Família Montalvao

Família Montalvao

segunda-feira, junho 30, 2008

FICHA LIMPA E FICHA SUJA.

Em todas eleições, nas cidades interioranas, as diversas facções políticas recebem denominações próprias, como boca preta e boca branca em Jeremoabo e Tacaratú - PE, em certa época, e por ai vai. Faz parte da irreverência do povo.

Jeremoabo oferece agora um aspecto peculiar e sintomático que já deve trazer preocupação a determinadas pessoas. A Coligação encabeçada pelo ex-prefeito Tista recebeu a denominação de “ficha suja” e tem sua razão de ser. Já os partidários da Coligação encabeçada por Deri do Posto Paloma, recebeu a denominação de “ficha limpa”. Isso pode ser visto como um prenúncio de mudanças exigidas pelo povo. Enfim, hoje, no Brasil, todo mundo tem sua TV em casa e os moradores das zonas urbana e rural, por satélite ou não, todo dia, estão assistindo ao vivo, cenas de autoridades públicas de todos os quilates, sendo algemados e jogados em camburões.

A imprensa e as Cortes de Justiça, com ampla aceitação da sociedade, estão a exigir dos exercentes cargos públicos, especialmente dos candidatos a cargos políticos, um passado limpo. Parte das Cortes Eleitorais, especialmente, do TSE, estão travando uma cruzada contra os autores de corrupção, da improbidade e de crimes de várias matizes. Três membros do TSE, em votação recente, manifestaram a opinião de indeferir o registro de candidato de ficha suja.

Em Jeremoabo temos as candidaturas de Deri e Marco Dantas, Prefeito e Vice, contra as candidaturas de Tista e Pedrinho, Prefeito e Vice, os ficha limpa contra os ficha suja, na ordem respectiva, e isso tem sua razão de ser.

Deri, quanto Marcos Dantas, é pessoa de passado limpo, sem mácula, sem processos de qualquer natureza contra eles, podendo retirar certidões negativas em qualquer órgão judicial ou não, Conselhos de Contas ou não, representando eles, a nova ética na política, o novo, a mudança positiva, daí serem “ficha limpa”.

Os “ficha suja” ficou reservado aos seguidores do ex-prefeito Tista que tem o alto índice de rejeição e contra si inúmeros processos, cíveis e criminais. Recentemente teve seus direitos políticos cassados por decisão do Juiz da Comarca por atos de improbidade administrativa, cuja decisão é objeto de apreciação pelo TJBA. Suas contas anuais de 2003 foram rejeitadas pela Câmara. O TCM - BA julgou várias denúncias contra ele, reconhecendo o cometimento de graves irregularidades, condenando-o a devolver dinheiro aos cofres públicos, determinando, inclusive, que se desse conhecimento ao Ministério Público.. Na Polícia Federal tramita Inquérito Policial.

Em razão das graves imputações contra o ex-prefeito, os partidários de sua Coligação passaram a ser chamados de ficha suja.

Deri e Marco representam o novo responsável e dão o exemplo com o próprio passado, limpo.

Fernando Montalvão.
Jeremoabo, 30 de junho de 2008.

Recordar é viver

O Caminho da Familia Unida....
Charge publicada há anos na revista Caros Amigos. No Brasil ela sempre será atual, por muitas e muitas décadas. Infelizmente...

Por: J. Montalvão


Ao passear pelo Blog do meu amigo Francisco Melo encontrei uma piada tão mal contada, de ma gosto e enganosa, que sou obrigado a transcrever neste site.

Primeiro o mínimo que entendo junto a todos que tem responsabilidade e bom senso de trocadilhos fazedores de gozação, ou melhor, que zombam da inteligência de qualquer cidadão, senão vejamos:
UNIDDOS PARA MUDAR, frase digna de constar do “o impossível acontece”.

A frase mais certa seria: Pedrinho quem te viu e quem te vê, ou então quem mudou você ou o Tista?

Quase toda as denuncia de corrupção e improbidades existentes na Justiça contra o Tista são assinadas pelo Pedrinho, ações essas em andamento e que o Pedrinho irá depor como Testemunha de acusação contra a cabeça do seu companheiro de chapa.

Aqui fica a seguinte pergunta: diante de sua atitude ou procedimento, suas afirmativas e denuncias de que o Tista é corrupto e ímprobo, são verdadeiras ou você está mentindo, não passa de um grande pinóquio?

Penso eu que o povo de Jeremoabo não é tão imbecil assim para deixar ser enganado por umas propagandas tão grotescas, enganosas e sem escrúpulo.

Mas vamos a matéria acima mencionada:

EDITORIAL

Unidos para mudar, ou puro continuísmo?

Unidos para mudar é a expressão escolhida para dar nome à coligação pela qual concorrerão Tista de Deda para Prefeito e Pedro de João Ferreira para vice-prefeito. Uma boa escolha, certamente, dos dois vocábulos união e mudanças, pois que ninguém desconhece a necessidade de mudar-se o cenário degradante e de descalabros que se tornou a política de Jeremoabo, permeado de denúncias que vão do legislativo ao executivo, sobre práticas de corrupção, chantagem e extorsão, dentre outras menores, urgindo, para tanto, a união dos que pensam a administração e a forma de gerir os recursos públicos de forma diferente.

Mas a união, neste sentido, só existe entre pessoas que pensam e agem de forma semelhante, tendo um testemunho de conduta, de vida pregressa, que desperte confiança no eleitorado, e defendam um projeto de mudanças verdadeiro. Do contrário o título da legenda não passará de mera frase de efeito, a ser explorada na propaganda política, e nada mais. Partindo deste princípio, o título melhor aplicado seria “coligação acredite quem quiser”.

Por mais que tenha boa vontade pessoas com inteligência pelo menos mediana não acreditam que alguém que governou o município por oito anos, realizou, para sermos justos, um bom trabalho durante o seu primeiro mandato, realizando obras de destaques, mas que saiu extremamente desgastado do segundo, execrado mesmo por seus próprios eleitores, que responde a ações no judiciário e já foi condenado e tornado inelegível (recurso está para ser julgado no TJ), represente mudanças.

Diríamos ser uma piada de mau gosto, uma gozação com as pessoas inteligentes, principalmente quando voltamos nosso olhar para o vice da chapa, Pedrinho de João Ferreira, fruto da dita “união para mudar”, pois é exatamente este personagem quem assina as dezenas de representações ao Ministério Público denunciando o ex-prefeito e hoje seu companheiro de chapa, pela prática de corrupção, e que hoje ameaçam sua candidatura.

Na verdade não temos nada contra a que eles se unam e acalentem juntos, um projeto político, já que pensam e agem de forma semelhante, e principalmente por terem o aval da plebe ignara, dos mamadores de plantão, dos que só sobrevivem mamando nas tetas da vaca pública. Mas que sejam verdadeiros e declarem para o povo que são continuísmo, representam tudo o que se condena hoje nos homens públicos, e que a única mudança que realmente defendem é a de tirarem os que estão na prefeitura para ocuparem os seus lugares. Mudanças de pessoas, jamais de estilos e práticas.
Assim, que respondam os eleitores: dá para acreditar em mudanças e muito menos em união
Fonte: number.one.zip.net

Diante dos fatos, qual o pior: quem denunciou ou quem cometeu o dolo?

Por: J Montalvão


Eu não me canso de citar a maldição dos capuchinhos contra Jeremoabo, a cada momento assistimos as constantes etapas evolutivas da praga.

Para ter certeza do acima mencionado basta qualquer cidadão de bem, que saiba discernir as coisas e analisar a situação política de Jeremoabo, principalmente a ficha mista.

Ontem em uma nossa matéria informamos que Jeremoabo marcharia com dois concorrentes a candidatos a Prefeito, “os fichas limpas” e os “fichas sujas”, porém, o panorâmico político mudou, teremos os “fichas limpas”e os “fichas mistas”, ou seja, um repleto de crimes de corrupção, improbidade, falsificação etc., e o seu vice, a pessoa que denunciou todas essas falcratuas, fato esse que dispensa qualquer comentário.

O João Ferreira que não quis embarcar mais uma vez em canoa furada, “saltou” fora enquanto era tempo, pois tudo indica que candidato corrupto e com ficha suja vai ser impugnado e afastado de concorrer com os candidatos limpos e honestos.

A respeito de candidato ficha suja vejamos o que diz o procurador Luiz Carlos dos Santos Gonçalves: Para embasar sua proposta, o procurador exibe o parágrafo 9º do artigo 14 da Constituição, que manda considerar a vida pregressa do candidato para garantir a probidade administrativa.

Então eu faço aqui a seguinte pergunta: como está perante a Justiça de Jeremoabo/Bahia, a vida pregressa da cabeça de chapa do “ficha mista?”

Mais adiante cito parte de outra matéria a respeito de quem tem ficha suja, comentada pelo presidente do TRE-RJ (Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro) desembargador Roberto Wider:

“...as listas com processos dos candidatos com ficha suja serão divulgadas pela AMB (Associação dos Magistrados do Brasil). Para ele, o compromisso dos juízes eleitorais já está mexendo com a responsabilidade dos partidos, que, sem batalha judicial, podem impedir que criminosos cheguem ao poder simplesmente negando-lhes legenda.” A informação é do jornal O Estado de S. Paulo

Portanto, acredito que o povo consciente, responsável e que se preza saberá separar o criminoso do cidadão de bem.


Juiz do Rio diz que vai confrontar TSE e barrar candidato com ficha suja

Inquéritos de crimes, costumeiros processos de improbidade administrativa e enriquecimento ilícito estão se tornando cotidianos em muitas casas legislativas. No Rio, essa realidade levou o presidente do TRE-RJ (Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro) desembargador Roberto Wider, a levantar mais uma vez a bandeira da moralidade.Ele acredita que a Corte não se furtará a negar muitos registros de candidatura. Além de chamar a atenção da imprensa, as listas com processos dos candidatos com ficha suja serão divulgadas pela AMB (Associação dos Magistrados do Brasil). Para ele, o compromisso dos juízes eleitorais já está mexendo com a responsabilidade dos partidos, que, sem batalha judicial, podem impedir que criminosos cheguem ao poder simplesmente negando-lhes legenda. A informação é do jornal O Estado de S. Paulo .
Fonte: Última Instância

Procuradoria quer impugnação de condenados pelos tribunais

O procurador Luiz Carlos dos Santos Gonçalves recomendou aos promotores eleitorais do Estado a impugnação de candidatos condenados por tribunais, mesmo que a sentença não seja definitiva. Para embasar sua proposta, o procurador exibe o parágrafo 9º do artigo 14 da Constituição, que manda considerar a vida pregressa do candidato para garantir a probidade administrativa. Segundo a Folha de S. Paulo , em consulta recente sobre o tema, o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) entendeu que os políticos só perderão a candidatura quando não cabe recurso. A atual lei complementar eleitoral fala em esperar o trânsito em julgado da condenação. Para o procurador, isso é ilegal.
Fonte: ÚTIMA INSTÂNCIA

Presidente do STF é assaltado em Fortaleza

FORTALEZA - O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Gilmar Mendes, foi assaltado ontem pela manhã no calçadão da Avenida Beira-Mar, principal corredor turístico de Fortaleza. Mendes caminhava próximo à área conhecida como Volta da Jurema, quando dois assaltantes levaram o cordão de ouro dele. Os seguranças do ministro conseguiram recuperar o objeto. Um dos ladrões foi preso. O outro fugiu.
Um boletim de ocorrência foi registrado no 2o Distrito Policial (DP), na Aldeota. O presidente do STF, que foi à capital cearense para um compromisso social no último sábado, ficou com uma leve escoriação no pescoço.
Apesar de ser o principal cartão-postal da capital e de ser monitorada por câmeras de vigilância, na avenida, os assaltos a turistas são uma constante. É nela que estão concentrados os melhores hotéis da cidade. (AE)
Fonte: Correio da Bahia

