbosa. Não demora muito e prescreverão todos os crimes de que os mensaleiros são acusados. Mensalão? Que mensalão?…

ENFIM, UNIÃO ENTRE CUT E FIESP.

Na reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social registrou-se uma unanimidade: os 90 integrantes do colegiado condenaram a política de juros do governo. Do presidente da CUT, Artur Henrique, aos presidentes da FIESP, Paulo Skaf, e da Confederação Nacional da Indústria, Robson Andrade, todos criticaram a equipe econômica. Adiantou alguma coisa? Nem pensar.

Os ministros Antônio Palocci, Guido Mantega e Alexandre Tombini deixaram claro que nada vai mudar em termos de juros. A meta de sua redução é longínqua. Pelo menos ficou claro estar a equipe econômica unida e contando com o apoio da presidente Dilma Rousseff. Mas o que importa é a unidade do outro lado: sindicalistas e empresários continuarão formando a Frente Anti-Juros. Trata-se de um bom sinal.

Fonte: Tribuna da Imprensa

Jaqueline Roriz quer ser julgada pela “ética” do Senado

Helio Fernandes

Está há muito tempo acusada e de forma irrefutável. Já tirou duas licenças medicas, agora acredita que não há mais saída. Só que com a escolha e posse da Comissão de Ética (?) do Senado, como se diz popularmente, “ganhou alma nova”.

Está conversando, defende que seja examinada (não fala em julgamento) pelo Senado. Diz: “Sou parlamentar, a Câmara ainda não constituiu sua Comissão, não posso ficar sendo caluniada o tempo inteiro”. E fala para amigos: “Nessa Comissão do Senado, serei absolvida por unanimidade”.

***

O SUSTO DO REPÓRTER

Quando saiu a relação dessa “ética” do Senado, fiquei assombrado: não vio nome de Gim Argelo, o que merecidamente assumiu (?) quase todos os 8 anos de Roriz. Fui conferir, alívio, estava lá o antigo vendedor de carros usados.

(Na campanha de Nixon para presidente, perguntavam: “Você compraria um carro usado desse homem?”. Em 1960, não compraram, foi derrotado. Em 1968, compraram, eleito. Veio o arrependimento, em 1974, voltaram a desconfiar de Nixon, teve que renunciar para não sofrer impeachment). Quanto a Gim Argelo, basta olhar para ele, ninguém compra nada.

Em relação a Romero Jucá, justíssimo participar dessa “ética”. Líder de FHC, de Lula, de Dilma, ministro da Previdência acusadíssimo de irregularidades, a inclusão do seu nome nessa “ética” está no próprio currículo. Sendo membro, não pode ser julgado.

Fonte: Tribuna da Imprensa

FHC volta ao que sempre foi: extremado defensor da “direita”. Se não fosse, como poderia ser patrocinado pela Fundação Ford?

Helio Fernandes

Não admite o ostracismo. Faz qualquer coisa para voltar à ribalta, essa palavra é invenção ou obrigação do próprio ex-presidente, que afirmou: “Sou um ator como todos os políticos”. Reconhece que é ator, ribalta é natural.

Depois de dois jantares com Gilberto Kassab (que pagou os dois, mesmo sendo em Higienópolis, território de FHC), aceitou a “sugestão” do prefeito, e passou a defender a fusão PSDB, DEM, PSD.

Essa fusão-coalizão-participação, é a mais “compreensível e imaginável”. O PSDB fingia de “esquerda”, na verdade foi criado em 1986, depois da derrota para Orestes Quércia, Consideravam que não podiam continuar no mesmo partido.

Agora, esse PSDB, decide que o mundo não tem mais ideologia (digo isso há tanto tempo), devem ter aprendido alguma coisa fora da sociologia-de-parceria. E a subserviência dos “Encontros de Washington”.

O DEM, quase sem representação, vem em linha reta da Frente Liberal, um dos braços da ditadura. Para se manter no chamado período de transição. Ninguém desse PFL, agora DEM, foi perseguido ou cassado pela ditadura. Cassação que também não aconteceu com FHC. Melhor prova: foi o único que se intitulou “cassado”, mas disputou eleição em plena ditadura, 1978,

Perdeu mas ficou como suplente do senador Montoro, das grandes figuras do PMDB. Que colocou como vice-governador, precisamente Orestes Quércia.

Essa união de contrários que nunca se encontraram, é a coisa mais hilariante. Pela idade, o único que pode ter pretensões é o próprio Kassab. No início ninguém acreditava, nem este repórter. Agora, se conseguir juntar todos esses agregados, pode ter pretensões, é o mais pretensioso de todos.

***

PS – E sempre poderá contar com a “simpatia”, desculpem, de José Serra. É preciso esperar, o candidato derrotado duas vezes a presidente, já trabalha para 2014.

PS2 – Afirmei isso, no dia em que perdeu o segundo turno e fez o discurso, “isto não é uma despedida e sim um simples até logo”.

PS3 – De qualquer maneira, o PSD, o mais antigo e poderoso partido do Brasil (de 1945 a 1964), pode ganhar espaço. Nem que seja para usar a verba partidária, e aparecer na televisão.

***

ROBERTO FREIRE E O PPS

O PPS, sucessor do “Partidão”, é aliado de FHC e da antiga direita. Seu fundador, Roberto Freire, único destaque, tinha como objetivo se manter no jogo político, precisava apregoar as convicções de “esquerda”. Ficou surpreendidissimo, ao se eleger senador por Pernambuco. Acabados os 8 anos, voltou a se deputado, depois de uma interrupção, e mudança de domicilio eleitoral. (Chegou a ser candidato a presidente, com boa campanha. Muita gente dizia: “Se não fosse comunista, votaria nele”).

Apesar de tantas mudanças, é um nome que manteve a respeitabilidade política, as restrições são apenas eleitorais. Em matéria de dinheiros públicos, está acima de todos os outros.

Fonte: Tribuna da Imprensa

Fotos do dia

Guarda britânica marcha antes do casamento real em Londres Kate Middleton acena para a multidão ao chegar ao local do casamento A noiva Kate Middleton entra na Abadia de Westminster acompanhada do pai, Michael
Princípe William coloca a aliança no dedo de Kate durante a cerimônia no altar da abadia Princípe William beija Kate, a duquesa de Cambridge, como marido e mulher William e Kate deixam o altar seguidos pelo irmão dele, Harry, e pela irmã dela, Pippa

Leia Notícias do seu time


    • Corinthians
    • São Paulo
    • Palmeiras
    • Santos
    • Portuguesa
    • Guarani
    • Ponte preta
    • São Caetano
    • Santo André
    • Prudente
    • Guaratinguetá
    • Bragantino
    • Flamengo
    • Vasco
    • Fluminense
    • Botafogo
    • Grêmio
    • Internacional
    • Cruzeiro
    • Atlético Mineiro

Número de idosos passa o de crianças no país

Fabiana Cambricoli e Folha de S.Paulo
do Agora

Com uma população de 190.755.799 de habitantes, o Brasil se apresenta menos branco, mais velho, mais feminino e mais alfabetizado, segundo dados do Censo 2010, divulgados ontem pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Os brasileiros maiores de 60 anos --são 20.590.599-- passaram a representar 10,7% da população e superaram o número de crianças com até quatro anos (13.796.159), que equivale a 7,2%.

