Família Montalvao

Família Montalvao

quarta-feira, maio 31, 2006

Disfunção de tireóide pode provocar doença nos olhos

Por: Fernanda Bassette (Jornal Pequeno)



Anticorpos atacam os tecidos e causam inflamações da órbita


Desencadeada por uma reação auto-imune do organismo que passa a produzir anticorpos contra seus próprios tecidos, a doença de Graves está intimamente relacionada com os distúrbios da tireóide, em especial o hipertiroidismo. Uma de suas principais conseqüências é a oftalmopatia: uma inflamação da órbita que ´empurra´ os olhos para a frente, dando a impressão de que o paciente está sempre assustado ou com os olhos esbugalhados. Apesar de ter caráter auto-imune, os especialistas em oftalmologia e endocrinologia suspeitam que um estresse emocional muito forte, como a morte de um familiar, possa ser um fator desencadeador da doença de Graves. No entanto, eles afirmam que nem sempre os pacientes relatam algum tipo de estresse para justificar o surgimento da doença. “A doença de Graves ainda não tem causa conhecida, mas provavelmente tem uma herança genética. Trata-se de um problema auto-imune que ataca a tireóide e a órbita, dando o aspecto de “olhos para fora”, explicou o oftalmologista Rubens Belfort Júnior. A oftalmopatia - Paulo Gois Manso, chefe do setor de órbita do Instituto da Visão da Unifesp, explicou que a oftalmopatia é uma doença secundária provocada pela alteração da tireóide. Segundo ele, os mesmos anticorpos que o organismo produz contra a tireóide também atacam a órbita, desencadeando um processo inflamatório e o aumento da produção de fibroblastos. “Esses fibroblastos passam a produzir substâncias chamadas glicosaminoglicanos, que se acumulam na gordura da órbita e nos músculos oculares empurrando os olhos para frente”, explicou Manso. O oftalmologista Leôncio Queiroz Neto explicou que as órbitas são preenchidas por uma gordura - que funciona como um amortecedor. “A doença de Graves age exatamente nessa região. O olho salta porque a gordura que envolve os olhos fica inchada.”De acordo com Manso, dos pacientes que apresentam oftalmopatia, 90% têm hipertiroidismo; 4% apresentam hipotiroidismo e os outros 6% não têm a disfunção na tireóide, mas apresentam alterações auto-imunes no organismo. “Não podemos dizer que todos os casos estão relacionados com o hipertiroidismo. Mas sempre há a disfunção auto-imune”, afirmou Manso. Na maioria das vezes, os primeiros sintomas da doença de Graves estão relacionados ao hipertiroidismo: taquicardia, sudorese excessiva, emagrecimento e insônia. Quando a doença atinge os olhos, os principais sintomas são dor, vermelhidão e inchaço (fase ativa da doença). Depois dessa fase, desaparecem os sinais inflamatórios e o paciente entra na fase inativa da doença. O tratamento da doença de Graves é feito em conjunto com endocrinologistas e inclui controlar o distúrbio da tireóide e tratar a inflamação orbitária, na fase ativa, com uso de drogas antiinflamatórias. A cirurgia é reservada para os casos mais graves, onde existe risco de perda da visão. Os hormônios produzidos pela glândula equilibram as funções do organismo - A tireóide é uma glândula fundamental no funcionamento das funções do organismo. Ela está localizada no pescoço e é responsável pela fabricação dos hormônios T3 e T4, que são os principais reguladores metabólicos do organismo. É a tireóide que equilibra funções como os batimentos cardíacos, a temperatura corporal e o gasto energético do corpo. “Ela tem uma função tão importante, que qualquer alteração gera interferências no organismo”, explicou Marcello Bronstein, professor de endocrinologia da Faculdade de Medicina da USP. Segundo Bronstein, apesar de ser pouco conhecida pelas pessoas, a doença de Graves é relativamente comum e atinge mais mulheres, especialmente com mais de 40 anos. A proporção, diz o especialista, é de sete mulheres para um homem. O diagnóstico correto da doença é feito por meio da dosagem da quantidade de hormônios (T3 e T4) e da quantidade de TSH no sangue. “Quando a pessoa tem hipertiroidismo, o THS fica baixo, praticamente zerado”, explicou Antônio Roberto Chacra, chefe do departamento de endocrinologia da Unifesp. (FB)

Rico quer carro novo, e pobre, celular e televisão

Por: ADRIANA MATTOSda Folha de S.Paulo



O grupo de consumidores mais abastados, no topo da pirâmide social, pretende comprar em 2006 o computador para casa, trocar de carro e adquirir novos móveis --os itens de maior desejo de compra para esse público neste ano. Já aquela turma com renda magra, das classes D e E, vai por outro caminho: tentará financiar a moto, comprar a televisão e o telefone celular.É o que mostra relatório de 59 páginas elaborado pela consultoria Ipsos e pela Cetelem, empresa francesa de crédito, parceira de redes de varejo como Submarino, Telha Norte e Carrefour.O levantamento foi divulgado ontem com uma série de conclusões sobre hábitos de consumo do brasileiro e desigualdades no poder de compra.Segundo entrevistas com 1.200 pessoas no país em novembro e dezembro --selecionadas de acordo com metodologia utilizada pelo IBGE na Pnad, a pesquisa de amostra de domicílios--, 85% dos entrevistados das classes D e E querem comprar uma moto. Nesse grupo, 84% pretendem adquirir eletrônicos (como TV e vídeo) e 79% preferem trocar ou comprar celulares. Aí está a população com renda média mensal familiar em R$ 544,72. Estima-se que 92,9 milhões de brasileiros façam parte das classes D e E, calcula o relatório.No grupo dos mais endinheirados, com renda familiar média mensal em R$ 2.484,01 (classes A e B, que somam 26,4 milhões de brasileiros), a lista de compras para 2006, por ordem de múltipla escolha, inclui: móveis (81%), computador (78%), eletrodomésticos (73%) e carro (71%).No vermelhoUm dado interessante nessa comparação é que as classes de menor renda têm intenção maior de compra nos produtos de preços baixos. Por exemplo: ferramentas (55% de interesse) e itens para decoração (60%). Isso acontece não só pela demanda reprimida como pela dificuldade de acesso a crédito barato e pela ampliação lenta do poder de compra --leia-se renda-- nos últimos anos."As classes A e B, até mesmo a C, têm espaço para se endividar. Mas as classes D e E estão correndo atrás do prejuízo", diz Clifford Young, diretor da Ipsos Public Affairs, responsável pela pesquisa. "O que acontece é que essa turma de renda mais baixa compra, se endivida, começa a cortar gastos para pagar essa dívida e, depois, volta a comprar e a se endividar novamente", afirma ele.Com base na informação dos entrevistados, a pesquisa concluiu que, para as classes A e B, de uma renda média mensal de R$ 2.484.01, os gastos fixos somam R$ 1.852,23 -sobrando R$ 631,79. Desse volume, R$ 204 (média) vão para o pagamento de uma prestação mensal -8% da renda. Mas, no grupo D e E, o comprometimento com o crédito é maior: de 15%. Na classe C, atinge 14%. "Os de menor renda [D e E] fecham o mês com um gasto que supera em R$ 16 a renda mensal" diz Franck Vignard Rose, diretor de marketing da Cetelem.