Operação da Polícia Federal acirra desavenças no Planalto

Disputa política entre ministros da Justiça e da Casa Civil respinga sobre o PAC


BRASÍLIA - A primeira reação que a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, teve ao saber que a Operação João de Barro, da Polícia Federal, pôs o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) na berlinda foi de revolta. “É mais uma do Tarso”, protestou Dilma, logo que o teor da investigação foi divulgado, no último dia 20, numa referência ao ministro da Justiça, Tarso Genro. O comentário retrata a disputa política que marca a relação entre os dois.
Sorridentes em público, Dilma e Tarso dão cotoveladas nos bastidores. A chefe da Casa Civil chegou a se queixar do colega ao presidente Lula. Motivo: não gostou de declarações dadas pelo titular da Justiça sobre sua possível candidatura à Presidência, em 2010. Além disso, ficou furiosa com o anúncio de que a construção de casas populares do PAC era objeto de corrupção em sete estados. Tarso foi o primeiro que mencionou o PAC ao tratar do tema. A operação da Polícia Federal apontou um esquema de cobrança de propinas em obras que envolvem 119 prefeituras e teria desviado R$700 milhões. “Não há hipótese de qualquer tolerância em relação a desvios e fraudes no âmbito do PAC”, afirmou Dilma.
Pirotecnia - Lula deu razão à ministra. Há cinco dias, em cerimônia de assinatura de atos do programa, no Palácio do Planalto, ele escancarou sua insatisfação com o que chamou, reservadamente, de “pirotecnia” da Polícia Federal. “Logo de cara, eu disse para a Dilma: não tem obra do PAC nessas cidades. E pasmem: de quase R$1,8 bilhão, apenas R$15 milhões foram liberados em oito cidades que começaram as obras. Isso significa menos de 1% do dinheiro previsto”, insistiu o presidente.
Para Lula, ninguém pode dizer qual obra vem sendo investigada porque o processo corre em sigilo. “Mas já encontraram um culpado: é o PAC”, reclamou. O jogo de escaramuças entre Dilma e Tarso veio à tona há pouco mais de um mês, quando o ministro da Justiça deu uma entrevista ao jornal Zero Hora, do Rio Grande do Sul, na qual disse que o candidato do PT à sucessão de Lula precisaria ter como atributo “profundo vínculo partidário”.
Batizada de “mãe do PAC” por Lula, a ministra é a candidata preferida do presidente para herdar o seu espólio. Um dos mais conhecidos formuladores do PT, Tarso ficou em segundo plano. Há um ingrediente adicional: se Dilma não emplacar para o Planalto, pode mudar o plano de vôo e tentar o Palácio Piratini. O problema é que Tarso se prepara justamente para concorrer ao governo gaúcho em 2010. (AE)
Fonte: Correio da Bahia

“Davi” e “Golias” se enfrentam na sucessão

Um candidato da oposição assume para si a incumbência de derrotar um ministro, um governador, o próprio prefeito e um ex-prefeito. É o maior desafio da trajetória política do deputado federal Antonio Carlos Magalhães Neto. Caso eleito para comandar a cidade nos próximos quatro anos, ACM Neto será o novo fenômeno na política contemporânea da capital. É a luta de Davi contra Golias. Neto, tal qual o rei de Israel, vai precisar de dezenas, centenas de fundas e um balde imenso de pedras para nocautear o filisteu gigante de quase três metros de altura. Na hipótese de sua “arma” abater, em outubro próximo, Geddel Vieira Lima, Jaques Wagner, João Henrique e Antonio Imbassahy, terá ACM Neto, tal qual fez Davi após degolar Golias, as cabeças dos adversários para exibir em praça pública. Ele não vai mais precisar ameaçar levantar da cadeira da Câmara para dar uns tapas no presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A hipotética vitória de Neto em Salvador valerá por mil sovas em Lula, sem que o deputado baiano tenha a necessidade de encostar um dedo sequer no presidente. O governador tem batido na mesma tecla: há um inimigo comum. Chama-se ACM Neto. A união de todos, em tese, vai contribuir para escurraçar eleitoralmente o democrata. Wagner falou em unidade, mas os aliados se dispersaram e cada qual tratará de brigar pelo seu quinhão nas urnas. Davi - perdão, Neto - é o único adversário de peso a encarar Golias, aqui representado pelos chamados partidos de esquerda e centro-esquerda. (Por Janio Lopo - Editor de Política).
Governador queria candidatura única em Salvador
O projeto original do governador pifou. Seria o apoio integral, já no primeiro turno, à reeleição de João Henrique. Mas os que estavam com o prefeito debandaram em busca do mesmo tesouro. Wagner pode ter perdido os passos, mas mantém a dança. Equilibra-se que só ele mesmo. Na convenção do PMDB, no último dia 15, confessou possuir duas candidaturas a prefeito de Salvador. Estimulou mais uma vez João Henrique, satisfez o ego do ministro Geddel e deixou atônitos os outros componentes da base, que querem o status de aliados e não de simples agregados ao Palácio de Ondina. O tucanto baiano engoliu a seco. Mas Wagner deixou claro que o candidato do seu coração é o petista Walter Pinheiro, por razões óbvias, mas que seguirá firme com João Henrique caso esteja ele no segundo turno. Na convenção do PT deste final de semana, o governador rasgou a seda em direção a Pinheiro e dos seus companheiros de chapa, o PSB, que tem Lídice da Mata como vice na chapa majoritária, além de afagar com mil carinhos a vereadora Olívia Santana, do PC do B, e dos petistas que, assim como Olívia, retiraram em debandada para não prejudicar a candidatura de Pinheiro. Wagner foi o cabeça pensante de toda a engrenagem política que impediu uma divisão ainda maior das forças políticas que ele queria ver curtindo um love story antes, durante e após a proclamação dos resultados das urnas. Também no final de semana, o marido de Fátima Mendonça, após um mistério de dias, compareceu à convenção do PSDB, dando sinais evidentes de que Imbassahy também é gente boa - melhor dizendo, gente sua. O apoiará num eventual segundo turno. Mas quem vai para o segundo turno? O PMDB garante que será Henrique, o PT e seus penduricalhos apostam em Pinheiro, o Democratas e seus sete nanicos (ou seis?) dizem que Neto já está lá e os tucanos já encomendaram asas e bico novos para Imbassahy. As últimas pesquisas dizem que o meio de campo está embolado. Mas o “ príncipe herdeiro”, como se refere Geddel a Neto, tem aparecido nas primeiras colocações. Junto com João Henrique e Imbassahy. (Por Janio Lopo - Editor de Política).
Frente de Esquerda oficializa chapa Pinheiro/Lídice
No último sábado a Frente de Esquerda formada por PT-PSB-PCdoB-PV oficializou o nome do deputado federal Walter Pinheiro para disputar a prefeitura de Salvador. O governador Jaques Wagner, que marcou presença durante o evento realizado no Centro de Convenções, falou à imprensa logo na sua chegada e demonstrou satisfação pela unidade dos partidos de esquerda. Ressaltando a unidade, Wagner agradeceu aos deputados Nelson Pelegrino, J. Carlos e ao secretário estadual Luiz Alberto, ex-prefeituráveis, além de mencionar os nomes de Olívia Santana (PCdoB) e Lídice da Mata (PSB) que também fizeram parte neste processo de unidade. Sobre polêmico em comparecer ou não na convenção do PSDB, o que acabou acontecendo, o governador deixou claro para os presentes que existem três candidatos da sua base de apoio na disputa pela prefeitura de Salvador, que são o deputado Walter Pinheiro (PT), o ex-prefeito Antônio Imbassahy (PSDB) e o prefeito João Henrique (PMDB). Porém, o governador não deixou dúvidas sobre a sua preferência. “No silêncio da urna, se votasse em Salvador, meu voto seria Pinheiro e Lídice”, declarou. Contudo, o governador advertiu aos militantes petistas e dos outros partidos aliados sobre o seu papel neste processo eleitoral. “Não confundam minha paixão com minha racionalidade política. Não confundam minha história com minha racionalidade política. Sei de onde eu vim e para onde eu volto”, disse. Mesmo sendo ponderado nas suas colocações, Wagner foi bastante aplaudido durante alguns trechos do seu discurso. O candidato do PT, deputado federal Walter Pinheiro, fez um longo discurso no durante o encerramento da convenção que homologou a chapa com o seu nome e da deputada Lídice da Mata na disputa pela prefeitura de Salvador. Além de convocar a militância para a luta, o candidato petista mostrou-se otimista para a vitória, passando a receita sobre como deverão se comportar durante a campanha. “Vamos sair de rua em rua, de bairro em bairro para mostrar as nossas propostas”, disse. Pinheiro adiantou também algumas propostas que irá defender durante a campanha, e voltou a afirmar a sua vinculação com o governo do presidente Lula. Sob esta questão, a estratégia do petista é demarcar os espaços entre ele e os outros candidatos, na tentativa de ser o grande beneficiário da popularidade que o presidente ostenta na capital baiana. Aliás, sobre esta polêmica Pinheiro incluiu também o governador Jaques Wagner, por isso ele vem afirmando que “o governador vai subir no nosso palanque porque ele é do PT” O clima de euforia dominou o ambiente da convenção realizada neste final de semana, por isso a deputada federal Lídice da Mata (PSB), vice da chapa, mostrou-se confiante. “A força da convenção mostrou que a nossa chapa tem capacidade de vitória. E o tamanho da convenção dará o impulso à campanha”, disse a socialista. (Por Evandro Matos).
PSB, enfim, encontra a paz
Quem esperava uma convenção do PSB tumultuada, ficou frustrado. A pomba branca, símbolo da bandeira socialista prevaleceu o partido, realizou uma das mais animadas convenções dos últimos anos em Salvador, durante a manhã de sábado no Centro Cultural da Câmara de Vereadores. O clima de tranqüilidade, com direito a charangas organizadas pelos candidatos à vereador e discursos conciliadores, todos enaltecendo o crescimento e a unidade do partido, não deixaram dúvida de que a unidade voltou a reinar entre os socialistas. Nas eleições deste ano o PSB lançou, pela primeira vez, 54 candidatos a vereador, sendo que desses, três concorrem à reeleição; Celso Cotrim, Lau e Palinha. A convenção contou com as presenças das principais lideranças do partido, entre elas a deputada federal Lidice da Mata, presidente da Executiva Estadual o presidente da Infraero, Sergio Gaudenzi, o deputado estadual capitão Tadeu, o Secretário de Turismo Domingos Leonelli, ex-vereador Itaberaba Lyra, e integrantes da Executiva Municipal. Após a convenção os militantes do PSB se deslocaram para o Centro de Convenções onde presenciaram a homologação da chapa,PT/PSB, para a sucessão municipal.
Fonte: Tribuna da Bahia