Em 2000, data do último censo, a parcela de idosos acima de 60 anos representava 8,5% dos brasileiros.

  • Leia esta reportagem completa na edição impressa do Agora neste sábado,

Governo volta a discutir o fim do fator

Gisele Lobato
do Agora

O governo e as centrais sindicais retomaram as discussões sobre o fim do fator previdenciário --índice que reduz o benefício de quem se aposenta mais cedo.

Ontem, representantes dos aposentados se reuniram informalmente com o ministro da Previdência, Garibaldi Alves Filho, em Natal (RN). Na ocasião, tratou-se do fim do fator, dizem os sindicalistas.

O governo já declarou que o fator não será extinto sem que haja um substituto. A aposta das centrais é pela adoção da fórmula 85/95, que daria benefício integral quando, na soma da idade com o tempo de contribuição, o resultado alcançasse 85, para as mulheres, ou 95, para os homens.

  • Leia esta reportagem completa na edição impressa do Agora neste sábado

Troca de plano de saúde fica mais fácil

Livia Wachowiak Junqueirado Agora
As regras para a troca de convênios médicos, sem que o consumidor cumpra novas carências (tempo que o usuário paga o plano, mas não pode usar os serviços), foram ampliadas pela ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar). As normas passarão a valer a partir de 27 de julho.
Na prática, as medidas devem permitir que mais consumidores façam a troca de plano de saúde. Entre as principais mudanças está a regra que permite os usuários de planos coletivos por adesão (filiados a sindicatos) participarem da troca de convênio sem carência.
Outra novidade é a norma que também permite aos beneficiários optar por convênios que ofereçam a rede credenciada em áreas diferentes das cobertas pelo plano atual: um usuário com um plano de cobertura municipal poderá migrar para um com cobertura estadual ou até nacional.
Leia esta reportagem completa na edição impressa do Agora neste sábado

sexta-feira, abril 29, 2011

Nos jornais: Ministro diz que INSS vai cortar pensões por morte

Folha: Arma ilegal entra pela fronteira até por motoboy. Estadão: Doações irregulares de empresas para as eleições de 2010 somam R$ 142 mi

O GLOBO

Ministro diz que INSS vai cortar pensões
O ministro da Previdência, Garibaldi Alves Filho, confirmou ontem que o governo pretende fazer ajustes para acabar com irregularidades no pagamento de pensão por morte. Ele revelou que as ações não se limitarão ao INSS, atingindo também o sistema previdenciário do setor público. A informação sobre mudanças no pagamento de benefícios a viúvas foi antecipada há pouco mais de um mês pelo GLOBO.
Segundo ele, há uma "frouxidão total" no Brasil em relação a pensões por morte, na arrecadação da dívida ativa e na negociação de imóveis em nome do ministério. Técnicos da área econômica reforçaram essa preocupação, dizendo que as regras atuais dão margem a distorções, incluindo o pagamento indevido de pensão vitalícia e o acúmulo de benefícios.
- A (mudança) abrange o setor público também. O setor público, sabemos, tem uma massa que recebe baixos salários, mas na pirâmide há altos salários e não há praticamente teto, que é no Empire State - ilustrou.

PF prende 9 acusados de fraudes
Nove pessoas acusadas de fraude contra o INSS foram presas ontem na Operação Highlander, realizada pela Polícia Federal no Rio. A quadrilha, que já teria causado prejuízo de ao menos R$120 milhões, utilizava benefícios de pessoas que nunca existiram. As prisões ocorreram em São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio, Búzios e Cabo Frio, na Região dos Lagos.
A PF tinha 12 mandados de prisão preventiva. Três pessoas continuam foragidas. Foram encontrados R$53 mil em uma residência e R$20 mil em outra, além de documentos. Segundo o Ministério da Previdência Social, esta é a maior fraude contra o INSS nos últimos cinco anos.

Empresas já se preparam para disputar aeroportos
O sinal verde do governo para a concessão à iniciativa privada da construção e operação de aeroportos no país já está despertando o interesse de grandes empreiteiras nacionais e de operadoras estrangeiras. Antecipando-se à decisão oficial, Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez e Odebrecht fizeram associações com companhias no exterior ou criaram subsidiárias de olho nesse mercado. Em conversas no Palácio do Planalto, vários grupos estrangeiros também mostraram forte apetite pelas licitações dos cinco principais aeroportos do país - Cumbica (Guarulhos-SP), Viracopos (Campinas-SP), Brasília, Galeão e Confins (Belo Horizonte). Entre eles, estão a Fraport (Alemanha), o Aéroport de Paris-ADP (França), o British Airport Authority-BAA (Reino Unido), a Aeropuertos Espanõles y Navegación Aérea-Aena (Espanha) e a Brussels Airport Company (Bélgica). Pressionada pelos governadores Sérgio Cabral (Rio) e Antonio Anastasia (Minas), a União tende a passar integralmente ao setor privado os terminais de Galeão e Confins no regime "de porteira fechada". Sendo assim, a Infraero deixaria de administrá-los.

TST: greve de juízes federais é inadequada
Opresidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), João Oreste Dalazen, criticou duramente ontem a paralisação de 24 horas dos juízes federais por reajuste salarial de 14,79%, além de igualdade de prerrogativas com o Ministério Público, mais segurança para magistrados que combatem o crime organizado e mais estrutura para os Juizados Especiais Federais. Dalazen classificou o movimento de "impróprio e inadequado" e lembrou que os juízes desempenham serviço essencial à sociedade.
- Pessoalmente, entendo que a greve em relação a atividades judiciais, promovidas por juízes, é uma providência imprópria e inadequada. Os juízes desempenham função pública como agentes de Estado. Não devem promover greve, desempenham serviço essencial. A sociedade não pode ficar refém da magistratura - afirmou Dalazen, acrescentando: - Considero uma decisão precipitada.
O presidente da Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), Gabriel Wedy, anunciou que, apesar da disposição para o diálogo, a categoria não descarta a possibilidade de nova greve. Os juízes vão se reunir em até 90 dias para decidir:

STF critica partidos ao decidir que vagas são das coligações
Por dez votos a um, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu ontem que a vaga de deputado federal afastado deve ser preenchida pelo suplente da coligação, e não pelo do partido. A decisão não vai mudar a atual configuração de cadeiras na Câmara, pois essa orientação já vinha sendo tomada pela Mesa Diretora, mesmo tendo o Supremo determinado a posse de alguns suplentes de partidos em decisões liminares (provisórias). No julgamento de ontem, alguns ministros aproveitaram para criticar a falta de ideologia dos partidos brasileiros - que hoje somam 27 e, em breve, a lista ganhará mais um: o PSD.