Rico quer carro novo, e pobre, celular e televisão

Por: ADRIANA MATTOSda Folha de S.Paulo



O grupo de consumidores mais abastados, no topo da pirâmide social, pretende comprar em 2006 o computador para casa, trocar de carro e adquirir novos móveis --os itens de maior desejo de compra para esse público neste ano. Já aquela turma com renda magra, das classes D e E, vai por outro caminho: tentará financiar a moto, comprar a televisão e o telefone celular.É o que mostra relatório de 59 páginas elaborado pela consultoria Ipsos e pela Cetelem, empresa francesa de crédito, parceira de redes de varejo como Submarino, Telha Norte e Carrefour.O levantamento foi divulgado ontem com uma série de conclusões sobre hábitos de consumo do brasileiro e desigualdades no poder de compra.Segundo entrevistas com 1.200 pessoas no país em novembro e dezembro --selecionadas de acordo com metodologia utilizada pelo IBGE na Pnad, a pesquisa de amostra de domicílios--, 85% dos entrevistados das classes D e E querem comprar uma moto. Nesse grupo, 84% pretendem adquirir eletrônicos (como TV e vídeo) e 79% preferem trocar ou comprar celulares. Aí está a população com renda média mensal familiar em R$ 544,72. Estima-se que 92,9 milhões de brasileiros façam parte das classes D e E, calcula o relatório.No grupo dos mais endinheirados, com renda familiar média mensal em R$ 2.484,01 (classes A e B, que somam 26,4 milhões de brasileiros), a lista de compras para 2006, por ordem de múltipla escolha, inclui: móveis (81%), computador (78%), eletrodomésticos (73%) e carro (71%).No vermelhoUm dado interessante nessa comparação é que as classes de menor renda têm intenção maior de compra nos produtos de preços baixos. Por exemplo: ferramentas (55% de interesse) e itens para decoração (60%). Isso acontece não só pela demanda reprimida como pela dificuldade de acesso a crédito barato e pela ampliação lenta do poder de compra --leia-se renda-- nos últimos anos."As classes A e B, até mesmo a C, têm espaço para se endividar. Mas as classes D e E estão correndo atrás do prejuízo", diz Clifford Young, diretor da Ipsos Public Affairs, responsável pela pesquisa. "O que acontece é que essa turma de renda mais baixa compra, se endivida, começa a cortar gastos para pagar essa dívida e, depois, volta a comprar e a se endividar novamente", afirma ele.Com base na informação dos entrevistados, a pesquisa concluiu que, para as classes A e B, de uma renda média mensal de R$ 2.484.01, os gastos fixos somam R$ 1.852,23 -sobrando R$ 631,79. Desse volume, R$ 204 (média) vão para o pagamento de uma prestação mensal -8% da renda. Mas, no grupo D e E, o comprometimento com o crédito é maior: de 15%. Na classe C, atinge 14%. "Os de menor renda [D e E] fecham o mês com um gasto que supera em R$ 16 a renda mensal" diz Franck Vignard Rose, diretor de marketing da Cetelem.

Pão francês passa a ser vendido por peso

Por: Jornal de Jundiaí - SP


As padarias deverão deixar de vender pão francês por unidade e serão obrigadas a comercializar o produto por peso, em todo o País. A mudança foi determinada após uma consulta pública na qual 70,34% dos consumidores decidiram que o peso é a melhor forma de adquirir o pãozinho salgado de 50 gramas. Outros 29,06% ainda preferem comprar por unidade e 0,59% se disseram satisfeitos por ambos os tipos de comercialização.
"Nós já esperávamos por essa decisão do público", frisou Adriano Santos Pereira, presidente da Associação dos Panificadores de Jundiaí (Apan). "A venda por peso é mais justa. O cliente paga exatamente pelo que está levando."
Para cumprir a Portaria, as padarias terão que instalar uma balança específica mas, apesar do investimento, os panificadores não esperam por aumento nos preços. Em Jundiaí, apenas 10% dos estabelecimentos já comercializam o pão por peso, enquanto os demais continuam a vender o produto por unidade.
Segundo Pereira, essas padarias têm dificuldades em cortar os pãezinhos com a mesma massa. "Geralmente, os estabelecimentos fabricam pães que variam entre 50 e 54 gramas cada unidade. Por causa disso, a venda por quilo será mais simples também no âmbito comercial." Inmetro - A pesquisa pública foi realizada pelo Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial). Mais de mil sugestões de clientes e de panificadores foram colhidas durante 60 dias de consulta.
De acordo com a Diretoria de Metrologia Legal do instituto, área responsável pela regulamentação da Portaria 63, 714 pessoas indicaram a preferência pelo uso da balança na compra do pão francês.
A próxima tarefa do Inmetro será elaborar um texto para a Portaria nos próximos 20 dias - a obrigatoriedade entrará em vigor a partir da data de publicação no Diário Oficial da União. O regulamento também fixará um prazo para a adequação dos panificadores, pois alguns estabelecimentos não dispõem de balanças suficientes para a demanda.

Itaú é condenado a indenizar cliente vítima de fraude pela internet

Por: Tribunal de Justiça do Distrito Federal

Transferências de valores da conta poupança da cliente foram realizadas sem autorização O Banco Itaú foi condenado a ressarcir o prejuízo de R$ 15.194,00 de uma cliente que teve a sua conta bancária invadida por meio da internet. O dano material foi confirmado pela 5ª Turma Cível em julgamento realizado nesta segunda, dia 29. Os desembargadores mantiveram, por unanimidade, a sentença do juiz Franco Vicente Piccolo, da 1ª Vara Cível de Brasília. A autora do pedido de indenização conta que foram realizadas transferências de valores de sua conta poupança sem a sua autorização. Disse que ao tomar conhecimento do fato procurou o gerente do banco, que lhe informou ter havido fraude pela internet. O Itaú, no entanto, eximiu-se de qualquer responsabilidade, atribuindo a culpa à cliente, já que as transações foram feitas com o uso de sua senha pessoal. A cliente afirma que jamais perdeu seu cartão bancário, tampouco forneceu sua senha para outras pessoas. Argumenta que o fato decorreu da má prestação do serviço pelo Itaú, que não garantiu o mínimo de segurança nas operações realizadas pela internet. Embora a cliente tenha pedido a condenação do banco também por dano moral, somente o dano material foi comprovado e reconhecido. O Itaú contestou as alegações da autora da ação judicial, alegando que os clientes do banco são advertidos acerca das cautelas necessárias em suas transações eletrônicas. Sustenta que o site do banco é seguro, não possibilitando a terceiros terem acesso às informações pessoais dos seus clientes. O Itaú ressalta que a captura dos dados pode ocorrer por meio de hackers e ataque de vírus, riscos não relacionados ao banco. Segundo o juiz Franco Vicente Piccolo, que julgou a ação com base no Código de Defesa do Consumidor, cabia ao Itaú comprovar a segurança do sistema eletrônico via internet que coloca à disposição de seus clientes, bem como que o mesmo não foi bem utilizado pela autora, ou que as transações por ela efetuadas foram em desconformidade com as normas e orientações de segurança. Porém, o banco não apresentou provas. “Sabe-se que a prestação de serviços por meios eletrônicos tende a fomentar a atividade bancária, reduzir os custos operacionais e aumentar os lucros da instituição financeira”, afirma o juiz. No entanto, o magistrado ressalta que a referida prática traz vários riscos e facilita a ocorrência de fraudes, demonstrando a fragilidade do sistema de transações bancárias pela internet. “Cabe destacar que, em casos tais, a doutrina e a jurisprudência assinalam que a imputação da responsabilidade civil orienta-se pela chamada teoria do risco profissional, nos termos da qual é responsável pela reparação dos danos aquele que maior lucro extrai da atividade que lhe deu origem”, diz. Assim, no entendimento tanto do juiz quanto da 5ª Turma Cível, o Itaú deve indenizar a cliente.