Policiais corruptos protegem tráfico de drogas

Por Silvana Blesa
O tráfico de drogas, que ganhou proporções na capital e região metropolitana, conta com a cooperação e participação de alguns policiais civis e militares que se corrompem em busca do dinheiro fácil com a comercialização ilegal de drogas. É o que aponta o delegado titular da Delegacia de Tóxico e Entorpecente (DTE), José Carlos Habib. Ele admitiu a existência de agentes relacionados com o comando do tráfico, mas preferiu não quantificar nem revelar os nomes de policiais corruptos envolvidos com o tráfico que estão sob investigação. Para o delegado, a maior dificuldade é conseguir provas contra os agentes corruptos, que poderiam ser viabilizadas através de uma atuação mais efetiva das corregedorias das polícias Civil e Militar. “É um trabalho minucioso. A maior parte das investigações são iniciadas a partir de informações chegadas à polícia através do “Disque Denúncia”, apontando policiais que estariam até mesmo no comando do tráfico ou dando apoio aos traficantes. A principal dificuldade é contarmos com a cooperação da população e a falta de apoio das corregedorias para chegarmos até os acusados”, revelou o delegado. Habib ainda explicou que já tem identificação de vários agentes tanto civis quando militares, mas não tem provas suficientes para prendê-los. Outro requisito apontado pelo delegado é que os agentes quando são identificados e tem expedido pela Justiça mandado de prisão, eles entram com o recurso na junta médica alegando problemas psiquiátricos e continuam atuando na polícia. Quando condenados, conseguem até através de firulas suspensão da sentença. O secretário de Segurança Pública, César Nunes, foi enfático assim que assumiu o comando da SSP ao dizer que precisa reforçar as corregedorias para fortalecer a atuação no combate aos policiais corruptos. Exemplos de prisões de agentes envolvidos com quadrilha de tráfico de drogas existem. No ano de 2006 foram capturados os agentes civis Heriélson Lopes Santos, apelidado de “Três Quinas”, José Jorge Fernandes de Jesus, o “Cabeça” e Márcio Antônio Freire Bastos e o ex-policial civil Ivan Jorge Santana (afastado definitivamente da instituição em 2004), e os policiais militares Eromir Alves Nascimento o “Tenente Bi” e Ângelo Petrônio de Jesus. Todos foram acusados de envolvimento com a quadrilha do traficante Leno Silva Alves, o “Leno”, morto em 2005 em confronto com a polícia. A quadrilha do traficante, desarticulada pela Polícia Civil, agia na localidade da Baixa do Soronha, em Itapuã. Os acusados foram condenados pelo juiz da Primeira Vara de Tóxicos, Alfredo Santos Couto, a 15 anos e dois meses de prisão em regime fechado, pelos crimes de tráfico de drogas e extorsão, além da perda dos cargos, exceto Ivan Jorge, afastado anteriormente. O curioso é que os agentes ganharam a suspensão da sentença e, conforme denúncias de alguns policiais que não quiseram se identificar, eles continuam trabalhando normalmente. O que custou vários meses de investigação, não deu em nada, por causa da falta de comprometimento da Justiça. As investigações da época apontaram que os agente também receberiam de R$ 500 a R$ 600 semanalmente para acobertar o tráfico. Esse tipo de denúncia também está sendo investigada pelos agentes da DTE, que identificaram vários outros agentes envolvidos com a criminalidade. Mas para não atrapalhar nas investigações, seus nomes não foram citados.
Casal assassinado por desconhecido
; Com a morte de um casal, ontem de madrugada em São Marcos, e de um soldado PM em Pirajá, na noite de sexta-feira, chegou a 12 o número de homicídios neste fim de semana. O casal foi assassinado em via pública, na madrugada de ontem, no bairro São Marcos. Altemar Aguiar dos Santos, 29 anos, estava em companhia da namorada, de identidade ignorada, quando um homem armado realizou o disparo. Ele estaria em companhia de outro homem. A motivação do duplo homicídio está sendo investigada por agentes da 10ª DP. O crime ocorreu por volta de 3 horas da madrugada. O casal estava transitando pela localidade, conhecida como Pistão, na quarta travessa, próximo ao bar do Tonho. Deve ser transferido hoje para a Delegacia do Adolescente Infrator, o adolescente B.F.J., de 16 anos, que na noite de sábado esfaqueou, dentro de sua residência , no município de Camaçari, o irmão Washington Ferreira de Jesus, de 26 anos. Washington morreu na madrugada de ontem no Hospital Geral da cidade. Os jovens teriam brigado por causa de uma roupa furtada pelo mais velho. O adolescente não gostou, foi acertar contas e atingiu o mais velho, para desespero dos familiares. O rapaz ainda foi socorrido pelo pai, Nailton de Jesus, que o levou para o Hospital Geral, mas ele não resistiu aos ferimentos. Familiares de Gilmário Menezes dos Santos, 37 anos, estão tentando entender o que teria levado um homem a matar o vigilante desempregado. Ele foi encontrado morto na Ladeira do Cacau, São Caetano. O crime foi registrado na tarde de sábado. Magno Santos, irmão da vítima, não soube explicar se Gilmário tinha algum desafeto. A polícia ainda não tem pistas de quem assassinou, na madrugada de ontem, o empresário Dorival Beraldo Visu da Rosa. Ele residia na Rua Roque José da Silva, em Vilas do Atlântico. Na madrugada de ontem, de acordo com informações da Delegacia de Homicídios, familiares sentiram falta dele e foram procurá-lo. Depois de visitar os locais que Dorival tinha hábito de freqüentar, se dirigiram a empresa dele - a Engemant Manuten????????????º????????ção Industrial Ltda - na rua Ibirucu, no centro der Dias D’Avila, onde o encontraram morto. Roger Nilton de Jesus Vasconcelos, de 16 anos, morreu depois de ser baleado diversas vezes por desconhecidos, na Rua Bartolomeu Dias, no bairro de Dom Avelar. De acordo com a polícia, o jovem recebeu tiros no rosto, abdômen e tórax. Também é desconhecida a autoria do crime registrado na noite de sábado, defronte ao depósito da Liquigás, na rua Direta do Rio Sena, onde o corpo de Valdinei Braga Araújo, 26 anos, foi encontrado sem sinais vitais. No Instituto Medicina Legal Nina Rodrigues continua sem identificação o corpo encontrado na Praia da Sereia, em Itapuã, a manhã de sábado. Uma briga entre traficantes na madrugada de sábado, nas ruas da Invasão do Bate Facho resultou na morte do rapaz conhecido apenas como “Pai”. Segundo informações de policiais, o rapaz seria um dos traficantes da área. Em Cosme de Faria, Ivan, conhecido como “Codorna” ou “Urubu”, foi executado por desconhecidos na madrugada de sábado. Hátila Ferreira da Silva, de 19 anos, morreu vítima de disparo de arma de fogo. Na madrugada de sábado, estava em sua casa, na Vila Prudente, em ilha Amarela, que foi invadida por cinco homens. O grupo queria acertar contas com o jovem, que ainda foi levado por familiares para o Hospital João Batista Caribé.(Por Maria Célia Vieira)
Tiroteio em frente a módulo desativado deixa quatro feridos
; Quatro pessoas foram baleadas durante um tiroteio entre quadrilhas rivais do bairro da Santa Cruz, na manhã de ontem. A troca de tiros ocorreu em frente ao módulo policial desativado, localizado no final de linha do bairro. De acordo com populares, os feridos não tinham envolvimento com os autores e estavam de passagem quando foram atingidos. Tiago Santos de Oliveira, 22 anos, Fabio Alves Coelho dos Santos, 15, Jailton Franca Pereira, 49, e Jorge Oliveira Santos, 40, foram socorridos para o Hospital Geral do Estado e estão fora de perigo. Moradores afirmam que Jailton e Jorge estavam indo para casa e passaram no meio da confusão. Um deles foi baleado na perna. Temendo represálias, moradores da região preferiram não comentar o tiroteio. Informaram apenas que ele ocorreu por volta de 9 horas, quando pelo menos cinco homens armados começaram a atirar. “Foi uma correria, maior confusão. A gente não sabia quem eles queriam matar”, contou uma mulher. Conforme o relato de um morador, a intenção dos bandidos era matar um jovem que estaria sentado em frente ao módulo. “Mas ele revidou e um amigo dele também estava armado”, contou. No dia 23 de junho deste ano, um tiroteio ocorreu na rua 4 de Novembro, próximo do módulo policial. Na ocasião, quatro pessoas foram baleadas. Uma comerciante do local relatou que homens armados subiram a rua e ordenaram que as vítimas se levantassem. “Eles (os bandidos) diziam que não queriam ninguém sentado na entrada da rua e atiraram. Estavam todos sentados conversando apenas”, lembrou. (Por Hieros Vasconcelos)
Fonte; tribuna da Bahia

Coisas da política: O Estado Nacional e os seus inimigos

Mauro Santayana
Ainda que com atraso, moveu-se o governo no caso das organizações não-governamentais, essa invenção dos neoliberais para destruir, de dentro para fora, os estados nacionais periféricos. Investigação preliminar, em nosso país, descobriu que há mais de 100 mil dessas organizações sem o controle do Estado. Grande parte delas recebe dinheiro público e dele não presta contas. Na Amazônia, há 469 entidades estrangeiras em ação, mas só 27 registradas. Dessas, sete estão sob suspeita de tudo, até mesmo de substituir ritos religiosos indígenas por outros (sem falar na clássica evangelização que, no fundo, é a mesma coisa). Segredos da medicina indígena são surrupiados por algumas, outras se apropriam de sementes e animais da biodiversidade amazônica. Há também as que saqueiam minerais raros, diamantes e outras pedras preciosas. Tudo vem sendo contrabandeado.
Mesmo que todas essas organizações fossem honradas; que não houvesse as que roubam e sustentem, com salários altos e vantagens adicionais, os espertalhões que as criam, seriam danosas, por servirem numerosas delas a potências estrangeiras e exercerem, todas elas – sem a legitimidade da representação política – poderes e deveres do Estado Nacional.
Os Estados constituídos devem cuidar dos membros da comunidade nacional, garantindo-lhes a educação, a assistência médica, a previdência social, o direito ao trabalho e a segurança pública. Eles surgiram exatamente para buscar a igualdade de direitos e, assim, impedir o domínio dos fortes contra os fracos. Essa é a função primordial do poder político, que não pode, nem deve, transferir a organizações não-governamentais o que é próprio do Estado.
O processo de privatização iniciou-se durante o governo militar, com a entrega a terceiros de funções que sempre foram soberanas do Estado. Isso se tornou clamoroso com a criação de empresas de segurança, muitas delas dirigidas por oficiais reformados das Forças Armadas ou da Polícia Militar, a fim de substituir o Estado na proteção aos bens e às pessoas. Coube a dois governos ditos democráticos, o de Collor e de Fernando Henrique Cardoso, seguir o Consenso de Washington e ampliar a privatização do Estado.
O fato é que o Estado, em lugar de empregar ele mesmo os recursos tributários na prestação dos serviços públicos, transfere a organizações privadas sua responsabilidade sobre eles, e entrega o dinheiro do contribuinte, sem sua aquiescência, a organizações privadas.
Elas agem à margem dos governos dos países periféricos, com estrutura independente e paralela, mesmo que recebam subsídios do erário, como ocorre no Brasil. De acordo com dados preliminares, quase 50 bilhões de reais em cinco anos (de 2002 a 2007) lhes foram entregues: cerca de 10 bilhões por ano. Algumas, tenham ou não recebido dinheiro brasileiro, estão associadas, desde o início, aos governos dos grandes países. É esse o caso da WWF, cujo presidente é o Duque de Endimburgo, o príncipe consorte da Inglaterra. Além disso, contam com recursos de grandes corporações multinacionais, que as utilizam para fins bem específicos – como é o caso das gigantescas indústrias farmacêuticas.
As medidas anunciadas pelo governo são ainda tímidas, e se resumem em classificar essas entidades de acordo com sua origem e finalidade. A solução seria a de só autorizar aquelas que, criadas bem antes da era Reagan-Thatcher, comprovaram sua seriedade e a sua necessidade, como é o caso da Cruz Vermelha Internacional e algumas mais. As outras devem ser convidadas a fechar as suas portas. Que o governo assuma a sua responsabilidade. Para isso dispõe de receitas orçamentárias.
Duas matérias publicadas ontem pelo JB chamam a atenção por sua importância. O economista Luis Gonzaga Belluzzo volta a criticar os desvarios do capitalismo neoliberal e recomenda o retorno às teses de Keynes. A outra, de Ludmilla Totinick, mostra como o Brasil se transformou no paraíso das multinacionais que multiplicam seus lucros com o real supervalorizado e os remetem, sem controle, às matrizes. Os dois textos recomendam ao governo exercer controle fiscal sobre essas empresas, a fim de que suas contas sejam transparentes, e não ocultem, como hoje, seus lucros reais – e recolham os impostos devidos.
Fonte: JB Online