STF reverte decisão e mantém suplentes de coligação

Filho de fundador do PSDB admite engrossar grupo de dissidentes
A crise instalada no PSDB aumenta a cada dia. Filho do ex-governador paulista Franco Montoro, um dos fundadores do partido, o tucano Ricardo Montoro admitiu ontem a possibilidade de engrossar o grupo de dissidentes e deixar o PSDB. Aliado do prefeito Gilberto Kassab, Montoro não descarta se filiar ao PSD, mas faz mistério sobre os novos passos. Depois do anúncio de que seis vereadores e o ex-deputado Walter Feldman deixariam a legenda, Montoro disse que se sente sufocado num partido em que "não tem voz".
Assim como os colegas que saíram do PSDB com críticas à cúpula tucana, Montoro acredita que a debandada pode aumentar no ninho tucano. Segundo ele, nos últimos dois anos os integrantes da legenda passaram a ser perseguidos. A situação, disse ele, começou a se tornar insustentável em 2008, depois que parte dos tucanos decidiu apoiar Kassab na eleição municipal. O tucano Geraldo Alckmin, que

Centrais vão pressionar Câmara
Depois das festas do Primeiro de Maio, as centrais sindicais vão iniciar uma mobilização para tentar impor a votação, na Câmara, de uma pauta de interesse dos trabalhadores: redução da jornada de trabalho de 44 para 40 horas, mudanças no fator previdenciário ou o seu fim, regulamentação do trabalho terceirizado e a votação da Convenção 158 da OIT (Organização Internacional do Trabalho), que dá garantias contra a demissão imotivada.
Os presidentes das centrais discutiram a pauta ontem com o presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), e avisaram que as mobilizações, na Casa e nos estados, serão intensificadas. A estratégia é iniciar votações no segundo semestre, após negociação com líderes e setores empresariais. Maia é ex-metalúrgico e tem dito que quer marcar sua gestão com a votação de pontos da pauta trabalhista. Aos sindicalistas, deixou claro que é preciso negociar.

'Na segurança, há total falta de integração'
O Ministério da Justiça pretende criar um sistema nacional de informações sobre crimes que contabilize em tempo real casos de violência nos estados. O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, afirmou ontem que está sendo concluído um projeto de lei do Executivo para regulamentar e agilizar a reunião desses índices de criminalidade num único sistema, para que, a partir desses dados, sejam adotadas ações e políticas de segurança pública para regiões específicas do país.
Em audiência pública na Comissão de Direitos Humanos da Câmara, o ministro afirmou que a proposta vai contribuir para a integração dos órgãos da área:
- Há total falta de integração dos órgãos de segurança. Até mesmo as polícias Federal e Rodoviária Federal nem sempre andaram juntas. É preciso integração sistêmica. E, sem informações, é governar às cegas. Temos de parar de ser intuitivos.
O ministro defendeu ainda que os estados que não repassarem os dados ao sistema tenham dificuldades para obter recursos do governo federal na área. Também está nos planos do ministério a criação de um plano nacional de redução de homicídios. Entre as ações para alcançar esse objetivo está a campanha do desarmamento, que começa no próximo dia 6. Cardozo disse que sempre após essa iniciativa caem os indicadores de criminalidade. Segundo ele, não há meta de armas a serem recolhidas.

Paraguai pede ajuda para achar guerrilheiros
Em visita às instalações da Comissão da Verdade do Paraguai, a ministra da Secretaria de Direitos Humanos, Maria do Rosário, recebeu das autoridades locais, ontem, pedido para que o governo brasileiro ajude na localização de restos mortais de seis guerrilheiros paraguaios. Eles teriam sido mortos em 24 de dezembro de 1960, no Paraguai, durante a ditadura de Alfredo Stroessner, e seus corpos enterrados numa vala comum em Mato Grosso.
A diretora-geral de Verdade, Justiça e Reparação, Judith Rolon, explicou à ministra brasileira que a informação de que estão enterrados no Brasil surgiu em depoimentos de ex-militantes e militares à comissão paraguaia, que funcionou entre 2004 e 2008. A comissão analisou violações de direitos humanos nos 35 anos do governo Stroessner. Os guerrilheiros integravam o Movimento 14 de Mayo, de resistência ao regime militar. No Paraguai, já foram identificados 17 desaparecidos políticos.

Planalto usa atiradores de elite por causa de protesto de ex-servidores
Três atiradores de elite foram posicionados ontem no teto do Palácio do Planalto por causa de um pequeno mas barulhento grupo de ex-servidores da Aeronáutica que reivindica ser readmitido no trabalho. De manhã, três dos manifestantes subiram na torre da Bandeira Nacional, de cem metros de altura, na Praça dos Três Poderes, em frente ao Planalto, para pressionar o governo. Ficaram lá o dia todo; no fim da tarde, acabaram retirados pela Polícia Militar e presos para averiguação.
A manifestação - feita por 20 representantes da Associação Nacional de Ex-Soldados Especializados da Aeronáutica (Anese) - obrigou a presidente Dilma Rousseff a mudar a rotina de trabalho. Desde a tarde de terça-feira, a presidente, muito gripada, está despachando no Alvorada, para fugir do barulho incessante das vuvuzelas dos manifestantes. Ontem, além dos atiradores de elite no Planalto, barreiras de segurança foram montadas nos arredores do Alvorada.

Rio 2016: túneis do Joá serão ampliados
Com aprovação do Comitê Olímpico Internacional (COI), a prefeitura decidiu que vai alargar os túneis do Joá e do Pepino na parte superior do Elevado do Joá. Durante os Jogos de 2016, será implantado um sistema de rodízio para carros de passeio em dois trajetos da ligação Barra Zona Sul (entre a Avenida Ministro Ivan Lins e a Praça Sibelius, e o cruzamento das Avenidas Niemeyer e Delfim Moreira).