SUÍÇA - 1954

Por: Yahoo! Copa do Mundo 2006

A queda do Império húngaro
Campeão:
Alemanha
Vice:
Hungria
Ficha técnica
Sede: SuíçaPaíses inscritos: 39Participantes: 16Gols: 140Média de gols: 5,37Média de público: 36.269
A pequena e brava Suíça - da qual se duvidava poder levar a cabo a tarefa de organizar o Mundial de 1954 - trabalhara com inteligência para que não se repetissem as ausências de quatro anos antes. É claro que os tempos eram outros. Em termos de futebol, principalmente, a guerra tornara-se algo quase remoto. Tanto que a Alemanha, até há bem pouco um monte de ruínas, permitia-se inscrever uma seleção bem mais ambiciosa do que muita gente supunha.
Com uma propaganda maciça, um hábil trabalho diplomático e um natural apelo turístico, os suíços, desde 1952, atraíram a atenção de todo o mundo para o seu campeonato. O resultado disso foi que o número de países inscritos estabeleceu novo recorde: 39. Dentre eles, em sua quinta tentativa, o Brasil. Muita coisa mudara no nosso futebol depois de 1950. Na realidade, desde aquele amargo 16 de julho, mudar passara a ser a palavra de ordem. Assim, o que se fizera de um jeito, ainda que certo, em 1950, teria de ser feito diferente, em 1954. Mas todos concordavam com as mudanças. A começar do técnico: para o lugar de Flávio Costa, Zezé Moreira.
Alfredo Moreira Júnior, um fluminense de Miracema, 46 anos, guardava muitos pontos em comum com Flávio Costa: ambos tinham sido jogadores medíocres antes de se tornarem técnicos, ambos eram austeros disciplinadores, ambos trabalhavam na base da honestidade e da franqueza, ambos exigiam poderes absolutos quando dirigiam um time de futebol. Havia, no entanto, uma diferença realmente significativa entre os dois técnicos: Flávio perdera a Copa do Mundo de 1950 enquanto Zezé, ao assumir o comando da Seleção, no Campeonato Pan-americano de 1952, no Chile, levara o futebol brasileiro a conquistar seu primeiro título no exterior.
Os preparativos para a Copa do Mundo de 1954 começaram com muita antecedência. Pouco antes da meia-noite do dia 25 de maio, num avião da Panair, seguia para a Suíça a primeira turma da delegação de 38 pessoas. Em 16 de julho, o Brasil finalmente estreava na quinta Copa do Mundo. Como acontecera em 1950, o primeiro adversário seria o México, do qual, com toda a razão, Zezé Moreira não tinha o menor receio. A Seleção Brasileira era realmente boa. Uma nova geração de craques substituíra, em alguns casos com vantagem, a geração que chegara ao fim quatro anos antes. Esta seleção, taticamente disciplinada, guardando-se cautelosamente na defesa para explorar os contra-ataques, bem ao gosto de Zezé, venceu a do México por 5 x 0, em Genebra.
Gastando energia O segundo jogo, em Lausanne, já não foi tão tranqüilo: empate de 1 x 1 com a sólida e bem treinada seleção da Iugoslávia, realizando-se em seguida uma prorrogação de 30 minutos. O sistema de disputa desta Copa era bem diferente da de 1950: os 16 finalistas divididos em quatro grupos de quatro; dentro do seu grupo, cada finalista jogava com apenas dois outros; contavam-se os pontos ganhos; e os dois primeiros colocados da chave passavam às quartas-de-final, das quais o campeonato prosseguia pelo sistema de eliminação direta.
Assim, Brasil e Iugoslávia, que haviam derrotado México e França nos jogos de estréia, necessitavam apenas do empate para se classificarem. Mas João Lira Filho, chefe da delegação que se gabava de ser uma autoridade em leis esportivas, simplesmente desconhecia o regulamento da Copa do Mundo. E os brasileiros, pensando que o empate não lhes servia, lutaram desesperadamente na prorrogação com os iugoslavos, por uma vitória desnecessária. Mas o empate permaneceu até o fim da prorrogação.
Nos outros grupos, não houve maiores surpresas. Inglaterra e Suíça passaram bem para as quartas-de-final, numa série de jogos em que a Itália decepcionara e a Bélgica pouco fizera de bom. Já o Uruguai justificava o respeito que todos lhe tinham ao obter o primeiro lugar do grupo, secundado pela Áustria. Mas a maior atração, mesmo, tinha sido a Hungria, líder do seu grupo, com duas arrasadoras goleadas: 9 x 0 na Coréia do Sul e 8 x 3 na Alemanha Ocidental. Sobre esta última, um detalhe: Seppe Herberger, o veterano e astucioso técnico alemão, sabendo que poderia classificar-se num jogo-desempate com a frágil Turquia, poupou vários titulares contra a Hungria, mandando a campo seus atléticos e violentos reservas. Um deles, Liebrich, acertara o tornozelo de Puskas.
Na tarde de quinta-feira, 24 de junho, enquanto Zezé e os dirigentes iam assistir ao sorteio que indicaria quem enfrentaria quem nas quartas-de-final, os jogadores permaneceram concentrados em Macolin. Já então dois sentimentos haviam se apoderado deles, ambos exagerados, ambos incutidos pelo comando da Seleção: o do machismo patriótico e o do medo. O primeiro devia-se à incandescência de alguns dirigentes que insistiam em fazer da Copa do Mundo uma espécie de prova à brasileira dos nossos craques (no fundo, eram ainda os efeitos da derrota de 1950). E o sentimento de medo decorria de tudo o que, àquela altura, já se dizia da Seleção Húngara. E se perdêssemos, qual a reação dos milhões de brasileiros que esperavam da nossa seleção a forra de 16 de julho? Os jogadores pensavam nisso quando Zezé chegou, pálido, a fisionomia preocupada, a voz grave, e confirmou, em tom quase trágico: "Sim, é contra a Hungria..."
Assim, em 27 de junho, brasileiros e húngaros travariam, no estádio Wankdorf, aquela que ficou conhecida como "a batalha de Berna". Os húngaros entraram em campo tranqüilos para enfrentar uma Seleção Brasileira de nervos arrasados. E acabaram vencendo por 4 x 2. Foi uma vitória discutida, alegaram os brasileiros, achando que o juiz inglês, Arthur Ellis, beneficiara a Seleção Húngara.
Uruguai, Alemanha Ocidental e Áustria foram os outros vencedores das quartas-de-final, eliminando, respectivamente, Inglaterra, Iugoslávia e Suíça. Nas semifinais, enquanto os alemães derrotavam os austríacos, Hungria e Uruguai disputavam, em Lausanne, a partida que a imprensa européia classificou de "a decisão moral da quinta Copa do Mundo". Uma inesquecível decisão moral, em que os húngaros - como sempre, até então - já venciam por 2 x 0 antes da metade do primeiro tempo. Mas, numa incrível reação, ditada por um entusiasmo poucas vezes visto num campo de futebol, a velha Celeste Olímpica chegava aos 2 x 2, no final do jogo. Na prorrogação - os uruguaios extenuados, os húngaros ainda inteiros - a Equipe de Ouro marcava mais dois gols e transformava-se não apenas numa das finalistas, mas na própria favorita ao título máximo da quinta Copa do Mundo.
A festa e o forno O jogo com os alemães não preocupava um único húngaro vivo. Desde sexta-feira, 2 de julho, a chuva caíra quase sem parar sobre Berna. Mas os húngaros viviam, com antecedência, em clima de festa. No entanto, na concentração, enquanto Puskas tinha o pé esquerdo enfiado no forno de Bier, Sandor Kocsis, goleador absoluto do campeonato, já com 11 gols marcados em quatro jogos, mostrava-se visivelmente mal-humorado - "Seria ótimo se Puskas pudesse jogar", disse ele a seu companheiro de quarto, Laszlo Budai.
Ferenc Puskas, major da Cavalaria Húngara, capitão da Equipe de Ouro, estrela maior de uma equipe fabulosa, peça mais valiosa da máquina de Gusztav Sebes, realmente jogou. E abriu o marcador. E deu o passe para Czibor marcar o segundo. Mas os 2 x 0 com que os húngaros viraram o primeiro tempo foram apenas uma ilusão. Seus jogadores - entre eles Puskas, mancando um pouco mas certo da vitória - já acenavam para suas esposas, agora sentadas nas tribunas especiais, quando, no segundo tempo, três gols alemães mudaram tudo. Três gols que premiavam uma inacreditável reação. Três gols que deram o título à Alemanha Ocidental e interromperam a longa série invicta da famosa Seleção Húngara.
Para muitos, foi a maior surpresa registrada numa final de qualquer torneio, campeonato ou taça já disputada em solo europeu. Mais que um punhado de craques, desaparecia ali, em campos suíços, todo um espírito. O futebol ofensivo vivera, naquela Copa, seu grande e derradeiro momento: 140 gols em 26 jogos, mais de cinco gols por jogo. Uma derrota do próprio futebol.
Artilheiro
Kocsis (Hungria), 11 gols
Nome completo: Sándor KocsisNascimento: 30 de setembro de 1929, em BudapesteClubes: KTC, Ferencváros, Honvéd, Young Fellows e Barcelona
Ao lado de Puskas, Bozsik, Hidegkuti e Czibor, formava a base da seleção da Hungria dos anos 50. Especialista no jogo aéreo, era chamado de "Cabeça de Ouro". Em 1956, após a invasão de Budapeste por parte de tropas soviéticas, Kocsis decidiu deixar seu país. Teve uma rápida passagem pela Suíça antes de ingressar no Barcelona, onde encerrou a carreira. Em 1978, um problema de irrigação sangüínea levou à amputação de uma de suas pernas. Pouco depois, teve diagnosticado um câncer. Suicidou-se jogando-se da janela de seu quarto no hospital.