domingo, junho 29, 2008

Eleitos depostos - Justiça Eleitoral cassou 250 prefeitos desde 2004

O abuso de autoridade, de poder econômico e a compra de votos foram os principais motivos da perda de mandato de 250 prefeitos desde 2004. Apenas no ano passado, as cassações atingiram 95 prefeitos. Dezenas ainda se mantêm no cargo graças à concessão de liminares. Em alguns casos, houve novas eleições e, em outras, verdadeiras batalhas jurídicas foram iniciadas. Os números foram divulgados pelo Tribunal Superior Eleitoral.
Há cidade que já teve quatro prefeitos em três anos, como Caldas Novas, importante centro turístico de Goiás. Em outras cidades, o presidente da Câmara de Vereadores assumiu a prefeitura. Nesses casos, a condenação por crime eleitoral atingiu tanto a chapa eleita como a derrotada. Em pelo menos um caso, houve até prefeito que foi cassado, venceu uma nova eleição para substituí-lo para, meses depois, ser retirado do cargo pela Justiça. Foi o que ocorreu em Guajará-Mirim (RO).
A cassação do prefeito pode ser determinada tanto pelo juiz eleitoral como pelo Tribunal Regional Eleitoral. O Ministério Público, partidos e coligações podem oferecer denúncia contra os eleitos. Acolhidas ou rejeitadas pelo juiz eleitoral, ainda cabe recurso ao Tribunal Regional Eleitoral de cada estado. Da sentença da corte regional, em alguns casos, também caberá recurso ao próprio TRE e ao Tribunal Superior Eleitoral. Com idas e vindas das ações, é difícil determinar com exatidão quantos prefeitos estão sujeitos a perder o cargo ainda neste ano.
Ao longo de 2007, os juízes, desembargadores e ministros se debruçaram sobre casos inusitados. Prefeitos foram julgados e condenados por comprarem votos por meio de entrega de material de construção, promessa de emprego público e terreno para moradia, além do pagamento em espécie. O suposto uso de caixa dois na campanha, por exemplo, resultou em perda de mandato para apenas o prefeito de Nova Veneza (GO), uma das quatro cidades goianas que tiveram que trocar de mandatário.
Na maioria das vezes, o afastamento do cargo ocorre por comprovação da compra de votos, quando são feitas ofertas de toda natureza ao eleitor. O prefeito de Sátiro Dias (BA) perdeu o cargo acusado de comprar votos com fertilizantes.
Em Minas Gerais, estado com maior número de prefeituras, foram cassados 20 prefeitos. Entre eles, um que distribuiu carne, pão e chope para eleitores durante um comício.
Na Paraíba, um dos nove prefeitos cassados teria comprado votos por meio da distribuição irregular de certidões de quitação de imóveis que integrava um programa social do governo do estado.
A prefeita de Nova Santa Rita (PI) perdeu o mandato por motivo semelhante: ela teria se aproveitado dos programas sociais para obter voto do eleitorado. O uso do aparelho da prefeitura, aliás, é uma das principais causas das denúncias de abuso de autoridade por parte dos prefeitos.
No estado de São Paulo, o prefeito de Reginópolis foi condenado por ter doado, durante a campanha, cestas básicas com material de propaganda política (camisetas e folhetos); fornecido medicamentos, atestados e consultas médicas; e até transporte gratuito de eleitores em troca de votos.
O tipo de acusação contra prefeito não muda muito entre as regiões do país. No Paraná, o ex-prefeito e o vice do município de Itaperuçu teriam, inclusive, passado um recibo do crime de corrupção eleitoral. De acordo com os autos, o candidato a vice-prefeito se comprometia, em um documento, a assegurar a permanência de três eleitores em cargos do primeiro escalão da prefeitura, confirmava que teria recebido R$ 350 mil para distribuição entre seus correligionários e, em outra cláusula “desse suposto contrato de compromisso político-financeiro”, o candidato a vice afirmava, caso sua chapa fosse eleita, que pagaria esse valor com dinheiro público da prefeitura e, se não eleito, apoiaria “um determinado candidato” nas eleições de 2008.
No Rio Grande do Sul, cinco prefeitos perderam o mandato. Entre eles, o prefeito de Harmonia, cassado depois que o Tribunal Regional Eleitoral gaúcho julgou a acusação de fraude no recadastramento eleitoral, abuso do poder econômico, uso indevido dos serviços públicos, transporte irregular de eleitores e captação ilícita de votos, mediante a doação de um fogão e o pagamento de ecografia a eleitor.
Mato Grosso, Acre, Mato Grosso do Sul e Tocantins não tiveram prefeitos cassados em 2007. Já no estado do Amapá não há registro de cassação de prefeito em toda sua história eleitoral.
Fonte: Revista Consultor Jurídico

Eleições 2008 - Propaganda política: o que pode e o que não pode

por Vitor Santos
A propaganda eleitoral é o ato de divulgar os nomes e o os números de candidatos a prefeitos e a vereadores, os slogans, os partidos e as coligações para sensibilizar os eleitores e conquistar votos, regida pela Lei 9.504 de 1997, artigos 36 a 57 e 73 e Resolução TSE 22.718 de 2008.
“É aquela que tem como finalidade levar ao conhecimento geral, ainda que de forma dissimulada, a candidatura, mesmo que apenas postulada, a ação política que se pretende desenvolver ou razões que induzam a concluir que o beneficiário é o mais apto ao exercício de função pública. Sem tais características, poderá haver mera promoção pessoal, apta, em determinadas circunstâncias a configurar abuso de poder econômico, mas não propaganda eleitoral. (...)” (AC 16.183, de 17/2/2000, rel. Min. Eduardo Alckmin; no mesmo sentido o AC 15.732, de 15/4/1999, do mesmo relator, e o AC 16.426, de 28/11/2000, rel. Min. Fernando Neves.)”.
A propaganda eleitoral somente é permitida a partir do dia 6 de julho de 2008. Caso a propaganda ocorra antes da data prevista, estará caracterizada uma conduta vedada de propaganda antecipada, ou propaganda extemporânea, neste caso o responsável pela divulgação, estará sujeito ao pagamento da multa no valor de 20 mil a 50 mil Ufirs ou equivalente ao custo da propaganda, se este for maior.
É permitido a propaganda intra-partidária com vistas à indicação do nome do pré-candidato na quinzena anterior, que antecede a convenção para escolha do candidato pelo partido, neste caso é vedado o uso de rádio, televisão e outdoor, sob pena de sujeitar o responsável pela divulgação da propaganda. Quando comprovado seu prévio conhecimento, o beneficiário será condenado a pagar multa no valor de 20 mil a 50 mil Ufirs ou equivalente ao custo da propaganda, se este for maior.
Da veiculação da propaganda no Rádio e na Televisão: no Rádio a propaganda gratuita será veiculadas das 7h às 7h30 horas e das 12h às 12h30 horas, para prefeito e vice na segunda-feira, quarta-feira e sexta-feira; para vereadores na terça-feira, quinta-feira e sábado. Na Televisão, das 13h às 13h30 horas e das 20h30 às 21h horas; para prefeito e vice na segunda, quarta e sexta; e para vereadores na terça, quinta e sábado, a partir de 19 de agosto.
Propaganda gratuita na internet é permitida desde que em sitio específico (can.br), após o registro da candidatura, constando apenas o nome, o número e o partido. Propaganda paga nos jornais, no máximo, 1/8 da página, até a antevéspera da eleição. É permitido propaganda por meio de telemarketing, torpedos e mala direta, a divulgação de pesquisas eleitorais com registro prévio na Justiça eleitoral.
Não é permitida propaganda eleitoral em outdoors. O seu descumprimento acarretará sanções a empresa responsável, aos partidos, coligações e candidatos, à imediata retirada da propaganda irregular e ao pagamento de multa no valor de 5 mil a 15 mil Ufirs.
É vedada na campanha eleitoral a confecção, utilização e distribuição por comitê do candidato, ou com a sua autorização, de camisetas, chaveiros, bonés, canetas, brindes, cestas básicas ou quaisquer outros bens ou materiais que possam proporcionar vantagem ao eleitor.
É permitido o funcionamento de alto-falantes ou amplificadores de som para veicular jingle da campanha nos comícios das 8h às 22 horas. O uso de telões é permitido apenas para transmitir imagem e mensagem do candidato durante o evento. É proibida a realização de showmício ou de evento assemelhado para promoção de candidatos, e a apresentação, remunerada ou não, de artistas com a finalidade de animar o comício e a reunião eleitoral. É permitida a distribuição em farol ou cruzamento de ruas e avenidas como movimento intenso, jornal de campanha, santinho, volante, cartazes, display e adesivos.
As carreatas e passeatas com simpatizantes em carro de som, são permitidas, ficando vedada somente na véspera das eleições transformar o ato em comício. Na campanha eleitoral, é vedado ao candidato doar, oferecer, prometer ou entregar ao eleitor, com o fim de obter-lhe o voto, bem ou vantagem pessoal de qualquer natureza, inclusive emprego ou função pública, desde o registro da candidatura até o dia da eleição.
É permitida a propaganda eleitoral por meio de fixação de faixas, placas, cartazes, pinturas ou inscrições em bens particulares (muros), com tamanho de 4 metros quadrados em residências e terrenos particulares, desde que autorizado pelo proprietário ou possuidor do bem, ressalvados os preceitos de higiene e estética urbana constantes da legislação municipal pertinente. Também é permitido o uso de bonecos e cartazes móveis ao longo das vias públicas, desde que não dificultem o bom andamento do trânsito.
Não é permitida a propaganda eleitoral que use símbolos, frases ou imagens, associadas ou semelhantes às empregadas por órgãos de governo, empresa pública ou sociedade de economia mista. O descumprimento da regra constitui crime, punível com detenção, de seis meses a um ano, com a alternativa de prestação de serviços à comunidade pelo mesmo período, e multa no valor de 10 mil a 20 mil Ufirs.
A propaganda eleitoral não pode ser cerceada ou constituir-se objeto de multa, sob o pretexto do exercício do poder de polícia, desde que realizada em obediência aos permissivos legais. Se forem veiculadas propagandas eleitorais nos bens públicos, o responsável fica sujeito, após a notificação e comprovação, à restauração do bem e, caso não cumprida no prazo, a multa no valor de R$ 2 mil a R$ 8 mil.
No dia da eleição não é permitido o uso de alto-falantes e amplificadores de som ou a promoção de comício ou carreata, constituindo crime punível com detenção, de seis meses a um ano, com a alternativa de prestação de serviços à comunidade pelo mesmo período, e multa no valor de 5 mil a 15 mil Ufirs.
São vedados a instalação e o uso de alto-falantes ou amplificadores de som em distância inferior a 200 metros: das sedes dos Poderes Executivo e Legislativo da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, das sedes dos Tribunais Judiciais, dos quartéis e outros estabelecimentos militares, dos hospitais e casas de saúde, das escolas, bibliotecas públicas, igrejas e teatros, quando em funcionamento.
No dia da eleição é vedado a arregimentação de eleitor ou a propaganda de boca-de-urna e a divulgação de qualquer espécie de propaganda de partidos políticos ou de seus candidatos, mediante publicações, cartazes, camisas, bonés, broches ou dísticos em vestuário, ambas tidas por crimes puníveis com detenção, de seis meses a um ano, com a alternativa de prestação de serviços à comunidade pelo mesmo período, e multa no valor de 5 mil a 15 mil Ufirs.
Nos bens públicos cujo uso dependa de cessão ou permissão do Poder Público, ou que a ele pertençam, e nos de uso comum, inclusive postes de iluminação pública e sinalização de tráfego, viadutos, passarelas, pontes, paradas de ônibus e outros equipamentos urbanos, é vedada a veiculação de propaganda de qualquer natureza, inclusive pichação, inscrição a tinta, fixação de placas, estandartes, faixas e assemelhados. Nas dependências da Câmara Municipal podem ser utilizadas para propaganda eleitoral ficando a cargo da mesa diretora a sua regulamentação.
Não é permitida a compra de votos, caso seja comprovada a captação ilícita de votos, o candidato estará sujeito a pena de multa de 1 mil a 50 mil Ufirs e a cassação do registro ou do diploma, observado o procedimento previsto no artigo 22 da Lei Complementar 64 de 1990. Os candidatos a vereador poderão utilizar material impresso desde que conste o partido o número e a coligação, para prefeitos é obrigatório que o material impresso inclua o nome do vice, o nome da coligação e referencie as legendas que dela fazem parte. No material impresso de campanha eleitoral, é necessário que conste obrigatoriamente o CNPJ ou o CPF do responsável pela confecção, bem como de quem o contratou e a respectiva tiragem.
No dia da eleição os fiscais partidários poderão identificar-se somente com o nome do partido e da coligação. Qualquer ato de propaganda partidária ou eleitoral, seja em recinto aberto ou fechado, independe de licença da polícia. No entanto, o candidato, partido ou coligação promotora do evento fará a devida comunicação à autoridade policial em no mínimo, 24 horas antes de sua realização, a fim de que esta lhe assegure as necessárias condições de sua realização, segurança, e funcionamento do tráfego e dos serviços públicos que o evento possa afetar, evitando assim que dois ou mais partidos utilizem o mesmo local no mesmo dia e horário.
Fonte: Revista Consultor Jurídico