Turismo ainda em cruzeiro
Em sua estreia pública como ministro do Turismo, na Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo do Senado, para falar sobre os planos para atrair turistas, Pedro Novais ontem iniciou sua exposição lendo um longo texto para mostrar quão nanica é sua pasta. Disse que não vai apitar nada nas decisões centrais sobre a Copa e as Olimpíadas, e que a única incumbência de seu ministério é capacitar 306 mil prestadores de serviços.
Como se estivesse atrasado alguns anos na História, mais de duas vezes se referiu ao real como cruzeiro e recorreu a uma citação romana em latim de mais de dois mil anos para dizer como é difícil definir: o que é turismo?
- O dicionário tem uma definição que não satisfaz. Os romanos, há dois mil anos, já diziam "humanus definutus periculosa", mas vou me arriscar a dizer o que é: ir fazer um check-up no Incor, hospedar-se no Fasano e ver a Bienal é turismo - disse Pedro Novais para um plenário quase vazio.

'Oposição é que nem carrapicho'
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ironizou a crise vivida pela oposição, que está enfraquecida e dividida, dizendo que ela é como "carrapicho", uma erva daninha que cresce sem precisar plantar. Ele fez a declaração ao chegar para a abertura do 8º Congresso Nacional dos Metalúrgicos da Central Única dos Trabalhadores (CUT), ontem à noite, num hotel em Guarulhos, na Grande São Paulo.
- Oposição é o bicho mais fácil de crescer. Oposição é que nem carrapicho. Eu fui oposição a vida inteira. A gente cresce sem ninguém precisar plantar - disse Lula, ao chegar ao congresso da CUT, que durante dois dias reunirá centenas de líderes dos metalúrgicos da CUT em Guarulhos. Lula se destacou no movimento sindical presidindo na década de 70 o Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo, no ABC paulista.

Jarbas: 'Senado parece que busca o suicídio'
O senador Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE), o único a votar contra as indicações dos partidos para o Conselho de Ética - que incluem, por exemplo, Renan Calheiros e Romero Jucá -, disse ontem que o Senado parece caminhar para o precipício:
- Tem hora que acho que o Senado busca o suicídio. O Conselho de Ética ter entre seus integrantes parlamentares que respondem a processo na Justiça ou que já foram alvo de representações na Casa é um verdadeiro deboche.

Mensalão: STF apurará vazamento
O ministro Joaquim Barbosa, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou ontem a abertura de inquérito para apurar o vazamento, para a imprensa, do relatório da Polícia Federal com novas informações sobre o mensalão, o esquema de pagamento de propina por parte do governo Lula a parlamentares. O ministro quer saber quem foram os responsáveis pelo vazamento para a revista "Época", já que as investigações estão em segredo de Justiça.
O pedido de abertura de inquérito foi feito pelo banqueiro Daniel Dantas, há duas semanas. Dantas é citado no documento elaborado pelo delegado Luiz Flávio Zampronha. O relatório da PF foi enviado a Barbosa e faz parte do inquérito 2.174 - uma das frentes investigativas do mensalão no Supremo.

Delúbio já participa hoje de uma reunião do PT
Cinco anos e seis meses após ter sido banido do partido pela operação do mensalão, o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares volta hoje ao convívio dos antigos companheiros. Os 84 membros do Diretório Nacional do PT estão prontos para aprovar seu pedido de refiliação, mas, antes, ele vai tratar pessoalmente de sua situação numa reunião reservada da corrente Construindo um Novo Brasil (CNB). Será decidida junto com os companheiros da CNB, corrente majoritária do PT, a conveniência de aprovar sua volta já neste fim de semana, junto com a delicada renúncia do presidente da sigla, José Eduardo Dutra.
Na época do mensalão, o Diretório Nacional aprovou relatório do conselho de ética que indicava a exclusão de Delúbio do partido por 37 votos a favor, 16 contra e três abstenções. A previsão é que sua volta seja aprovada por pelo menos 59 votos.

FOLHA DE S. PAULO

Arma ilegal entra pela fronteira até por motoboy
Na fronteira considerada a mais vigiada do Brasil, armas ilegais entram facilmente por meio de um esquema que se utiliza de motoboys.
A reportagem da Folha comprou anteontem um revólver calibre 38 no lado paraguaio da fronteira que liga Ciudad del Este a Foz do Iguaçu, no Paraná.
Nos fundos da loja Caza y Pesca, em Ciudad del Este, a Folha comprou um revólver calibre 38 e munição. Imediatamente, o vendedor acionou o entregador -que, na frente do repórter, escondeu a carga em um compartimento no assento da moto.
Foram R$ 700 pela arma, R$ 110 por uma caixa com 50 balas. E R$ 130 pelo serviço de "delivery" do motoboy - sendo que R$ 10 são para mais outro mototaxista levar o comprador até o local da entrega, já do lado brasileiro.
Pelas leis do Paraguai, a compra de armas ou munição é restrita a cidadãos paraguaios ou estrangeiros residentes no país que tenham certificados de bons antecedentes emitidos pela polícia e pela Justiça.

Sem combustível, avião espião da PF está em galpão
A principal promessa da então candidata Dilma Rousseff (PT) para o combate ao narcotráfico, ao tráfico de armas e ao contrabando na fronteira não consegue sair do chão, literalmente.
A promessa chama-se Vant, acrônimo de Veículo Aéreo Não Tripulado, um avião que registra imagens sem necessidade de piloto. Ele chegou ao país há mais de um mês, mas não há combustível para os voos.
Um pregão eletrônico aberto para escolher o fornecedor de 12 mil litros de gasolina de aviação, pelo prazo de um ano, foi cancelado por falta de candidatos.
A intenção da PF é usar a empresa que já abastece os aviões da corporação.
O preço do combustível -de cerca de R$ 60 mil por trimestre, segundo estimativa de policiais- é irrisório quando comparado ao gasto previsto com essa tecnologia até 2015, de R$ 540 milhões.
O Vant virou tema de campanha política no ano passado, quando Dilma apresentou-o nos debates e na propaganda de TV como uma ferramenta revolucionária no modo de patrulhar fronteiras.

Ficha Limpa pode barrar candidatura de Delúbio em 2012
Prestes a ser reintegrado ao PT, o ex-tesoureiro Delúbio Soares corre o risco de ser impedido de disputar as eleições municipais do ano que vem, como ele planeja fazer.
Expulso do partido em 2005 por causa do seu envolvimento no escândalo do mensalão, Delúbio foi condenado em maio do ano passado por improbidade administrativa por um colegiado do Tribunal de Justiça de Goiás.
Sancionada em junho de 2010, a Lei da Ficha Limpa impede que políticos condenados por colegiados disputem eleições, mesmo que eles ainda estejam recorrendo contra a condenação.
Delúbio manifestou a aliados a intenção de disputar em 2012 uma cadeira de vereador em Goiânia ou Buriti Alegre, sua cidade natal.
O PT começará hoje a discutir a reintegração do ex-tesoureiro e a decisão poderá ser ratificada no sábado, durante reunião do Diretório Nacional da legenda.