BRASIL - 1950

Por: Yahoo! - Copa do Mundo 2006

As batalhas do Maracanã
Campeão:
Uruguai
Vice:
Brasil
Ficha técnica
Sede: BrasilPaíses inscritos: 13Participantes: 13Gols: 88Média de gols: 4Média de público: 60.773
Em 16 de julho, cumpria-se o último capítulo da história da quarta Copa do Mundo. Uma história que começara 12 anos antes, em 1938, quando o jornalista Célio de Barros, representando a CBD no congresso que a FIFA realizara em Paris, lançara oficialmente a candidatura do Brasil à organização da Copa do Mundo de 1942. Com a Alemanha fora de cogitação, o Brasil ficava como único candidato à organização da próxima Copa do Mundo, marcada de início para 1949 e um ano depois transferida para 1950.
Imediatamente, no Rio, os preparativos tiveram início. Um colossal estádio, nos terrenos do antigo Derby Club, teria de ser construído em tempo recorde: faltavam menos de dois anos para a abertura da Copa do Mundo quando a pedra fundamental do Maracanã foi lançada. Outros estádios - em São Paulo, Belo Horizonte, Porto Alegre, Curitiba e Recife - eram ampliados ou remodelados em poucos meses.
A quarta Copa do Mundo, se por um lado contava com duas presenças ilustres - o Uruguai, que depois de 20 anos voltava a lutar pela taça de ouro, e a Inglaterra, que finalmente se filiava à FIFA -, por outro se caracterizaria pela ausência de um punhado de países não menos ilustres. Hungria, Tchecoslováquia e Polônia nem chegaram a se inscrever. A Alemanha, arrasada pela guerra, não tinha sequer uma federação nacional. Na América do Sul, as desistências de Argentina, Peru e Equador reduziam de cinco para quatro os classificados nas eliminatórias continentais: Uruguai, Chile, Paraguai e Bolívia. Como resultado, não se conseguiu chegar aos 16 finalistas previstos.
Desde o início, embora entre os convocados estivessem os mais legítimos representantes de uma das mais brilhantes gerações de craques brasileiros, as atenções do torcedor se concentravam em um santista de 43 anos, alto, robusto, de bigodes espessos e poucos sorrisos, em cujas mãos parecia estar o próprio destino do Brasil naquela Copa do Mundo: o técnico Flávio Costa. Na época treinador do Vasco, era então um dos homens de maior prestígio no futebol brasileiro.
Começam as críticas A quarta Copa do Mundo começou fria. Conforme determinava o regulamento, os 13 finalistas foram divididos, por sorteio, em quatro grupos. Uma divisão técnica e aritmeticamente imperfeita, como se verá. O Comitê Organizador cometera a imprudência de confiar apenas no sorteio, em vez de adotar o critério semi-dirigido que prevaleceria nas Copas subseqüentes.
Assim, no Grupo l, ficaram Brasil, Iugoslávia, México e Suíça; no Grupo 2, Inglaterra, Espanha, Chile e Estados Unidos; no 3, Itália, Suécia e Paraguai; e, no 4, apenas Uruguai e Bolívia. Desse modo, enquanto o Brasil, ou a Espanha por exemplo, tinha de disputar três jogos para chegar ao turno final, o Uruguai não precisava de mais do que um - e assim mesmo com a modestíssima Bolívia. Mas, curiosamente, na época ninguém protestou.
Em 24 de junho, o jogo de abertura. Com todos os seus problemas, o Brasil não teve de se esforçar muito para impor-se ao México por 4 x 0. A goleada de estréia não deu para camuflar, aos olhos do torcedor, os defeitos da Seleção Brasileira. Muitos retoques tinham de ser feitos até que ela se tornasse uma equipe realmente capaz de chegar ao título. Por isso, o torcedor paulista que lotou o Pacaembu, naquela quarta-feira, 28 de junho, para ver diante da Suíça o segundo teste da Seleção, tinha motivos de sobra para desconfiar.
Habilmente, visando conquistar aquele torcedor exigente, Flávio fez radicais modificações na equipe. De saída, escalava toda a linha média que era uma espécie de espinha dorsal do São Paulo: Bauer, Rui e Noronha. E, no ataque, se mantinha Baltazar e Friaça em seus postos, mexia nas demais posições, passando Maneca para a meia direita, Ademir para a esquerda no lugar de Jair e - como que para provar aos paulistas que não estava errado na história do curinga - Alfredo II na ponta direita.
Foi um desastre. Onze jogadores que jamais - nem mesmo nos treinos experimentais de Araxá - tinham atuado juntos fatalmente não poderiam entender-se dentro do campo. E o Brasil, depois de virar o primeiro tempo vencendo 2 x 1, acabou esbarrando no ferrolho suíço durante todo o segundo tempo. O torcedor já se impacientava, ao ver o ataque brasileiro afunilar-se entre os beques adversários, e chegava mesmo a esboçar as primeiras vaias, quando, a dois minutos do fim, os suíços contra-atacaram e empataram o marcador.
A reação do torcedor foi de indignação. No Pacaembu, um grupo mais exaltado queimou uma bandeira da CBD. No Rio, em Belo Horizonte, em Porto Alegre, excomungava-se Flávio Costa, o homem que tivera quase quatro meses para armar uma grande seleção e que agora não fazia mais do que tatear, como um cego, as mil peças de um quebra-cabeças.
O intocável Bauer O jogo com a Iugoslávia, no sábado, 1º de julho, era decisivo. Os iugoslavos haviam derrotado sem dificuldade os suíços (3 x 0) e os mexicanos (4 x 1), de modo que, para eliminar os brasileiros e se classificar para o turno final, não precisavam nada mais que de um empate. O jogo seria no Maracanã. Flávio sabia que teria toda a torcida ao seu lado. Mas sabia, também, que aquela poderia ser sua última chance.
Conscientemente ou por acaso, o fato é que Flávio Costa acertou em cheio na escalação da equipe para o jogo que decidiu o Grupo 1. Com uma atuação quase perfeita - que fazia esquecer a má figura de três dias antes -, o Brasil venceu por 2 x 0, gols de Ademir e Zizinho, um em cada tempo. Depois da indefinição inicial, o Brasil não tinha encontrado apenas um time, mas também uma filosofia de jogo.
Uruguai, Suécia e Espanha foram os vencedores dos outros grupos. Como se esperava, os uruguaios passaram facilmente pelos bolivianos, massacrando-os por 8 x 0, em Belo Horizonte. Com essa única vitória - e quase sem suar a camisa - estavam no turno final. Os suecos, tendo pela frente a Itália e um Paraguai brioso, mas limitado, também se classificaram. Tinham uma equipe coesa, fisicamente bem preparada, com um jovem meia-esquerda - Nacka Skoglund, de 18 anos - que começava a pintar entre os craques do campeonato. Por último, os espanhóis, com uma das melhores seleções de toda a história do seu futebol, ficaram com a vaga que os experts europeus previam ser dos ingleses.