Epidemia de bactéria já fez 76 vítimas neste ano

Agencia Estado
Uma epidemia de bactérias de crescimento rápido que atinge hospitais brasileiros já vitimou mais de mil pessoas nos últimos três anos - 76 delas só em 2008 - e serviços de saúde têm feito um ?recall? de pacientes para buscar casos ainda desconhecidos.Enquanto isso, quem já se descobriu doente enfrenta um calvário de cirurgias para a retirada de tecidos atingidos ou vive acamado, sofrendo com cicatrizes e efeitos de um coquetel de medicamentos contra a infecção, que gera feridas de difícil cicatrização e lesões nodulares.Pelo menos duas mortes estão em investigação hoje no Paraná, além de outros 153 casos no País, e o problema preocupa principalmente o Rio Grande do Sul, Goiás e Distrito Federal, segundo balanço da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) da última terça-feira. Mesmo Estados que vêem a situação controlada, como o Rio, o Espírito Santo, Pará e Paraná, já têm novas suspeitas de contaminação neste ano.Segundo avaliação da Anvisa, 89% das vítimas são pacientes de hospitais privados, que se submeteram a cirurgias não invasivas - as chamadas videocirurgias - que utilizam câmeras e cânulas que adentram o corpo do paciente por pequenos orifícios na pele. No entanto, também há registros em cirurgias abertas, lipoaspirações, cirurgias oculares e endoscopias, amplamente utilizadas na rede privada. As vigilâncias sanitárias vinculam o problema principalmente à sujeira de equipamentos utilizados nas cirurgias, mas, mesmo após três anos e um grande número de casos registrados, não há ainda estudos conclusivos. Os agentes infecciosos, chamados de Micobactérias de Crescimento Rápido, podem demorar até dois anos para se manifestar.De acordo com a Anvisa, a situação é epidêmica por causa do ineditismo do problema e de seu crescimento nos últimos anos, segundo o diretor do órgão regulador Claudio Maierovitch.
As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

AL não vota e greve continua no Judiciário

Fato inédito na atual legislatura, em dois dias seguidos - as últimas quarta e quinta-feiras - não houve sessão na Assembléia Legislativa, que se prepara para votar, possivelmente na próxima terça, em segundo turno, a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), sem cuja aprovação a Casa não entra no recesso de meio de ano. Para o líder da oposição, Gildásio Penedo (DEM), o esvaziamento é uma estratégia do governo para não discutir nem votar o plano de cargos de salários dos servidores do Poder Judiciário, que justamente por isso estão em greve há cerca de dez dias. O projeto de lei, encaminhado pelo Tribunal de Justiça, prevê a implantação do plano ao longo de cinco anos, reestruturando a carreira dos servidores e enquadrando-os em novos níveis e tabelas. Num primeiro momento, o objetivo é fazer vigorar, a partir de julho, um reajuste linear de 4,46%, igual ao concedido aos funcionários do Executivo e do Legislativo. O texto é resultado de sete meses de negociações que envolveram os sindicatos da categoria e os próprios membros do TJ, mas o deputado Gildásio entende que “o governo está criando resistência para não liberar os recursos”. O principal argumento do governo, segundo o parlamentar, é que a aprovação com prazo de vigência de cinco anos comprometeria receitas futuras e poderia ferir a Lei de Responsabilidade Fiscal, com a ultrapassagem do limite prudencial de 5,70% da receita corrente líquida do Estado para o pagamento de despesas com o pessoal do Poder Judiciário. “Essa tese não tem fundamento”, ponderou. “A desembargadora Sílvia Zarif teve todo o cuidado na preparação desse projeto, mesmo porque, em caso de transgressão da lei, seria ela própria a responsável”. Com relação à Lei de Diretrizes Orçamentárias, a oposição vai manter a mesma postura da votação em primeiro turno, quando foi contrária à aprovação. “O governo não quer a nossa colaboração. A bancada fez 31 emendas e foram todas rejeitadas”, disse Penedo, destacando que muitas das sugestões apresentadas coincidem com a luta histórica do PT e de partidos aliados na Assembléia. “Um exemplo disso”, relatou, “é a emenda para destinar 5% da receita corrente líquida ao custeio das universidades estaduais. O líder do governo, Waldenor Pereira, que foi reitor da Universidade Estadual do Sudoeste Baiano, sempre defendeu essa medida, agora é contra”. A bancada da minoria propôs ainda o não-contingenciamento dos recursos da área social, para que os orçamentos de saúde, educação e segurança pública sejam executados integralmente, e a garantia de 0,8% do orçamento para manutenção e custeio da Defensoria Pública. Dois outros projetos poderão ser votados, antes da LDO, na sessão de terça-feira: o Produzir III e o da Controladoria Geral do Estado. No primeiro caso, os oposicionistas ainda farão uma avaliação para decidir que posição tomar. Quanto à Controladoria, somente terá o aval da minoria se forem acatadas a emenda que obriga o governador a submeter o nome do controlador-geral ao crivo da Assembléia e a que determina a realização, no prazo de um ano, de concurso público para prover o quadro do novo órgão. A Tribuna tentou, sem êxito, localizar o líder do governo para comentar o assunto. (LAG) O líder acha que a inflexibilidade do governo, “patrocinando uma greve que prejudica toda a sociedade, que depende dos serviços da Justiça, só pode ser explicada pela necessidade de fazer caixa maior que o já existente”. Ele disse que o limite legal para pagamento de pessoal é de 6,0% da receita corrente líquida e que, mesmo com o reajuste proposto para este ano, de 4,46%, o percentual da despesa iria para 5,68%, “portanto abaixo ainda do limite prudencial”.(Por Luis Augusto Gomes).
Partidos vão encerrar suas convenções neste fim de semana
O fim de semana vai ser decisivo para o quadro da sucessão municipal em Salvador. O prazo estipulado para as realizações das convenções termina na segunda-feira (30). Por isso, partidos que ainda não realizaram suas convenções, entre eles PT, PSDB, PSB e PCdoB, se reúnem hoje e amanhã para oficializar suas candidaturas. Os comunistas e petistas se reúnem no Centro de Convenções da Bahia. Já os tucanos vão se encontrar no Hotel Fiesta, Itaigara. Também se reúnem nesse final de semana políticos e militantes do PPS, que fará convenção conjunta com o PSDB, O PSB e o PSol. A expectativa da executiva do PT é de levar cerca de quatro mil militantes ao Centro de Convenções. Os tucanos estimam reunir mais de três mil pessoas no Hotel Fiesta. O PSB também realiza hoje a sua convenção, no Centro Cultural da Câmara Municipal de Salvador, das 9h às 14h. No evento será confirmada a coligação para a chapa majoritária Pinheiro e Lídice e a coligação com o PV para a proporcional. Também serão homologados os nomes dos candidatos a vereador pela legenda socialista. Após a convenção do PSB, a deputada seguirá para o Centro de Convenções para participar da convenção do PT, para a formalização da chapa que disputará a sucessão municipal na capital baiana. Já o PSOL oficializa a candidatura de Hilton Coelho para vaga majoritária na sua convenção municipal, que será realizada domingo, às 16h, no Sindicato dos Trabalhadores em Telecomunicações (Sinttel), Nazaré. Apesar de os rumores de que os militantes comunistas estariam desanimados com a desistência da candidatura de Olívia Santana à prefeitura de Salvador, o clima é de otimismo no diretório municipal. A assessoria de comunicação do PCdoB informou que a convenção será realizada em duas etapas. Na primeira, os militantes do PCdoB vão discutir e deliberar sobre as eleições municipais, inclusive acerca de coligações majoritárias e proporcionais, além de definir a chapa de vereadores. No segundo momento, a partir das 10h30, será a vez do ato político conjunto com os demais partidos da frente de esquerda, que deve contar com a presença do governador Jaques Wagner e diversas lideranças políticas estaduais e municipais. “A participação de todos é muito importante nos dois momentos. Precisamos que o maior número de filiados possível debata a tática eleitoral do partido, conheça e apóie os nossos candidatos a vereador. Da mesma forma devemos comparecer ao ato conjunto da frente de esquerda".(Por Carolina Parada).
MP pode impugnar candidatura com base em lista do TCU
Promotores de Justiça com atribuições eleitorais poderão impugnar o registro de candidatura dos políticos que tiveram as contas julgadas como irregulares pelo Tribunal de Contas da União (TCU). A afirmativa é do coordenador eleitoral do Ministério Público do Estado, promotor de Justiça José Souza Filho, que explica que, a partir da lista apresentada pelo Tribunal, os promotores deverão realizar a conferência dos nomes dos candidatos que apresentarem os pedidos de registro durante os próximos dias 1º a 5 de julho. Havendo coincidência entre o nome do candidato a ser registrado e aqueles que tiveram as contas rejeitadas, afirma ele, o promotor deverá impugnar a candidatura. José Souza lembra que a lista apresentada pelo TCU tem por base irregularidades constatadas na aplicação de verbas de convênio, o que, conforme ele afirma, impede a reapreciação pela Câmara Municipal, que não poderá “derrubar” a decisão do Tribunal, “pois não cabe às Câmaras qualquer deliberação com vistas a desconstituir o parecer prévio de rejeição de contas emitido pelo TCU”. O coordenador eleitoral salienta que, caso o gestor ingresse em Juízo buscando afastar os efeitos da inelegibilidade decorrente da rejeição das contas, ele deverá obter decisão liminar que garanta o registro de sua candidatura. Ainda assim, reforça Souza, o gestor público poderá ter a impugnação deferida em face de outros requisitos legais e constitucionais que ele viole, em especial, a questão da moralidade.
Paulo Aquino é o vice de Tarcízio
O empresário, administrador de empresas e publicitário Paulo Aquino é o nome tirado da cartola pelo prefeito José Ronaldo para compor chapa com o deputado Tarcizio Pimenta na disputa pela prefeitura de Feira de Santana pela coligação liderada pelo Democratas. O nome foi anunciado no início da noite de ontem pelo prefeito José Ronaldo, em solenidade realizada no Feira Palace Hotel com a presença de diversas lideranças. Vindo do setor produtivo, o nome foi bem aceito por todos, e acaba com o clima de tensão que vinha existindo. A ex-deputada Eliana Boaventura e o radialista Carlos Geilson, que eram os mais cotados para a vaga até os últimos dias, também estavam presentes e aprovaram a escolha.
Fonte: Tribuna da Bahia

Justiça eleitoral quer mais rigor na legislação contra ‘fichas-sujas’

Corregedores de 27 estados pedem agilidade do Congresso


BRASÍLIA - Nas eleições de outubro, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) vai implementar um projeto piloto de identificação de eleitores na tentativa de reduzir as fraudes. A experiência de identificação biométrica, por meio da qual são reproduzidas as digitais de todos os dedos das duas mãos, vai ser colocada em prática em três municípios: São João Batista (SC), Fátima do Sul (MS) e Colorado do Oeste (RO). No total, o projeto vai ser testado com cerca de 45 mil eleitores.
Os técnicos do TSE informaram que o objetivo é testar o projeto para colocá-lo em prática em todo o país nas eleições de 2010, quando serão escolhidos presidente da República, vice-presidente, governador, senador e deputados federais. Já nas eleições de outubro, os técnicos informaram ainda que será realizada uma espécie de auditoria durante as votações. A idéia é retirar uma urna de cada zona eleitoral que servirá de referência para o acompanhamento das votações na presença de representantes da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), do MP (Ministério Público) e do TSE.
Para as eleições de outubro, o objetivo, segundo o técnico do TSE, é dar mais agilidade na divulgação dos resultados das votações nos mais de 5.000 municípios em todo o país. De acordo com eles, será ampliado o acesso às informações e também reduzido o tempo de apuração. O sistema de apuração será realizado pelos TREs (Tribunais Regionais Eleitorais), que transmitirão as informações para o Tribunal Superior Eleitoral.
Antes da conclusão da totalização dos dados, as informações parciais também serão fornecidas. Nas eleições de outubro vão ser escolhidos prefeitos e vereadores em todo o país. A única exceção será o Distrito Federal, que é formado pelo Plano Piloto e cidades-satélites. O DF tem um governador eleito, José Roberto Arruda (DEM), que escolhe os administradores regionais do Plano Piloto, onde ficam os palácios do Planalto e da Alvorada, além do Congresso Nacional, a Esplanada dos Ministérios e a maioria dos órgãos federais e das cidades-satélites.
Fonte: Correio da Bahia

Tudo pronto para a batalha eleitoral

PT e PSDB referendaram ontem coligações e nomes de seus candidatos à prefeitura de Salvador