PT contraria Planalto e articula substituto para Dutra
À revelia do governo, o comando do PT articulava ontem a adoção de um mandato-tampão para a sucessão do presidente do partido, José Eduardo Dutra (SE). Licenciado do cargo por motivos de saúde, sua volta é considerada improvável por correligionários.
Pela proposta, o vice-presidente Rui Falcão permaneceria no cargo até setembro, quando haveria nova eleição no congresso do partido.
Apoiada por parte significativa do PT-SP -incluído o ex-ministro José Dirceu e o líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza- a ideia seria discutida ontem à noite pelo comando do partido.

Lula agradece apoio de sindicalistas durante mensalão
Em discurso para dirigentes da CUT, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva agradeceu ontem o apoio dos sindicalistas a seu governo na crise do mensalão.
Sem citar o nome do escândalo, afirmou: "No momento difícil, de uma crise delicada neste país, quem assumiu a defesa do governo não foi nenhum jornal, televisão ou empresário. Foi o movimento sindical e o movimento popular".
O agradecimento foi aplaudido por cerca de 400 sindicalistas, reunidos num hotel em Guarulhos (SP).
O PT deve aceitar neste fim de semana o pedido de refiliação do ex-tesoureiro Delúbio Soares, apontado como operador do esquema.

Kassab cria a 29ª pasta de governo e põe ex-tucano Walter Feldman
Para acomodar aliados políticos, o prefeito Gilberto Kassab atingiu ontem um recorde: criou a 29ª secretaria municipal de São Paulo.
As duas gestões anteriores, de José Serra (PSDB) e Marta Suplicy (PT), trabalhavam com 21 secretarias.
A nova Secretaria Especial de Articulação de Grandes Eventos chega para ampliar o espaço do PMDB na gestão e acomodar Walter Feldman, ex-tucano que deve aderir ao PSD, novo partido de Kassab.

Governo terá novos critérios para licenças de TV e rádio
O governo anunciou medidas para tentar evitar a atuação de laranjas no setor de radiodifusão. Serão editados novos critérios para outorga de emissoras de rádio e TV.
Reportagens da Folha mostraram que empresas abertas em nome de laranjas são usadas para conseguir licenças de rádio de TV nas licitações do governo federal.
Será adotado um filtro econômico para impedir que uma empresa sem condições financeiras vença o leilão.
O governo primeiramente determinará que, no momento da licitação, o concorrente apresente dois pareceres de auditorias atestando capacidade financeira para conduzir o negócio. Hoje não é cobrado nenhum atestado.
Por decreto, vai fazer a revisão do regulamento de radiodifusão. Será obrigatório pagamento de caução equivalente a 20% do valor do contrato. Hoje, é de 0,5% a 1%. Também obrigará o pagamento de 50% do valor do contrato no ato da outorga e 50% em sua assinatura.

Protesto em frente ao Planalto mobiliza até atiradores de elite
A Presidência da República autorizou que três atiradores de elite da Polícia Militar acompanhassem, do terraço do Palácio do Planalto, uma manifestação de um grupo de 30 pessoas que utilizavam buzinas para protestar.
O protesto chamou a atenção da PM depois que três dos manifestantes, ligados à Anese (Associação Nacional dos Ex-Soldados Especializados), subiram no mastro da bandeira nacional, com 100 metros de altura.
O trio, que reivindica reincorporação à Aeronáutica, chegou ainda de madrugada e permaneceu no mastro até por volta das 17h.

Juízes decidirão greve em até 90 dias
Os juízes federais em todo o país realizaram ontem paralisação de 24 horas e não descartam entrar em greve. Eles cobram mais engajamento do presidente do Supremo Tribunal Federal, Cezar Peluso, em favor das reivindicações da categoria.
A greve será decidida em até 90 dias, em uma nova assembleia a ser promovida pela Ajufe (Associação dos Juízes Federais do Brasil).
A paralisação nos Estados, no entanto, teve diferentes níveis de adesão. Em alguns, as audiências foram remarcadas e os juízes federais atenderam apenas a casos emergenciais -como prisões em flagrante e liminares para obtenção de remédios.

PF prende quadrilha acusada por rombo de R$ 120 mi no INSS
A Polícia Federal prendeu ontem uma quadrilha acusada de ter resgatado benefícios fraudulentos do INSS por 28 anos, o que teria causado rombo de R$ 120 milhões. O crime teve a participação de ao menos quatro servidores, entre eles um ex-chefe de uma agência da Previdência no Rio.
Nove pessoas foram presas. Os envolvidos, cujos nomes não foram divulgados, responderão por estelionato, formação de quadrilha e falsificação de documentos. Segundo a PF, a quadrilha foi criada por um servidor do INSS de São Gonçalo, morto há dois anos. Ele reativou benefícios de pessoas mortas alterando dados.
A quadrilha cooptava pessoas para resgatar os benefícios com documentos falsos, com dados iguais aos incluídos pelo servidor da Previdência.

STF determina que suplente da coligação deve tomar posse
O STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu ontem que um deputado federal que se licencia deve ser substituído por um suplente de sua coligação e não de seu partido.
O resultado modificou entendimento da própria corte de 2010, que poderia alterar a composição da Câmara em mais de 20 congressistas.

Aneel autoriza energia a subir mais que o pedido
Em tempos de escalada da inflação, os reajustes das tarifas de energia estão acima do que foi pedido pelas empresas neste ano.
Os clientes da concessionária Ampla, que atua no Estado do Rio de Janeiro, tiveram aumento de até 11,8% nos preços, mas a empresa havia pedido majoração entre 6,43% e 9,55% à Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica).
A Cemig (MG) pediu para aumentar a tarifa em até 8,8%, mas foi permitida correção de 9,02% para os clientes industriais.
Na CPFL, que havia pleiteado 6,71%, houve reajuste de até 7,72%. Na Enersul (MS), a correção está ainda mais salgada: os consumidores residenciais vão chegar a pagar 18,57% a mais em suas faturas a partir de maio. A empresa havia sugerido aumento de 17,56%.
A partir de maio, cerca de 61 milhões de pessoas nesses quatro Estados (RJ, MG, SP e MS) pagarão mais pela energia.

Medidas do Banco Central já tornam crédito mais caro
Os esforços do governo para segurar a expansão do crédito e a inflação já estão se traduzindo em taxas de juros mais altas, principalmente para consumidores. É o que mostraram dados divulgados pelo Banco Central.
Em março, a taxa média cobrada ao ano em financiamentos para famílias chegou a 45% -maior patamar desde junho de 2009. Se considerados também empréstimos a empresas, a taxa média vai para 39%.
Em linhas mais caras, como o cheque especial, a alta foi maior. Foram 7,2 pontos percentuais de aumento em março, o que elevou os juros da modalidade a 174,6% ao ano para consumidores, maior valor desde 2008.