A vaga foi decidida no Maracanã - Espanha 1 x 0 Inglaterra -, mas o jogo que moralmente alijou "os reis do futebol" na Copa fora disputado três dias antes, em Belo Horizonte, com os Estados Unidos. Era justo esperar, naquele 29 de junho, no pequeno Estádio Independência, uma tempestade de gols ingleses nas redes do pobre goleiro americano Frank Borghi. Aos 37 minutos do primeiro tempo, Joe Gaetjens, cabeceando desajeitadamente uma bola centrada por Walter Bahr, marcou o que seria o gol único da partida: Estados Unidos 1 x 0 Inglaterra.
A Copa do Mundo, que começara fria, era uma sucessão de grandes emoções no seu turno final. No mesmo dia em que Espanha e Uruguai empatavam por 2 x 2, no Pacaembu, o Brasil partia firme para o título com uma goleada de 7 x 1 sobre a Suécia, no Maracanã. A seleção que vencera a Iugoslávia fora prudentemente mantida por Flávio Costa. E brindara sua torcida com um alegre show de gols, quatro deles de Ademir.
Mas o teste decisivo seria, mesmo, o segundo jogo, em 13 de julho, contra a Espanha. Pelo menos era o que se supunha. É bem possível que, naquela tarde, mais de 200 mil pessoas tenham ido ao Maracanã. Foi um jogo inesquecível. E os brasileiros acabaram conquistando uma histórica vitória por 6 x 1. Em termos de espetáculo, não faltara nada: gols sensacionais, dribles, passes, jogadas perfeitas. De Barbosa a Bigode, incluindo Augusto e Juvenal, uma defesa segura. Bauer e Danilo, uma extraordinária dupla de meio-campo. Zizinho, Ademir e Jair, três fantásticos atacantes.
Da noite de quarta à tarde de domingo, o coração do Brasil bateu em ritmo de festa. A última batalha da guerra seria travada em 16 de julho, com o Uruguai. E todo mundo reconhecia na Seleção Brasileira mais do que uma simples favorita. Para os 51 milhões de brasileiros - a população do país, segundo o censo de 1º de julho daquele ano -, a final seria mera formalidade.
Os jogadores, que até então tinham se concentrado no Joá, aguardavam a final nos alojamentos de São Januário, gentilmente cedidos pelo Vasco da Gama. Era ano de eleições. Já se dizia por toda parte que Flávio Costa teria sua candidatura a vereador lançada nos próximos dias por um partido importante. Mas, enquanto isso não acontecia, outros candidatos agiam. Enquanto isso, em seu quarto de hotel, Obdulio Varela dormia.
Uma tragédia não anunciadaNo dia seguinte, a grande final. Por volta de meio-dia, o Maracanã já estava literalmente lotado (nunca se soube ao certo quantas pessoas estiveram lá, mas não há dúvidas de que o total superou em muito o número oficial de 173.850). Na tribuna de honra, Jules Rimet olhava, um tanto espantado, para o homem alto, de careca reluzente e gestos largos, que empunhava o microfone para um eloqüente discurso antes do jogo. Era o prefeito Ângelo Mendes de Morais: "O governo municipal cumpriu o seu dever construindo o estádio que aí está. Agora, jogadores do Brasil, cumpri o vosso!"
O Brasil inteiro, como Obdulio Varela imaginara, estava ali, naquele estádio. Só que a festa não haveria de ser brasileira. Foi uma final disputadíssima, com um primeiro tempo nervoso, em que os donos da casa, mais ofensivos, tiveram duas excelentes oportunidades de gol. Contudo, desde o início se notara que, desta vez, Zizinho, Ademir e Jair teriam de jogar o dobro para vencer a sólida defesa uruguaia. Lá na frente, lançado sempre na base da velocidade, Ghiggia obrigava Bigode a fazer uma verdadeira ginástica para marcá-lo.
Depois do primeiro tempo sem gols, o Brasil, logo aos 2 minutos do segundo, acordou para o que se acreditava ser uma grande vitória. Friaça, ao receber um passe de Zizinho, bateu Rodríguez Andrade na corrida e chutou cruzado para vencer Máspoli. Todo o Brasil comemorou o gol, sofrido, suado, demorado, mas por fim conquistado.
Os uruguaios, porém, não se entregaram. Com a caracterísitica raça, empataram o jogo, aos 26 minutos: Obdulio Varela entregou a Ghiggia, este passou rápido por Bigode, foi até a linha de fundo e de lá cruzou para Schiaffino emendar de primeira, sem chance para Barbosa.
Faltavam apenas 10 minutos para acabar a partida quando Jules Rimet, recomendado a descer lentamente os lances de escada até o vestiário, deixou a tribuna de honra. Ao seu lado, além de delegados da FIFA e representantes do alto comando da CBD, iam meia dúzia de guardas armados com a missão de proteger a taça de ouro que Rimet levava nas mãos. Lentamente, a comitiva descia em direção ao campo.
Aos 36 minutos - os uruguaios se superando, os brasileiros sem saber se lutavam para manter o marcador ou se se lançavam à frente em busca do segundo gol - deu-se o lance capital do jogo. Mai uma vez acionado pela direita, Ghiggia ameaçou duas vezes passar por Bigode. O zagueiro brasileiro recuava, Ghiggia avançava. Nessa indecisão de Bigode, o jogador uruguaio correu finalmente até a linha de fundo. E, quando se esperava um novo passe para o centro da área, como no lance do primeiro gol, Ghiggia chutou mal, espirrado, torto. E a bola entrou sob o corpo de Barbosa.
O gol de Ghiggia foi recebido em silêncio por todo o estádio. No entanto, sua força fora tão grande, seu impacto de tal forma violento, que o gol, um simples gol, parecia dividir a vida do brasileiro em duas fases distintas: antes e depois dele. Em Montevidéu, dois uruguaios morreram de emoção ao ouvir pelo rádio aquele desfecho inesperado. Aqui, dois brasileiros também não resistiram: um deles foi traído pelo coração, no instante do gol de Ghiggia; outro, procurou a morte por conta própria, atirando-se, tão logo o jogo acabou, do alto da arquibancada para o pátio interno que circunda o estádio.
Eis o MaracanazoQuando Jules Rimet chegou ao campo, para entregar a taça de ouro ao grande capitão Augusto da Costa, não entendeu nada. O jogo já tinha acabado, mas não havia guardas enfileirados, equipes perfiladas, nada, enfim, do que estava previsto pelo cerimonial preparado por Mário Pollo. Com a taça de ouro nas mãos, Rimet via, atônito, um bando de jogadores de camisa azul-celeste saltando de alegria no campo: como vinte anos antes, o Uruguai era o campeão do mundo.
Enquanto os jogadores brasileiros deixavam, desolados, o campo em que haviam perdido a última batalha, Rimet, ainda sem saber ao certo o que tinha acontecido, sentiu a taça escapar-lhe bruscamente das mãos. Pensou em gritar, mas logo viu que os jogadores uruguaios a tinham levado para a tradicional volta olímpica. Depois, o próprio Obdulio Varela veio trazê-la a Rimet, para que o presidente da FIFA, então, a entregasse oficialmente a ele, el gran capitán. Era um uruguaio alto, forte, de cabelos crespos, sisudo e caladão, que tinha a camisa encharcada de suor, como se tivesse, mesmo, enfrentado e vencido um país inteiro.
Artilheiro