Convenções realizadas ontem oficializaram as chapas lideradas pelo deputado Walter Pinheiro (PT) e pelo ex-prefeito Antonio Imbassahy (PSDB) para a disputa pela prefeitura de Salvador. Pinheiro tem a ex-prefeita e deputada Lídice da Mata (PSB) como vice e o apoio do PV e do PCdoB, também definidos em convenções. Imbassahy consolidou a chapa tucana com a participação do PPS, representado pelo ex-vereador Miguel Kertzman como candidato a vice-prefeito.
No último dia 19, o Democratas também tornou oficial a candidatura do deputado Antonio Carlos Magalhães Neto ao Palácio Thomé de Souza, em chapa que tem o bispo Márcio Marinho (PR). Integram essa coligação o PRB, PTC, PTN, PRP, PTdoB e PSDC. ACM Neto obteve, ainda, o apoio do radialista Raimundo Varela (PRB), que retirou a candidatura para apoiá-lo.
O PMDB realizou, no dia 15 de junho, a sua convenção e confirmou a candidatura à reeleição do prefeito João Henrique Carneiro (PMDB). O vice na chapa é o tributarista e ex-prefeito Edvaldo Brito (PTB). Com isso, os grandes partidos estão com tudo pronto para a batalha eleitoral, que começa no dia 6 de julho.
***
Chapa liderada pelo PT reúne Pinheiro e Lídice
Flávio Novaes
A tentativa de vincular o nome do candidato a prefeito Walter Pinheiro (PT), de forma exclusiva e legítima, às imagens do presidente Lula e do governador Jaques Wagner marcou os discursos na convenção que homologou a chapa da coligação Salvador, Bahia, Brasil, ontem, no Centro de Convenções. PT, PSB, PCdoB e PV formalizaram os nomes do deputado federal e da ex-prefeita e deputada federal Lídice da Mata para concorrer às cadeiras de prefeito e vice. Na coligação proporcional, foram lançados 164 candidatos a vereador.
O atraso de quase três horas para o início do evento sinalizou o tom da campanha que será iniciada oficialmente na próxima semana. O diretório do Partido dos Trabalhadores aguardava a estrela da legenda na Bahia, o governador Jaques Wagner, que estava no hotel Fiesta. Lá, o PSDB realizou sua convenção para homologar o nome do ex-prefeito Antonio Imbassahy para o pleito de outubro. Wagner também compareceu à convenção do PMDB, no último dia 15, quando também declarou apoio ao prefeito João Henrique, candidato à reeleição. “Sou do PT, mas apoio aos partidos da base aliada”, reafirmou Wagner ao responder aos repórteres sobre qual é o seu candidato.
Já Pinheiro afirmou que “Wagner é do PT e apóia o nome do partido”. O candidato disse também que “apenas o PT pode usar a imagem do presidente Lula”. Antes de seguir para o palanque, respondeu sobre a demora nas definições internas do partido e na escolha do nome para o cargo de vice-prefeito. “Não há atraso, estamos no tempo certo, na próxima semana é que tudo vai começar oficialmente”, afirmou.
Aproximadamente três mil pessoas participaram da convenção com bandeiras, faixas e cantando palavras de ordem, característica da militância petista. Nomes importantes da legenda, como o ex-ministro e ex-governador Waldir Pires, deputados federais e estaduais, além de secretários de estado e vereadores, também marcaram presença.
***
PSDB e PPS confirmam Imbassahy e Kertzman
Osvaldo Lyra
O governador Jaques Wagner (PT) fez ontem o dever (republicano) de casa e marcou presença na convenção municipal do PSDB, que homologou a candidatura de Antonio Imbassahy e Miguel Kertzman (PPS) à prefeitura de Salvador. Apesar do suspense, se iria ou não aparecer na festa da sigla, o governador chegou ao Fiesta Bahia Hotel para a alegria dos tucanos.
Ao discursar ao lado do presidente da Assembléia, deputado Marcelo Nilo, Wagner confirmou apoio irrestrito à campanha de Imbassahy e disse que a presença dele era uma forma de “reciprocidade” e “honradez”, já que o PT e o PSDB estiveram juntos em 1994 e em 2006. “Estou aqui com absoluta tranqüilidade, pois caminhamos juntos e nos manteremos unidos”. Wagner fez questão de lembrar a importância do PPS e do PSDB nas últimas eleições estaduais. Na época, o partido de Kertzman apoiou abertamente a candidatura petista ao governo. Já os tucanos, por questões nacionais, também apoiaram, mas informalmente.
Por duas vezes, o governador admitiu que a camisa que vestia por baixo dos ternos era a de militante do PT, mas que, como chefe do executivo estadual, de forma republicana, deve apoiar Imbassahy (PSDB), João Henrique (PMDB) e Walter Pinheiro (PT).O candidato do PSDB, Antonio Imbassahy, seguiu a mesma estratégia colocada em prática pelo prefeito João Henrique e partiu para o ataque aos adversários. Disse que o atual prefeito não tem controle sobre as contas públicas.
O tucano disse que vai apresentar uma plataforma técnica que mostre a solução para os problemas que atingem diretamente a sociedade. Entre elas, citou a ampliação das unidades de saúde 24 horas, melhorias no sistema viário e a implantação de um programa para reduzir os indicadores da mortalidade infantil e materna entre a população usuária do Sistema Único de Saúde (SUS).
***
Candidaturas podem ser lançadas até amanhã
Acaba amanhã o prazo para lançamento de candidaturas e o anúncio de coligações para as eleições municipais. Termina, então, o período para partidos políticos realizarem suas convenções e lançarem opções para prefeito, vice-prefeito e vereador, de acordo com o calendário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Com o fim desse prazo, será o momento de protocolar o registro dos candidatos no cartório eleitoral. É possível registrar candidaturas até 5 de julho.
A campanha eleitoral começa no dia seguinte, 6 de julho, quando os candidatos ficam autorizados pela Justiça Eleitoral a buscar votos. Poderão fazer comício, caminhada, carreata e usar carro de som. Mas não podem sujar a cidade, nem prejudicar a estética urbana, estabelece a resolução (22,718) do Tribunal Superior Eleitoral. Reunidos na última quinta-feira, ministros do TSE decidiram anular as restrições que impediriam a apresentação de propostas de candidatos em entrevistas, debates e encontros, antes do dia 6.
Com essa novidade, poderão ser divulgadas as plataformas e projetos políticos dos candidatos, sem que isso seja caracterizado como propaganda eleitoral. Os abusos e excessos serão apurados e punidos pela legislação vigente (artigo 22, da Lei Complementar 64/90 e artigo 96, da Lei 9.504/97), ressalva que visa garantir isonomia no tratamento dados aos candidatos pelos meios de comunicação.
Em Salvador, os candidatos ao Palácio Thomé de Souza começaram a agendar entrevistas para apresentação de seus programas de governo. O prefeito João Henrique Carneiro (PMDB), que disputa a reeleição, os candidatos Antonio Carlos Magalhães Neto (DEM); Walter Pinheiro (PT) e Antonio Imbassahy (PSDB) estarão em estúdios de várias emissoras de rádio e TV a partir de amanhã.
Fonte: Correio da Bahia

INSS só pode cobrar dívida de empresas até cinco anos

Decisão do STF segue a mesma regra para os demais tributos


SÃO PAULO - O Supremo Tribunal Federal (STF) reduziu de dez para cinco anos o prazo para que o INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) cobre contribuições previdenciárias devidas pelas empresas. A decisão, unânime, segue a mesma regra válida para os demais tributos administrados pela Receita Federal. A regra dos dez anos já havia sido declarada inconstitucional pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça) em agosto do ano passado. Assim, o Supremo seguiu a mesma linha, confirmando os cinco anos.
Para o leitor entender o alcance da decisão do STF, o INSS somente poderá cobrar as contribuições que não foram pagas de junho de 2003 para cá. Contribuições de maio de 2003 ou anteriores, mesmo que não pagas, não poderão mais ser exigidas pelo INSS. Os ministros declararam inconstitucionais os artigos 45 e 46 da Lei nº 8.212/91, que fixam o prazo de dez anos para a cobrança das contribuições da seguridade social. Para eles, apenas lei complementar pode dispor sobre normas gerais em matéria tributária, como prescrição e decadência. Como o prazo foi fixado por lei ordinária, os ministros entenderam que ele é inconstitucional.
Mas a inconstitucionalidade não se aplica aos contribuintes que já fizeram os pagamentos. Segundo o presidente do Supremo, ministro Gilmar Mendes, “são legítimos os recolhimentos efetuados nos prazos previstos nos artigos 45 e 46 da lei e não impugnados antes da conclusão do julgamento’’. Significa dizer que os valores já pagos ao INSS com base no prazo de dez anos não precisarão ser devolvidos aos contribuintes que não ajuizaram ações.
Ações - Mas aqueles que ingressaram com ações contra o prazo de dez anos antes do dia 11 último terão direito de receber de volta os valores pagos indevidamente. Em nota, a Procuradoria Geral da Fazenda Nacional considerou que a decisão do STF foi uma “vitória relevante’’, já que “os valores que foram pagos nessas condições nos últimos cinco anos somam R$12 bilhões, segundo levantamento feito pela Receita Federal”. Esse valor equivale a contribuições que excederam o prazo de cinco anos, foram cobradas pelo fisco e pagas pelas empresas sem contestação. Como pagaram e não contestaram, agora não haverá devolução.
Fonte: Correio da Bahia

Índia foi assassinada pela própria tia

Imaculada também é casada com o pai de Jaiya. Inimputável, não responderá a processo
Brasília
Está esclarecido o assassinato da índia Jaiya Xavante, 16 anos, que morreu na quarta-feira, no Hospital Universitário de Brasília: uma fonte da Fundação Nacional de Saúde (Funasa) informou à TV Brasil que a adolescente foi morta pela própria tia, Maria Imaculada Xavante.
Maria Imaculada é uma das três irmãs casadas com o pai de Jaiya. Num acesso de ciúme do marido, ela empalou a jovem, ou seja, introduziu um vergalhão de ferro de aproximadamente 40 centímetros no órgão sexual da sobrinha.
A informação já é do conhecimento da Polícia Civil, que investigava o crime antes que a Polícia Federal assumisse o caso. De acordo com informação obtida pela TV Brasil, o crime ocorreu por volta das 3h da manhã de quarta-feira, na Casa de Apoio à Saúde Indígena (Casi). Jaiya morreu sete horas depois no HUB, vítima de infecção generalizada. Ela teve baço, estômago e diafragma perfurados.
Inimputável
A autora do crime é inimputável por ser índia, ou seja, não poderá ser presa e processada, de acordo com a fonte da Funasa. Jaiya estava em Brasília com a mãe, a tia e uma irmã, para tratamento das seqüelas de meningite sofrida na infância, que a deixaram muda e paralítica (locomovia-se em cadeira de rodas), devido a lesões neurológicas.
As três irmãs são casadas e vivem com o pai de Jaiya, conforme um costume tribal, informou a mesma fonte da Funasa. Ela não soube explicar, no entanto, o que provocou o ataque de fúria em Maria Imaculada, que acabou por assassinar a sobrinha. A própria mãe da jovem estaria tentando encobrir a autoria do crime praticado pela irmã.
Desde maio, Jaiya estava na Casa de Apoio à Saúde Indígena (Casi), localizada perto da cidade do Gama, para tratamento no Hospital Sarah Kubitschek. Ela morava com a família na aldeia São Pedro, no município de Campinápolis, em Mato Grosso, para onde o corpo foi trasladado , depois de ser liberado pelo Instituto Médico Legal (IML) de Brasília. (ABr)
Fonte: JB Online