Hamas e Fatah fazem acordo para governo da Palestina
Os principais partidos palestinos, o laico Fatah e o islâmico Hamas, chegaram a um acordo para por fim a quatro anos de confronto e formar um governo de unidade interino. Meta é realizar eleições em até um ano.
A mediação foi feita pelo Egito. A queda do ditador Mubarak, que não era visto como neutro, foi essencial para o acordo. Israel criticou o anúncio.

O ESTADO DE S. PAULO

Doações irregulares de empresas para as eleições de 2010 somam R$ 142 mi
Um cruzamento de dados feito pela Receita Federal a pedido do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) mostrou que R$ 142 milhões foram doados ilegalmente para financiar as campanhas eleitorais do ano passado. O Estado campeão em doações acima do limite legal foi São Paulo: R$ 46 milhões. No Rio, segundo colocado nesse ranking, as empresas doaram R$ 13 milhões acima do que poderiam.
Porcentualmente, Tocantins e Paraíba foram os campeões de doações acima do limite permitido. Somente em Tocantins, o valor corresponde a 2.494% acima do teto legal. Na Paraíba, as doações foram 1.868% maiores do que o permitido.
Do total de 19.658 empresas que fizeram doações em todo o País, foram identificados 3.996 doadores em situação considerada irregular pela Receita.
As doações feitas por outras 1.743 pessoas jurídicas estão sob análise. As demais 13.919 empresas fizeram doações dentro dos parâmetros da lei. Os nomes das empresas não foram divulgados porque as informações, justificou o TSE, são sigilosas.

Facções rivais palestinas anunciam reconciliação
Após quatro anos de divisão, as facções palestinas Hamas e Fatah anunciaram acordo de reconciliação nacional. Negociado em reuniões secretas no Cairo, o pacto prevê a formação de um governo interino, a fixação de uma data para as eleições e a libertação de presos políticos. No entanto, restam em aberto várias questões-chave - como a unificação das forças dos dois lados. Israel imediatamente condenou a decisão do Fatah, que controla a Autoridade Palestina (AP). "A AP deve decidir entre a paz com Israel e a paz com o Hamas, que quer nos destruir", disse o premiê israelense, Binyamin Netanyahu. Os EUA também receberam a notícia com reservas. Hamas e Fatah já haviam feito outros dois acordos, em 2007 e 2009, e ambos fracassaram.

Sarney tem 13 aliados em Conselho de Ética
O Conselho de Ética do Senado reiniciou ontem suas atividades sem dar sinal de que conseguirá recuperar a credibilidade. O colegiado estava desativado havia dois anos. Na nova composição, o presidente da Casa, José Sarney (PMDB-AP), tem o apoio de 13 dos 15 integrantes, além de ter assegurado o comando do órgão ao senador João Alberto (PMDB-MA), de sua confiança.
Na gestão anterior, o conselho arquivou todos as denúncias feitas contra Sarney, entre elas a responsabilidade pelos atos secretos e outros desmandos administrativos da Casa.
Iniciada com atraso de mais de uma hora, a sessão de instalação deixou claro que, na prática, pouco se deve esperar do conselho. O senador Mário Couto (PSDB-PA) chegou a fazer um discurso sobre a necessidade de o colegiado "começar com moral e terminar por moral".

Dilma considera ''erro'' Dutra renunciar ao comando do PT
A presidente Dilma Rousseff vai fazer um último apelo para o presidente do PT, José Eduardo Dutra, não renunciar ao cargo e prolongar sua licença médica até setembro, quando o partido promoverá um congresso para reformar seu estatuto.
O governo avalia que uma sucessão apressada poderia criar problemas. Tanto Dilma quanto o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva estão dispostos a evitar a troca de comando agora.
Na conversa que manteve com Lula, na segunda-feira à noite, no Rio, Dutra disse não se sentir confortável em deixar o partido aguardando por sua recuperação e afirmou que iria renunciar ao cargo amanhã, na reunião do Diretório Nacional do PT. Dutra está licenciado do cargo desde 22 de março, por causa de crises hipertensivas, que culminaram com forte depressão.

Burocracia atrasa entrega de imóveis
O mercado aquecido fez com que o prazo para obtenção de alvarás e da papelada para regularização de obras passasse de seis meses para pelo menos um ano em São Paulo. Escassez de materiais de construção e de máquinas e falta de mão de obra são outros problemas.

Crédito cresce 2,7% no trimestre e BC vê indício de desaceleração
O estoque de crédito na economia brasileira cresceu 2,7% no primeiro trimestre deste ano e o Banco Central avalia que o ritmo de expansão dos financiamentos caminha para uma taxa desejável para desaquecer a economia e conter a inflação. Apenas em março, ante fevereiro, o volume de crédito subiu 1%, mas se manteve estável em 46,4% do Produto Interno Bruto (PIB).
Os números divulgados ontem mostram que, em termos anualizados, o crédito neste início de ano de fato se expandiu em ritmo condizente com faixa de 10% a 15% definida como meta pelo presidente do BC, Alexandre Tombini. O problema é que, no primeiro trimestre de 2010, o crescimento foi idêntico ao verificado agora, mas nos trimestres seguintes, foi acima de 5%.
Ou seja, não se pode dizer com absoluta certeza que o ritmo desse trimestre foi fruto das medidas ou apenas um comportamento normal do período. De fato, nos 12 meses encerrados em março de 2011, a taxa de crescimento dos financiamentos ficou em 20,7%, ainda bem acima da faixa ambicionada pelo BC.Juízes federais fazem greve de um dia

Juízes federais fazem greve de um dia
A paralisação da Justiça Federal por um dia teve a adesão da quase totalidade dos juízes federais. Por decisão do Conselho da Justiça Federal, o dia parado será descontado dos salários. A Associação da Justiça Federal (Ajufe) já adiantou que recorrerá da decisão nos próximos dias.
A principal reivindicação dos quase 2 mil juízes federais é o aumento de 14,79% nos salários e benefícios que são garantidos ao Ministério Público, como licença-prêmio, auxílio-alimentação e a possibilidade de vender parte das férias de 60 dias a que têm direito anualmente.
Atualmente, os juízes federais recebem entre R$ 21 mil e R$ 24 mil.