Ademir (Brasil), 9 gols
Nome completo: Ademir de MenezesNascimento: 8 de novembro de 1922, em RecifeClubes: Sport, Vasco e Fluminense
Por causa de seu maxilar avantajado, foi conhecido como "Queixada". Foi um dos principais jogadores do Brasil na década de 1940, liderando o "Expresso da Vitória", grande equipe do Vasco na época. Em 1946, o técnico Gentil Cardoso chegou ao Fluminense e disse: "Dêem-me o Ademir que eu lhes darei o título". O atacante foi contratado e o Tricolor ganhou o estadual daquele ano.

FRANÇA - 1938

Por: Yahoo! - Copa do Mundo 2006

Itália, a primeira bicampeã
Campeão:
Itália
Vice:
Hungria
Ficha técnica
Sede: FrançaPaíses inscritos: 36Participantes: 15Gols: 84Média de gols: 4,66Média de público: 20.829
Eram 17 horas de viagem de Bordeaux a Marselha, com o trem parando numa série de estaçõezinhas intermediárias. Os jogadores brasileiros - que horas antes tinham derrotado os tchecoslovacos numa difícil partida-desempate - dormiam aos solavancos. Leônidas, porém, passava a noite em claro, a perna estendida sobre a poltrona, enquanto Carlos Volante lhe aplicava compressas quentes sobre os músculos enrijecidos. Na verdade, toda a perna de Leônidas doía. O grande esforço que empregara nos três jogos que a Seleção Brasileira já disputara na terceira Copa do Mundo minara-lhe os músculos.
Dos 22 jogadores que o técnico Ademar Pimenta levara para a Europa, naquele verão de 1938, apenas ele, Leônidas, atuara nas três partidas. Agora, estava à beira de uma distensão. Naquele jogo, a Seleção Brasileira jogaria toda a sua sorte na terceira Copa do Mundo. Os italianos eram os campeões e favoritos ao bi. Vencê-los significaria a classificação brasileira à finalíssima. A ausência de Leônidas, porém, assumia aos olhos do técnico proporções de tragédia. Leônidas vinha sendo até ali a grande figura da Seleção, com seus dribles, seus deslocamentos, seus gols espetaculares.
Melindre uruguaio Toda a Europa já estava às vésperas de uma nova guerra. Meses antes da abertura da Copa, a Áustria fora anexada à Alemanha. A Espanha, grande adversária da Itália em 1934, estava às voltas com uma sangrenta guerra civil e não podia sequer pensar em futebol. Da América do Sul, chegavam notícias de mais dois lamentáveis boicotes: o Uruguai, melindrado ainda com o descaso europeu em 1930, e a Argentina, que não se conformara em ter perdido para a França o direito de abrigar a Copa de 1938. Graças à desistência argentina, o Brasil ficou automaticamente classificado para as oitavas-de-final na França.
A terceira Copa do Mundo foi, de fato, a primeira em que o Brasil figurou como uma seleção realmente representativa. A crise que desde a implantação do profissionalismo dividira o nosso futebol fora finalmente superada em 1937, quando América e Vasco, no Rio de Janeiro, lideraram um movimento para que a CBD e a Federação Brasileira de Futebol se dessem as mãos. O técnico escolhido foi Ademar Pimenta, que um ano antes já dirigira a Seleção no Campeonato Sul-americano ganho pelos argentinos.
A Seleção Brasileira chegou a Paris no dia 15 de maio. Ali, realizou alguns treinos e depois seguiu para Estrasburgo, local de estréia contra a Polônia, em 5 de junho. Para começar, Pimenta escalou um ataque inteiramente diferente do que vinha treinando como titular. Naquele domingo chuvoso, a Europa finalmente conhecia o nosso futebol. E começava a descobrir a arte de Leônidas da Silva.
Foi uma estréia difícil, com um primeiro tempo brasileiro e um segundo polonês. Depois de virar com uma vantagem de 3 x 1, gols de Leônidas, Romeu e Perácio, contra um de Willimoski, o Brasil cedeu terreno no tempo final e permitiu que a Polônia chegasse aos 4 x 4, Perácio marcando o nosso gol, Willimoski (dois) e Piontek o dos poloneses. Na prorrogação de 30 minutos, dois gols de Leônidas puseram o Brasil de novo na frente. Os poloneses ainda descontaram um, com Willimoski, mas foi só. Pela primeira vez, o Brasil estreava na Copa com uma vitória.
No mesmo dia em que o Brasil se impôs à Polônia, realizaram-se as demais partidas das oitavas-de-final, com Itália, França, Tchecoslováquia, Cuba, Suécia, Suíça e Hungria eliminando Noruega, Bélgica, Holanda, Romênia, Áustria, Alemanha e Índias Holandesas.
O jogo com a Tchecoslováquia, em 12 de junho, na cidade de Bordeaux, foi um emocionante duelo de técnica e força, no qual os brasileiros, depois de marcarem o primeiro gol - mais uma vez Leônidas -, não resistiram ao futebol duro, por vezes violento, dos tchecoslovacos, e cederam o empate num pênalti de Domingos da Guia em Simunek, cobrado por Nejedly. Nos 30 minutos de prorrogação, manteve-se o empate de 1 x 1, com Planicka, extraordinário goleiro, fechando o gol mesmo depois de ter sofrido um choque com o tanque Perácio e deslocado a clavícula. Usando um braço só, Planicka foi o herói do jogo.