Pendências na Justiça complicam candidatos

Tribunais tendem a facilitar acesso às informações
Marcos Seabra
São Paulo
Os quatro principais postulantes à Prefeitura de São Paulo – a ex-ministra do Turismo Marta Suplicy (PT), o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB), o atual prefeito Gilberto Kassab (DEM), e o ex-governador Paulo Maluf (PP) – correm o risco de ter suas candidaturas prejudicadas, caso prevaleça a disposição dos tribunais eleitorais de endurecer a vida de políticos que respondam a processos na Justiça.
Os quatro respondem a processos no Supremo Tribunal Federal (STF), Superior Tribunal de Justiça (STJ) e Tribunal Regional Federal (TRF) com diversas acusações. Com a ficha corrida dos pré-candidatos nas mãos, os tribunais regionais eleitorais pretendem facilitar a exposição das pendências na Justiça dos postulantes a cargos públicos a título de esclarecer os eleitores.
A legislação em vigor só não permite o registro de uma candidatura caso o postulante tenha sido condenado, com sua sentença transitada em julgado. Ou seja, tenha condenação definitiva, sem direito a recurso.
Quase impossível
Especialista em direito eleitoral, o advogado Fernando Molino disse ser quase impossível um gestor público não ter a ficha suja:
– É muito difícil, na atualidade, com toda a atuação do Ministério Público, por exemplo, um gestor se ver livre de pelo menos responder a um processo – disse.
Molino acredita que é boa a iniciativa dos tribunais eleitorais de facilitar a divulgação da ficha dos candidatos, mas que isso não deverá se reverter em dificuldades legais para o registro de candidaturas.
– Isso só aconteceria caso a legislação fosse modificada, o que, aliás, não foi, e mesmo que isso tenha sido tentado ao interpretarem a jurisprudência para esses casos – acrescentou.
O senador Demóstenes Torres (DEM-GO), que deverá elaborar o projeto substitutivo da nova Lei de Inelegibilidades em tramitação no Senado, acredita que a exigência de uma ficha limpa não fere o princípio da inocência.
– Ao ser condenado logo em primeira instância, o processado demonstra que há indícios mais do que razoáveis de culpa – acredita.
Esta semana, Torres irá protocolar projeto de lei substitutivo aglutinando 26 propostas que tramitam no Senado sobre o tema inelegibilidade. A iniciativa tem o apoio de outros senadores, entre eles os peemedebistas Pedro Simon (RS) e Jarbas Vasconcelos (PE).
Ao largo da lei
O presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ), desembargador Roberto Wider, lembrou com satisfação na semana passada o fato do tribunal ter negado registro de algumas candidaturas em 2006, mesmo descumprindo a lei.
Ao saber que o TRE fluminense iria facilitar a divulgação da ficha dos aspirantes a candidatos, Wider prometeu seguir a mesma cartilha.
– Pretendemos adotar a mesma medida no Estado, de forma a mostrar à opinião pública quem são de fato aqueles que postulam representar o povo – afirmou. Costumo dizer que é o eleitor quem detém de fato o poder. Quando devidamente informado, ele reage de forma consciente, como vimos no Rio de Janeiro em 2006.
Para Wider, exigir de candidatos a cargo eletivo uma ficha limpa é uma mera questão de justiça, já que este é um requisito indispensável a qualquer cidadão que almeje o exercício de um cargo público, do mais simples ao mais qualificado.
– Onde está o bom senso dos políticos que se acham no direito de não serem submetidos a esse critério? – indagou.
Em 2006, o TRE-RJ negou registro a candidatos que, "embora sem condenações transitadas em julgado, não ostentavam em sua vida pregressa o princípio da moralidade para o exercício do mandato eletivo", como alertou um texto divulgado pelo tribunal. Ainda de acordo com a interpretação do TRE-RJ, "ainda que tivessem conseguido reaver as candidaturas em instâncias superiores, nenhum dos cinco conseguiu se eleger".
Fernando Molino reconhece, por exemplo, que juízes de cidades menores poderão negar registros.
– Alguns postulantes a candidaturas poderão sofrer pressão nas cidades menores e os juízes negarem o registro – explicou. – Mas isso, com raras exceções, poderá ser revertido em estâncias superiores.
Em centenas de cidades do país, é comum a prefeitura financiar o aluguel do Fórum de Justiça e também da residência do juiz de Direito que, em época de eleições, se transforma em juiz eleitoral, com o poder de aceitar ou não o registro de candidatos. Nesses casos, a pressão política será maior, acrescenta o advogado.
Fonte: JB Online

sábado, junho 28, 2008

O bloco dos fichas sujas

Por: J. Montalvão

Até as eleições passadas os partidos ou candidatos tinham nomes fictícios, pejorativos e de fantasia, como sejam: bocas brancas e bocas pretas, Paraguaias e Toshibas, piranhas, etc.

No pleito vindouro não teremos nomes fictícios, porém verdadeiros, ou sejam: os fichas limpas contra os fichas sujas, então o povo agora terá a oportunidade de escolher um candidato de moral sem mácula, ou os sujos, corruptos com débitos perante o cidadão eleitor e perante a Justiça.

O Brasil inteiro está se levantando e reagindo contra os oportunistas políticos, contra as sanguessugas do dinheiro público, e não será possível que Jeremoabo continue na contramão da história e isolado de todo mundo, elegendo mais uma vez políticos ultrapassados, oportunistas e corruptos.

Jeremoabo hoje assistiu uma manifestação cívica, o brado do protesto e do basta, verdadeira passeata de respeito e harmonia, ou seja, o deslocamento do eleitor e membros do diretório para homologação da chapa dos candidatos LIMPOS, Deri para Prefeito e Marcos Dantas para vice-prefeito.

Portanto, a sorte está lançada, vamos apenas aguardar a escolha do eleitor jeremoabense, pois essa é a hora dos sem voz falar e detonar a sua arma mais potente que é o voto consciente, o voto da moral e da mudança, o voto que irá eliminar de uma vez por todas, os nocivos, desonestos e profissionais da politicagem.

Jeremoabo, acima de tudo!



STF decidirá sobre registro de candidato com ficha suja

Agencia Estado
O Supremo Tribunal Federal (STF) será obrigado a definir se políticos com a vida pregressa marcada por processos judiciais podem ou não se candidatar a cargos públicos. A Associação dos Magistrados do Brasil (AMB) protocolou uma ação - Argüição de Descumprimento de Preceito Fundamental - em que pede a anulação da parte da lei de inelegibilidade, que determina que um político só pode ser barrado pela Justiça Eleitoral se tiver sido condenado em última instância.Assim, os juízes eleitorais poderiam analisar a ficha dos políticos e a gravidade dos processos que respondem, mesmo sem trânsito em julgado, para decidir se concederiam ou não o registro de candidatos. Isso anularia também a interpretação do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que decidiu que os políticos só podem ter o registro impugnado se houver condenação judicial em última instância. Os ministros do TSE disseram que candidatos com "ficha suja" só poderiam ser barrados se o Congresso aprovasse lei complementar com a previsão expressa de que eles podem ser barrados.A ação, com pedido de liminar para que a decisão tenha eficácia imediata, será relatada pelo ministro Celso de Mello e deve ser julgada somente no segundo semestre, já que o tribunal entra em recesso na próxima semana e retoma os trabalhos no início de agosto. De acordo com ministros da Corte, a tese, assim como não prosperou no TSE, não deve ser aceita no Supremo. Os ministros argumentam que o político é inocente até condenação final na Justiça. Até lá, não pode sofrer punição.
Fonte: A Tarde

Estado da Bahia tem 488 gestores inelegíveis

Lista revela que mais de três mil administradores públicos tiveram as contas rejeitadas em última instância


Lenilde Pacheco
A cem dias das eleições municipais de outubro, a temível lista de inelegíveis, contendo 3.178 nomes de gestores públicos que tiveram contas rejeitadas por irregularidades administrativas em todo o país, foi entregue ontem ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) pelo Tribunal de Contas da União (TCU). Disponível no site do TCU (www.tcu.gov.br), a listagem possui 339 páginas, totalizando 27 estados brasileiros. A Bahia ocupa a inconveniente posição de destaque: com 488 nomes, é o estado de maior representação no ranking da ineficiência administrativa. Em seguida, estão o Maranhão (408 pessoas), Distrito Federal (321) e o Pará (com 304). Em Minas Gerais, a lista reúne 295 nomes. São Paulo possui 272 pessoas na categoria inelegíveis do TCU e, no Rio de Janeiro, foram identificados 128.
Durante todo o dia de ontem, a divulgação da lista foi motivo de nervosismo nos meios políticos e congestionamento no site do TCU. Isso porque quem teve o nome divulgado e mantém a intenção de candidatar-se ou de tentar eleger seu sucessor, vai enfrentar problemas. Para não ser impedido de disputar a eleição, é preciso mover ação, com pedido de liminar, para tornar sem efeito a punição. Além disso, guardar fôlego para enfrentar a previsível fúria dos adversários.
Os gestores que estão na lista tiveram as contas relativas aos cargos ou funções rejeitadas pelo TCU em última instância. Aqueles que já tiveram as contas recusadas, mas que ainda podem recorrer da análise, não estão listados. Especialista em legislação eleitoral, o advogado Ademir Ismerim explicou ontem que a entrega da listagem ao TSE está prevista em lei complementar. A legislação estabelece que o TCU encaminhe à Justiça Eleitoral esses nomes até o dia 5 de julho.
O presidente do TCU, Walton Alencar Rodrigues, entregou ontem a lista ao presidente do TSE, ministro Carlos Ayres Britto. Às vésperas do início da campanha eleitoral, os dados do TCU são explosivos. A listagem inclui nome completo dos gestores, município, estado e o órgão federal que liberou recursos para a administração municipal. As informações referem-se a gastos relativos aos últimos cinco anos.
Prazo – Por meio de sua assessoria de comunicação, o TCU informou ontem que os candidatos às eleições municipais de 5 de outubro têm até 5 de julho para apresentar documentos relativos às contas analisadas pelo tribunal. Na prática, significa que nem tudo está perdido para quem vai entrar na corrida sucessória. Os gestores citados na lista podem regularizar as contas junto ao tribunal até o início de julho e muitos já começaram a fazer isso.
O TCU não declara a inelegibilidade de responsáveis por contas julgadas irregulares. Isso cabe à Justiça Eleitoral. Compete ao TCU apresentar a relação das pessoas físicas que se enquadram nos requisitos legais, a partir de informações do cadastro de contas julgadas irregulares (Cadirreg) do próprio tribunal. Esse cadastro reúne o nome de todas as pessoas, físicas ou jurídicas, vivas ou falecidas que têm ou não cargo público, mas cujas contas foram julgadas irregulares pelo tribunal, esclareceu a assessoria do TCU. A exclusão de nomes é automática, a partir do momento em que o gestor regularize a sua situação.
Baianos – Com expressivos 15,8% dos nomes listados, a Bahia reúne principalmente ex-prefeitos. O secretário Geraldo Simões (Agricultura), ex-prefeito de Itabuna, é um dos que estão na listagem do TCU. Pelo telefone, no início da noite de ontem, o secretário explicou que o assunto está sub judice. “Ingressei na Justiça contra a rejeição pelo TCU de contas relativas a dois convênios que tiveram vigência na década de 90”, disse. “Não houve desvio de recursos, nem superfaturamento. O assunto ficou pendente em função de formalismo de ministro do TCU”. O secretário Geraldo Simões não é candidato nas próximas eleições. É Juçara Feitosa, a sua mulher, quem entra na disputa pela prefeitura de Itabuna.
Não foram localizados ontem o ex-prefeito Humberto Ellery, de Camaçari; José Eliotério da Silva Zedafó, de Araci; e José Ubaldino Alves Pinto, de Porto Seguro, que também estão na relação de responsáveis por contas julgadas irregulares pelo TCU.
***
Pinheiro quer impedir uso da imagem de Lula
Osvaldo Lyra
As cúpulas estadual e municipal do PT, PV, PSB e PCdoB convocaram ontem uma entrevista coletiva à imprensa para anunciar formalmente o apoio dos comunistas à chapa encabeçada pelos deputados federais Walter Pinheiro (PT) e Lídice da Mata (PSB) na corrida pela prefeitura de Salvador. Além de tecer críticas diretas ao atual prefeito João Henrique (PMDB), o candidato do PT afirmou que, caso haja necessidade, vai acionar até mesmo a Justiça Eleitoral para evitar “o aproveitamento” de candidatos – leia-se João Henrique e Antonio Imbassahy – sobre as imagens do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do governador Jaques Wagner durante a campanha.Segundo Pinheiro, o eleitor vai entender a manipulação dessas imagens.
“Quem esteve com Lula em 1989 e com o Wagner em 2002?”, questionou, numa referência ao fato de o PMDB ter estado em campo oposto ao dos petistas nos dois pleitos. Para ele, de nada adiantará o prefeito colar a propaganda no presidente e governador. “Isso fica parecendo um bacalhau”, disse.
Depois de dizer que o governo federal triplicou o envio de recursos para Salvador de 2007 até agora, Pinheiro, que chegou a defender o apoio do PT ao prefeito antes das prévias petistas, voltou a fazer críticas diretas à gestão João Henrique. De acordo com ele, existiu um “falso debate em torno do PDDU”. “Sem contar que Salvador está inviável sob o aspecto da mobilidade urbana. Não existe uma política clara para os jovens da cidade”. Para ele, a cidade precisa ter um prefeito com capacidade para assegurar recursos. “E isso não apenas na boca das eleições”.
Recuo - Segundo a vereadora Olívia Santana, o recuo do PCdoB se deu diante da necessidade de unificar e fortalecer a frente das esquerdas. “O PCdoB não iria permitir que um dos nossos partidos ficasse fora do segundo turno”.
De acordo com ela, apesar da paz momentânea, existem ainda acertos a serem fechados com o PT. Entre eles, ela citou a reciprocidade nas cidades de Alagoinhas e Juazeiro. Mesmo com a desistência da candidatura, Olívia assegurou também que o partido vai assumir um papel de protagonista, mesmo não estando na cabeça da chapa. “Vamos estar juntos não só na colheita dos bônus, mas também na divisão dos ônus”.
Convenções - As executivas municipais do PT e PSDB realizam amanhã suas convenções para referendar as candidaturas de Walter Pinheiro e Antonio Imbassahy (PSDB) à prefeitura de Salvador. Apesar de ser um ato meramente homologatório, ou seja, de confirmação das chapas, os dois eventos já passaram a ecoar no ringue sucessório com um toque de competição. Tanto os tucanos como os petistas querem atrair a atenção do eleitor, ao pegar carona na popularidade e prestígio do governador Jaques Wagner (PT).
Apesar de ter sido convidado pelo PSDB, partido que integra sua base de sustentação do governo na Assembléia, a assessoria de imprensa do governador disse que ainda não havia uma definição sobre a ida dele ao ato dos tucanos. Wagner esteve na convenção que homologou a candidatura à reeleição do prefeito João Henrique Carneiro (PMDB), alegando que o peemedebista também é candidato de sua base.
No PT, o clima é de otimismo. Walter Pinheiro já disse e ontem repetiu que o governador não só vai para a festa petista (às 9h, no Centro de Convenções) como também vai participar da campanha. Ele afirmou que Wagner vai atuar como militante – em favor do PT – mas que vai manter a postura republicana de “apoio” aos outros candidatos de sua base.
Entre os tucanos, o clima é um misto de cautela e entusiasmo. O candidato Antonio Imbassahy disse que amanhã o PSDB vai “fazer uma festa da democracia” e que espera contar com a presença do governador no evento que acontece no Fiesta, a partir das 8h. “Fiz o convite a ele. Agora, aguardaremos a sua decisão”.
***
Oposição diz que aumento do Bolsa Família não é eleitoreiro
BRASÍLIA - Perto da eleição, a oposição mudou o discurso e, no lugar de reagir criticamente ao reajuste de 8% do Bolsa Família, apoiou a medida. “Com o aumento da inflação, o reajuste é inevi-tável. O pobre não pode pagar a conta”, afirmou o líder do DEM na Câmara, deputado ACM Neto. Candidato a prefeito de Salvador, ele descartou o caráter “eleitoreiro” do reajuste. “Cada situação é uma situação”, sustentou. Para o deputado do DEM, o governo errou ao não agir antes, deixando ocorrer o aumento da inflação. O deputado chegou a apresentar na Câmara um projeto que concede um reajuste maior – cerca de 11% – ao benefício. Anteontem, ele se reuniu com o ministro do Desenvolvimento Social, Patrus Ananias, para defender a proposta.
Na mesma linha, o presidente do DEM, Rodrigo Maia (RJ), avaliou que o incremento de 8% no programa Bolsa Família é necessário por conta da “incompetência do governo”. “A inflação saiu do controle, agora não dá para penalizar os mais pobres”, afirmou. Para Maia, “eleitoreira foi a redução da Cide” (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico) para a gasolina, o que, segundo o governo, compensaria o reajuste de 10% nas refinarias. “Querer reduzir a Cide-Combustível para livrar a classe média foi sim eleitoreiro. Agora, não dá para não reajustar (o Bolsa Família), já que houve inflação sobre os alimentos”, prosseguiu o presidente do DEM. (AE e Redação)
Fonte: Correio da Bahia