Construtoras buscam sócios para aeroporto
Antes mesmo de o governo federal decidir pelo modelo de concessão no setor aéreo, anunciado terça-feira pelo ministro-chefe da Casa Civil, Antonio Palocci, várias empresas já vinham se movimentando para formar parcerias no mercado. No grupo dos principais interessados estão grandes construtoras nacionais como Odebrecht, Andrade Gutierrez, Camargo Corrêa e Carioca, além de multinacionais, como a espanhola OHL.
A ideia é se associar com operadoras estrangeiras, experientes no setor. A lista inclui a Aéroports de Paris (que administra o Charles de Gaulle e Orly), a alemã Fraport (gestora do aeroporto de Frankfurt) e a espanhola Aena, de Madri. Segundo fontes do mercado, a administradora de Paris já fechou parceria com o Grupo Carioca; já a empresa de Frankfurt estaria em conversas avançadas com a Andrade; e a OHL com a Aena. Procuradas, as empresas disseram que não vão falar sobre o assunto.
A Odebrecht também tem demonstrado interesse pelo setor. Há mais de dois anos, técnicos da companhia estudam oportunidades no segmento, mas não consideram todas potencialmente lucrativas. Um dos terminais que mais despertam interesse da empresa é o Galeão, no Rio, que já tem investimentos da Infraero em curso e capacidade ociosa.

Deputados de Minas perdem salário extra
A Assembleia Legislativa de Minas suspendeu o pagamento de horas extras aos deputados estaduais por participação em reuniões extraordinárias. A Mesa Diretora da Casa decidiu aguardar a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre uma ação direta de inconstitucionalidade ajuizada na semana passada, que solicita o fim do benefício pago aos deputados estaduais em Goiás.
Os parlamentares mineiros recebem R$ 1.002 por sessão extraordinária. Só neste ano, essas reuniões extras consumiram R$ 600 mil. Nos últimos dias, a imprensa mineira denunciou que os deputados estariam faltando às sessões ordinárias e convocando as extraordinárias para engordar os salários.
Pelo regimento interno da Assembleia, as sessões extraordinárias só devem ser convocadas em casos de urgência e de interesse público relevante. Os parlamentares podem promover até oito dessas reuniões por mês - o que lhes dá R$ 8.016 a mais nos vencimentos mensais.

Entrevista com Ricardo Montoro: ''Sinto um isolamento dentro do partido''
Filho do governador Franco Montoro (morto em 1999), o ex-deputado estadual Ricardo Montoro admite estar insatisfeito com o rumo tomado pelo novo diretório municipal em São Paulo, pivô da atual crise.
Que fatores levam o sr. a considerar deixar o PSDB?
Estou sentindo um isolamento dentro do partido. Fui vereador, deputado, secretário, e o partido me deu as costas.
O sr. concorda com a avaliação de que Alckmin é o responsável pelas defecções?
Eu não chegaria a nomear o governador. É um movimento que tem origem na eleição municipal de 2008, que o Kassab ganhou e o Geraldo perdeu. Essa é origem.
O que o sr. vai levar em conta para decidir?
Eu vou conversar com muita gente. O que eu quero deixar bem claro é que eu admito a possibilidade de sair. Mas eu ainda não saí e não tomei essa decisão. É um momento difícil e o que critico agora é essa falta de senso democrático que está tomando conta do partido.

PM compra carros de luxo para oficiais
O comandante da PM paulista, coronel Álvaro Batista Camilo, comprou, por R$ 2,8 milhões, um Captiva para ele e 61 Vectras para os coronéis da corporação.

Por 10 a 1, STF mantém vaga para coligações
O Supremo Tribunal Federal (STF) voltou atrás e confirmou ontem, por 10 votos a 1, que quando um deputado deixa o cargo para assumir um posto no Executivo, por exemplo, a vaga deve ser herdada pelo suplente da coligação, e não do partido do parlamentar que se licenciou. Em decisões anteriores, o STF tinha determinado a posse de suplentes de partidos.

Falta de remédio de alto custo gera ações
Os valores gastos pelo Ministério da Saúde para cumprir decisões judiciais que determinavam o fornecimento de medicamentos de alto custo aumentaram mais de 5.000% nos últimos seis anos. Foram gastos R$ 2,24 milhões em 2005 contra R$ 132,58 milhões em 2010.[ ]
Segundo José Miguel do Nascimento Junior, diretor do Departamento de Assistência Farmacêutica do ministério, os valores gastos no ano passado representaram 1,8% do total do orçamento destinado ao departamento.
No ano passado, a União foi citada em cerca de 3,4 mil ações judiciais em busca de medicamentos. Em 2009 foram pelo menos 3,2 mil processos do gênero. Na maioria dos casos, a Justiça determinou a entrega de medicamentos de alto custo - usados especialmente no tratamento oncológico ou de doenças raras.

CORREIO BRAZILIENSE

De doida, promotora não tem nada, diz IML
Laudo do Instituto Médico Legal conclui que Deborah Guerner age “de acordo com as conveniências, juízo crítico e contato com a realidade” e que houve simulação quando se submeteu à perícia médica.

O ensaio para um sonho...
Em simulação nas ruas de Londres, cavaleiros escoltam a carruagem na qual o casal real William e Kate deixará a Abadia de Westminster amanhã após a cerimônia de casamento. Na cidade, só se fala na festa.

...e o pesadelo brasiliense
Políticos desonestos, sempre eles, foram alvo de protestos que artistas protagonizaram em diversos pontos da capital. Na Esplanada, a bailarina gaúcha Daggi Dornelles passou a vassoura na corrupção que tanto envergonha a cidade.

Melhor e mais caro
Especialistas dizem que a privatização do aeroporto de Brasília, anunciada pelo governo federal, resultará em serviços de mais qualidade no terminal. Só que os passageiros podem pagar até o dobro pelas tarifas.

Código Florestal: Polêmica bate às portas dos condomínios
Projeto em discussão no Congresso deve incluir o debate sobre os imóveis e os setores urbanos localizados em Áreas de Preservação Permanente (APPs). Até mesmo empreendimentos às margens do Lago Paranoá seriam afetados.

Eleições: Suplente é de coligação, decide STF
No Distrito Federal, a decisão beneficia Augusto Carvalho (PPS) e Ricardo Quirino (PRB), que viraram deputados federais porque Luiz Pitiman (PMDB) e Geraldo Magela (PT) se afastaram para serem secretários do GDF. Suplentes do mesmo partido dos licenciados brigavam pelo mandato.

Gasolina
Em 80 postos, litro tem apenas três preços diferentes no DF.

Às lojas!
Mesmo com as medidas do governo para frear o consumo, os brasileiros tomaram R$ 71 bilhões em financiamentos em março. Terezinha diz fugir dos juros altos, mas Reny “compra sem ver”.

Nova licitação para colocar o VLT no trilho
Governo do DF acata a Justiça e decide abrir outra concorrência pública para implementar o sistema de transportes.