Brasil na semifinal Dois dias depois, ainda em Bordeaux, a partida-desempate. Pimenta sabia que seus jogadores, após os 120 minutos disputados no jogo anterior, estavam esgotados. Por isso ousou mandar a campo todo o time reserva, permanecendo apenas Válter e Leônidas. No entanto, essa decisão, que de início parecia arriscada, levaria o Brasil à vitória, já que o chamado time reserva tinha uma defesa tão boa quanto a titular e, ainda por cima, contava com atacantes em ótima forma, como Roberto, Luisinho, Patesko e, afinal, Tim.
O primeiro tempo - que terminara com os tchecoslovacos vencendo por 1 x 0 - dera para assustar Pimenta. No segundo tempo, a reação: Leônidas empatou, cabendo a Roberto, um ponta-direita do modesto São Cristóvão carioca, clube de Pimenta, marcar o gol que levaria o Brasil à vitória por 2 x 1. Brasil, Itália, Hungria e Suécia passavam às semifinais. Depois das 17 horas de viagem de Bordeaux a Marselha, local do jogo com os italianos, Pimenta tinha motivos de sobra para estar pessimista: Leônidas era um terrível desfalque.
Na véspera do jogo, marcado para o dia 16 de junho, sabia-se que o técnico tinha opções para formar o ataque sem Leônidas. A mais lógica - a simples substituição de Leônidas por seu suplente, o mineiro Niginho - seria, porém, descartada por Castelo Branco. "Estou informado de que, se Niginho entrar, os italianos vão protestar junto à FIFA e exigir nossa eliminação da Copa. Os italianos alegam que a situação de Niginho não é legal. Ele ainda tem um contrato assinado com a Lazio. Acho melhor não nos arriscarmos", disse o chefe da delegação, sobre o jogador, que em 1937, mandara às favas o contrato que o prendia ao clube italiano e tomara um navio de volta ao Brasil.
Derrota inevitável "De todos os jogadores que tenho aqui, exceto Leônidas e Niginho, o único que já jogou de centroavante é o Romeu." Baseado neste raciocínio simplista, o técnico preferiu deslocar Romeu para o centro, fazendo entrar Luisinho na meia direita.
A semifinal com a Itália entrou para a história do nosso futebol pela ausência de Leônidas, pelos equívocos de Pimenta, pelas discussões que se criaram em torno da arbitragem do suíço Wuthrich e pela decepção sofrida por milhões de brasileiros que a acompanharam pelo rádio, no relato vibrante do locutor Gagliano Neto. Os italianos foram muito melhores no primeiro tempo. No segundo, logo aos 11 minutos, os italianos marcaram, em jogada individual de Colaussi pela esquerda.
Estranhamente, porém, os brasileiros vinham atuando melhor, equilibrando as ações no meio-campo, cavando as primeiras investidas à área italiana. Foi então que ocorreu o lance mais discutido do jogo: a troca de pontapés entre Domingos da Guia e Piola, com a marcação de pênalti contra o Brasil. Aos 15 minutos, Meazza convertia o pênalti em gol. Inconformados com a sorte e sem ânimo para buscar a reação, os brasileiros praticamente entregaram o jogo ali. No final, já aos 41 minutos, Romeu ainda fez um gol. Mas era tarde demais. Três dias depois, novamente em Bordeaux, a nossa Seleção venceria a da Suécia por 4 x 2, na disputa do terceiro lugar. Já recuperado, Leônidas reaparecia no melhor da sua forma e marcava dois gols.
Conquista merecida Para desapontamento dos franceses, que haviam planejado outro final de festa, a taça ficaria mesmo nas mãos dos italianos. Com uma seleção mais técnica, mais harmoniosa, mais à altura de um título mundial, Vittorio Pozzo conseguira levar seus comandados a um triunfo de 4 x 2, na final com a Hungria. Desta vez, ninguém punha em dúvida os méritos da conquista. Ninguém - exceto, é claro, os que ficavam imaginando o que seria aquela semifinal em Marselha, se Ademar Pimenta tivesse podido contar com o seu "Diamante Negro".
Artilheiro
Leônidas (Brasil), 7 gols
Nome completo: Leônidas da SilvaNascimento: 6 de setembro de 1913, no Rio de JaneiroClubes: Bonsucesso, Peñarol-URU, Vasco, Botafogo, Flamengo e São Paulo
Rápido, ágil, habilidoso e oportunista, é considerado até hoje um dos maiores atacantes do futebol brasileiro em todos os tempos. Seu apelido, "Diamante Negro", foi utilizado para nomear um chocolate. No Brasil, Leônidas também é conhecido como inventor da bicicleta, façanha contestada em outros países.
Veja os artilheiros de todas as Copas