Governo considera plano de cargos e salários do Judiciário inviável

Sem alteração, o projeto não será aprovado e a greve pode se estender


Alexandre Reis
Se o projeto que atualiza o plano de cargos e salários dos servidores do poder Judiciário do estado não for alterado, ele não será aprovado na Assembléia Legislativa este semestre. Segundo o governo, o projeto enviado pelo Tribunal de Justiça da Bahia (TJ) é inviável porque praticamente dobra o salário dos servidores em cinco anos com base em estimativas de crescimento que o Executivo não tem como garantir. Os cerca de 9,5 mil trabalhadores do Judiciário, que contam com o apoio da oposição no Legislativo, deflagraram greve no último dia 16 e alegam que só acabarão com o movimento após o projeto ser aprovado pelos deputados. Ontem, em assembléia, decidiram manter o movimento. Na terça-feira, farão nova reunião para deliberar sobre a paralisação.
O tempo conspira contra os servidores. Esta semana, por conta do feriado junino e das convenções para a homologação dos candidatos a prefeito e vereador do interior, a Assembléia não realizou sessões. Além disso, já no dia 1º de julho, após as convenções, está programada a votação, em segundo turno, da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), que fixa as metas do orçamento para o próximo ano. Votando em segundo turno a LDO, os deputados entram em recesso, em plena campanha eleitoral, que vai até outubro – com exceção de Feira de Santana e Salvador, onde pode haver segundo turno e o pleito se estender até novembro. Com as cabeças voltadas para a campanha, os parlamentares retornam ao trabalho em agosto.
A oposição diz que vai marcar presença na próxima semana para pressionar o governo a votar o projeto. Os servidores prometem, novamente, pressionar os governistas na Casa. O líder do governo, deputado Waldenor Pereira (PT), pediu um tempo para que a Secretaria da Fazenda possa fazer as contas sobre o impacto financeiro do projeto. Ontem, os técnicos da pasta informaram ao petista que as contas ainda não estavam fechadas. O líder disse que o Executivo precisa ter certeza de que a proposta não vai violar os princípios sagrados da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), que prevê um limite prudencial de 5,7% da receita corrente líquida para gastos com o Judiciário (o teto é 6%). O limite, segundo o petista, já está 5,63% sem a aprovação da proposta.
“Além disso, aprovamos em novembro do ano passado a nova Lei de Organização do Judiciário (LOJ), que envolve gastos com a ampliação do número de desembargadores e juízes, número de comarcas, contratação de serventuários e criação de varas especializadas, como a da Violência Doméstica contra a Mulher. Uma das determinações da LOJ é que ela seria implantada de acordo com a Lei de Responsabilidade Fiscal”, afirmou o líder governista. “Não há má vontade da nossa parte em aprovar o plano de cargos e salários. O que não podemos é prevaricar. O governador Jaques Wagner está disposto a defender a aprovação do texto se ficar comprovado que ele não fere a legislação, o que implicaria em medidas punitivas para o estado, que não poderia, por exemplo, contrair empréstimos internacionais ou repactuar sua dívida junto ao Banco Central”, acrescentou”.
Cálculos – Waldenor Pereira não admite, mas um técnico da secretaria argumentou que a dificuldade de fazer os cálculos é grande por conta do prazo de cinco anos para que a atualização do plano de cargos e salários seja feita por completo. “O risco é grande. Só para exemplificar, a proposta prevê reajustes salariais superiores em cinco anos. Ao final do último ano, dobra os salários. Isso com base numa previsão de crescimento de 11% ao ano do estado, o que quer dizer que, em nove anos aproximadamente, o governo dobraria a sua receita. Não dá para prevê isso”, disse o técnico.
O técnico da Secretaria da Fazenda afirmou que, para que o projeto pudesse ser apresentado pelo TJ à Assembléia sem que o texto representasse, de cara, uma afronta à LRF, foi calculado que o crescimento da receita corrente líquida do estado no quinto ano possibilitará um repasse de aproximadamente R$900 milhões ao Judiciário – este ano foram destinados cerca de R$710 milhões –, “o que não dá para garantir”. Ele disse ainda que os demais poderes ainda nem chegaram perto do limite prudencial fixado pela LRF, ao contrário do Judiciário.
Só quem pode retirar o projeto da pauta é o TJ. Ontem, Waldenor Pereira disse que não há sinalização para que isso aconteça. Mas ele ainda tem esperança de que possa ser feito um acordo com os servidores e a greve ser encerrada antes do recesso parlamentar. Um caminho para o acordo seria prevê apenas um reajuste para o ano que vem. Em abril, o governo concedeu linearmente 4,46% para o funcionalismo público, cobrindo apenas a inflação.
***
Sindicatos se mostram irredutíveis
Os dois sindicatos dos servidores do poder Judiciário do estado – Sinpojud e Sintaj – afirmam que se o projeto que atualiza o plano de cargos e salários da categoria não for aprovado até 1º de julho, a greve será mantida mesmo com a Assembléia Legislativa em recesso. “Nossa demanda é imediata. O nosso plano de cargos e salários precisa se adequar à legislação federal e à nova Lei de Organização do Judiciário (LOJ). A LOJ prevê, por exemplo, que um escrivão agora é diretor de secretaria. Pela nova lei federal, o oficial de justiça agora é avaliador. E isso precisa ser respeitado”, disse Maria José Silva, presidente do Sinpojd. Ela lembrou que o plano atual é de 2001, “e está defasado”.
A sindicalista contou que está aguardando os cálculos que o governo prometeu fazer para avaliar a viabilidade do projeto enviado pelo Tribunal de Justiça da Bahia (TJ) à Assembléia. O governador Jaques Wagner formou uma comissão formada pelos secretários da Administração, Manoel Vitório, e da Fazenda, Carlos Martins, e pelo superintendente do Instituto Pedro Ribeiro de Administração Judiciária (Ipraj), Maurício Dantas, para dialogar com os servidores. “Temos confiança de que o governo possa chegar a um entendimento conosco. Agora, se o projeto não for aprovado neste semestre, vamos manter a greve”, disse Maria José.
Ontem, Maria José e um grupo de sindicalistas se reuniram com Maurício Dantas, que afirmou não haver avanços em relação a uma negociação com o governo. A sindicalista disse que não há possibilidade de o TJ retirar o projeto da pauta da Assembléia. Com a greve, só estão sendo mantidos pelos servidores do Judiciário os serviços de guia de sepultamento, habeas-corpus e liminar de saúde, água e luz. (AR)
***
SAIBA MAIS
A maior greve promovida pelos servidores do poder Judiciário aconteceu em 2001 e durou 86 dias.
***
Oposição acusa Executivo de ser incoerente
A oposição na Assembléia Legislativa acusa governo de incoerência na questão do projeto que atualiza o plano de cargos e salários dos servidores do Judiciário. “Receitas o governo tem. Notamos isso analisando as finanças do estado, pois há superávit financeiro extremamente satisfatório. Portanto, o que falta mesmo é vontade política para o governo atender ao pleito dos servidores do Judiciário. O governo tem condições de arcar com essa despesa”, disse o líder da bancada, deputado Gildásio Penedo (DEM), que marcou presença anteontem e ontem na Assembléia, onde não houve sessão porque os governistas não deram quorum.
O deputado Clóvis Ferraz (DEM) disse que o discurso do governo não condiz com a realidade, uma vez que a presidente do TJ, desembargadora Sílvia Zarif, assegurou que a proposta está dentro do limite prudencial da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). “A desembargadora seria irresponsável em mandar um projeto para o Legislativo, sem conversar antes com o Executivo? Não acredito. Apesar da autonomia dos poderes, eles são harmônicos. Diante da arrogância do governo, não restou outra alternativa aos servidores senão a greve. A responsabilidade pela paralisação não é da Assembléia. É do governo. E não adianta os discursos bonitos se a prática é bem diferente”.
O deputado Heraldo Rocha (DEM) disse que a situação é muito grave. “O Judiciário é um poder autônomo. Não permitiríamos uma interferência do Executivo nas questões internas do Legislativo, que é um poder independente. Portanto, não podemos permitir que isso ocorra com o Judiciário também”, disse. Heraldo Rocha afirmou que o projeto é coerente, tanto que a base do governo não apresentou uma emenda sequer à proposta enviada pelo Judiciário.
“Falta apenas decisão política em aprová-lo”, disse. O deputado fez um alerta aos servidores e serventuários para que informem à sociedade de que a responsabilidade da greve é devido à falta de capacidade do governo baiano em negociar. “Façam isso rápido antes que o governo coloque a sociedade contra o Judiciário como já o fez antes com os professores e os policiais”, enfatizou.
Fonte: Correio da Bahia