VALOR ECONÔMICO

Mínimo de 2012 eleva em R$ 10 bi o déficit do INSS
A política de correção do salário mínimo será a principal responsável pelo aumento de R$ 9,9 bilhões no déficit da Previdência Social em 2012, que passará de R$ 41,6 bilhões este ano para R$ 51,5 bilhões. Com o reajuste do mínimo e menor expansão da massa salarial, o desequilíbrio deverá atingir R$ 68 bilhões no fim de 2014, segundo cálculos do Ministério da Fazenda.
O critério de reajuste estabelece a correção do mínimo com base na variação do PIB de dois anos antes do reajuste, acrescida do INPC do ano anterior. Por essa regra, pela estimativa da Fazenda, a correção real em quatro anos será de 25,8%. Os prognósticos indicam salário mínimo de R$ 616,34 em 2012, R$ 676,35 em 2013 e R$ 745,66 em 2014. O efeito negativo do reajuste nas contas do INSS é grande porque os benefícios com valor igual ao salário mínimo respondem por 41 % da despesa da Previdência.

Governo vai reduzir anidro na gasolina
A recente elevação dos preços nas usinas acelerou a decisão do governo de reduzir a mistura de anidro à gasolina, hoje em 25%. A alteração será anunciada nos próximos dias, segundo apurou o Valor. O índice deve cair a 20% ou 18%, dependendo de uma decisão da presidente Dilma Rousseff. Se for a 20%, a medida poderá ser determinada por decreto interministerial. Abaixo disso, será preciso uma medida provisória.
Para reforçar a estratégia de intervenção no setor, Dilma também determinou à Petrobras Biocombustíveis maior rapidez nos investimentos para produção de etanol.

Minha Casa, Minha Vida ajustado ao PT
Na semana em que reúne o Diretório e a Executiva nacionais para tratar, entre outros temas, das eleições municipais, o PT se mobilizou para aprovar ontem, na Câmara, medida provisória que pode abrir caminho para um melhor desempenho nas urnas em 2012. A MP 514 foi colocada em votação com alterações feitas em conjunto pelo governo e o relator do texto, André Vargas (PT-PR).
As principais mudanças pretendem fazer o programa deslanchar nos municípios com até 50 mil habitantes, redutos em que o partido teve desempenho fraco nas duas últimas eleições para prefeito. Um dos artigos do texto original da MP determina que a União "deverá realizar oferta pública de recursos destinados à subvenção econômica ao beneficiário de operações em municípios com até 50 mil habitantes". Foram acrescidos dois parágrafos que criam um regulamento específico para atender cidades entre 20 mil e 50 mil habitantes, população urbana superior a 70% e crescimento entre 2000 e 2010 superior à do respectivo Estado.

Sistema mantém farta liquidez
Mesmo com as medidas adotadas pelo Banco Central desde o fim do ano passado, como o aumento do depósito compulsório dos bancos, a liquidez do mercado continua folgada, o que para alguns economistas pode contribuir para alimentar pressões inflacionárias.
O nível de liquidez do mercado mudou com a atuação do BC na crise de 2008 e agora se consolida com as intervenções cambiais da própria autoridade monetária para conter a valorização do real. Dados do Sistema de Pagamentos Brasileiro (SPB) mostram que o volume de dinheiro movimentado diariamente alcançou R$ 530 bilhões na média de janeiro a meados de abril - um dos níveis mais altos desde 2002. Nos primeiros meses de 2008, o giro diário no SPB não chegava a R$ 300 bilhões. Além do giro financeiro ampliado, cresceu o número de operações - em média, 32%, aproximando-se de 54 mil por dia. Em parte, essa expansão se deve às atuações das mesas de operações de mercado aberto e reservas internacionais do BC, também registradas no SPB.

Luzes para Bernanke
Ben Bernanke, presidente do Federal Reserve, concede entrevista inédita e confirma o fim do programa de compra de bônus de US$ 600 bilhões, mas não dá sinal de alta do juro.

Máquina de Vendas vai às compras
Resultado da associação entre as redes varejistas Ricardo Eletro, Insinuante e City Lar, a Máquina de Vendas dispõe de R$ 1 bilhão para comprar outras empresas do setor. O presidente do conselho da companhia, Luiz Carlos Batista, tem procurado redes de lojas em diversas regiões do país, especialmente no Sul e no Rio de Janeiro.
Os recursos foram obtidos com a parceria fechada com o HSBC, em fevereiro, para criação de uma promotora de vendas. Para ter exclusividade no financiamento das vendas nas três redes, o banco pagou R$ 500 milhões e deixou disponível uma linha de crédito de mais R$ 500 milhões. Batista não confirma os valores, nem a atenção especial às praças da Região Sul, a única do país onde a Máquina de Vendas ainda não está presente.

Rússia adota restrições à compra de carne brasileira
A Rússia, principal mercado para as carnes do Brasil, impôs restrições temporárias às importações de produtos brasileiros após uma inspeção de duas semanas a 29 processadoras nacionais de carnes bovina, suína, de frango e industrializados, finalizada no dia 18. Conforme apurou o Valor, o órgão de inspeção veterinária do governo russo manteve restrições às importações de 13 unidades que já estavam sob embargo e pretendiam voltar a exportar. A missão visitou ainda oito fábricas pela primeira vez, que também não foram habilitadas.
Em comunicado divulgado em seu site, em tom duro e com críticas ao Ministério da Agricultura brasileiro, o órgão fiscalizador do governo russo diz que a inspeção apurou uma piora nos últimos anos no sistema que assegura a conformidade dos produtos brasileiros às normas de segurança alimentar russas.

Ética sob suspeita
A participação do líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), e de senadores que respondem a processos na Justiça no Conselho de Ética da Casa aumenta o descrédito em relação ao órgão.

Nacionalização
A demanda aquecida por câmeras digitais estimula fabricantes como Nikon, Fuji e Samsung a aumentar a produção desses equipamentos no Brasil. No ano passado, as vendas cresceram 38%, para 3,5 milhões de unidades.

Reforço na saúde em BH
Ampliação do hospital da Unimed marca uma série de investimentos em saúde em Belo Horizonte, que se aproximam de R$ 1 bilhão. A previsão é que sejam abertos mais de mil leitos na cidade.

Energia
Até 2020, quando a população brasileira deve chegar a 205 milhões de pessoas, a demanda por energia elétrica crescerá 4,8% ao ano, saindo de um patamar de consumo de 456,5 mil GWh para 730,1 mil GWh. "Ainda há muito a crescer com a evolução da renda", diz Mauricio Tolmasquim, da EPE.

JBS aceita acordo no Acre
O JBS, maior frigorífico do mundo, assinou acordo judicial para encerrar um processo movido pelo Ministério Público Federal (MPF) do Acre por ter supostamente comprado bois de áreas desmatadas ilegalmente na Amazônia.
Fonte: Congressoemfoco