ITÁLIA - 1934

Por: Yahoo! - Copa do Mundo 2006

Uma festa para o Duce
Campeão:
Itália
Vice:
Tchecoslováquia
Ficha técnica
Sede: ItáliaPaíses inscritos: 32Participantes: 16Gols: 70Média de gols: 4,11Média de público: 23.235
A segunda Copa do Mundo, ao contrário da primeira, teve realmente uma dimensão mundial. Trinta e dois países, de todos os continentes, se inscreveram. Das chamadas grandes potências do futebol, apenas a Inglaterra esteve ausente. Mas a segunda Copa do Mundo, pelo menos num ponto, foi muito semelhante à primeira: também nela o Brasil não esteve representado pelo que havia de melhor em seu futebol. E mais uma vez o motivo foi uma crise interna.
Um ano antes, a implantação do regime profissional no Rio de Janeiro e em São Paulo dividira o nosso futebol: de um lado, fiel ao amadorismo, a CBD; do outro, adepta do novo regime, a Federação Brasileira de Futebol (FBF). A esta última estavam filiados os principais clubes cariocas e paulistas - e, conseqüentemente, os melhores jogadores do país. Mas a FIFA não reconhecia a Federação Brasileira de Futebol e, sim, a CBD, à qual caberia convocar e mandar nossa seleção à Copa.
Mesmo com as dificuldades para formar um grupo, desta vez, pelo menos, a Seleção Brasileira tinha um técnico: Luís Vinhais. E um chefe de delegação bem menos desligado do futebol: Lourival Fontes. Carlito Rocha, que convocou os jogadores, viajou como juiz e delegado. Francisco de Paula Job, como tesoureiro. José Caribé da Rocha, como jornalista. Os cinco, mais os dezesseis jogadores, embarcaram ao meio-dia de 12 de maio, pelo Conte Biancamano, para uma desconfortável e monótona viagem até o porto italiano de Gênova.
Copa do mata-mata O Mundial de 1934 foi a primeiro em que se tornou necessária uma fase eliminatória: eram 32 países inscritos para apenas 16 finalistas. O Brasil, diante da desistência do Peru, com quem deveria ter jogado num dos grupos sul-americanos, garantiu automaticamente sua ida à Itália. A partir das oitavas-de-final, os 16 finalistas decidiam sua sorte na base do tudo ou nada, isto é, os vencedores iam passando à etapa seguinte enquanto os perdedores eram sumariamente desclassificados. Em tal sistema de disputa, a Seleção Brasileira sabia que cada jogo era, por si só, uma decisão. Uma decisão que ela, inexperiente, não estava preparada para enfrentar. E isso ficou claro logo no primeiro tempo da estréia.
Os espanhóis tinham um excelente time. Zamora não era apenas um goleiro excepcional, mas o maior que a Europa conhecera até então. Quincoces, um zagueiro ágil e vigoroso. Muguerza, Lecue, Garostiza e Lafuente, ótimos controladores de bola. Langara, um goleador. Foi um jogo repleto de lances emocionantes, mas nem por isso difícil para os espanhóis, que no primeiro tempo venciam por 2 x 0, gols de Irardgorri, de pênalti, e Langara. No início do segundo tempo, Leônidas da Silva, em jogada individual, conseguia descontar, mas o mesmo Langara, 10 minutos depois, estabelecia o escore final de 3 x 1.
A passagem brasileira pela 2ª Copa do Mundo foi tão discreta que quase ninguém notou quando a Seleção Brasileira deixou a Itália para uma excursão arranjada às pressas, com jogos em Belgrado, Zagreb, Barcelona, Lisboa e Porto (duas vitórias, duas derrotas e quatro empates, num total de oito jogos com seleções locais).
Fascismo em campo As oitavas-de-final cumpriam-se todas no dia 27 de maio. A Itália, sob o comando de Vittorio Pozzo e reforçada por vários oriundi (entre eles os argentinos Monti, Guaita e Orsi, e os brasileiros De Maria e Filó, ambos ex-corintianos e o último conhecido lá pelo sobrenome Guarisi), era uma das atrações da primeira rodada. Na véspera da estréia contra os Estados Unidos, em Roma, o técnico e os jogadores ouviram o veemente discurso a eles dirigido pelo general Giorgio Vaccaro, membro da milizia, a quem o próprio Benito Mussolini, o Duce, indicara para presidir a Federação Italiana: "O principal objetivo deste campeonato é demonstrar que o esporte fascista é movido por um grande idealismo, manifestado pela responsabilidade dos seus dirigentes e pela maturidade do seu povo, sob a inspiração do Duce."
A Copa do Mundo de 1934 seria, assim, para a Itália fascista de Mussolini, o que os Jogos Olímpicos de 1936 haveriam de ser para a Alemanha nazista de Hitler, um meio de afirmar a superioridade de um país, de um regime, de uma raça, sobre todos os outros povos do mundo. Pozzo e seus jogadores sabiam disso. Por isso, dedicaram a Mussolini sua primeira vitória: uma goleada de 7 x 1, que os críticos atribuíam muito mais à fragilidade dos norte-americanos (cuja seleção era bem inferior à que se apresentara quatro anos antes em Montevidéu) do que propriamente às virtudes dos italianos.
A opinião geral, aliás, era de que a equipe da casa, a dona da festa, a Squadra Azzurra de Pozzo, tinha pelo menos duas adversárias mais fortes do que ela na luta pela taça de ouro, já que o Uruguai - ainda sentido com a ausência italiana em 1930 - não mandara seus campeões à Itália em 1934. E as duas adversárias mais fortes eram exatamente as próximas que o time do Duce teria pela frente: a Espanha e a Áustria.
Além da Itália e da Espanha, mais seis equipes haviam se classificado nas oitavas-de-final: Tchecoslováquia, Alemanha, Áustria, Suíça, Hungria e Suécia, por terem eliminado, respectivamente, Romênia, Bélgica, França, Holanda, Egito e Argentina (também com uma crise em seu futebol e que, por isso, não mandara uma boa seleção à Itália).
Nas quartas-de-final - enquanto a Alemanha vencia a Suécia; a Áustria, a Hungria; e a Tchecoslováquia, a Suíça -, Itália e Espanha disputavam uma das mais dramáticas partidas da história. Na verdade, foram dois jogos: empate no primeiro, empate na prorrogação de meia hora e vitória italiana no segundo. Foram, ao todo, 210 minutos de muita luta, muita violência e muita confusão. Os espanhóis foram tão massacrados na primeira partida que sete dos seus titulares, entre eles o grande Zamora e o goleador Langara, não puderam atuar na segunda. E mesmo assim, para chegarem à vitória, os italianos tiveram de contar com um discutido gol de Meazza, que teria ajeitado a bola com a mão antes de vencer Noguet, o goleiro reserva espanhol.
Nas semifinais, na mesma tarde em que a Tchecoslováquia derrotava a Alemanha, as seleções da Itália e da Áustria faziam a que foi considerada a ‘‘decisão antecipada’‘ da Copa. Os austríacos tinham uma equipe maravilhosa, eram chamados de Wunderteam, e contavam com uma entusiasmada torcida que chegara a Milão na véspera da partida. Mas os austríacos, embora jogassem bem, perderam por 1 x 0, gol do ítalo-argentino Guaita.
A final, disputada em 10 de junho, em Roma, não foi, porém, um mero cumprimento de tabela, um simples desfecho de festa para os italianos. Eles sofreram, e muito, para chegarem aos 2 x 1 sobre a Tchecoslováquia. Na tribuna de honra, Mussolini estava nervoso. E nervosos, também, estavam os jogadores. Após 90 minutos do que eles supunham ser uma final fácil, o empate de 1 x 1 tornava necessária a prorrogação de meia hora. Nela, somente nela, veio a vitória final, graças a um gol de Schiavo. A Itália era campeã do mundo. Nada mais natural que aquela comemoração toda, no centro do campo, onde jogadores se abraçavam e abraçavam Vittorio Pozzo.
Durante três meses, presos a uma disciplina de caserna, sem poderem ao menos sair para ver a família, eles não haviam feito outra coisa senão pensar na taça de ouro. Agora, seriam tratados como heróis nacionais.
Artilheiro
Nejedly (Tchecoslováquia), 5 gols
Nome completo: Ildrich NejedlyNascimento: 13 de dezembro de 1909, em PragaClubes: Sparta Praga
Centroavante técnico, mas que sabia utilizar seu porte físico; jogou 44 vezes pela seleção da Tchecoslováquia, incluindo as Copas de 1934 e 1938. Defendeu apenas um clube durante toda sua carreira e é o terceiro maior artilheiro da história da seleção tchecoslovaca.
Veja os artilheiros de todas as Copas

URUGUAI - 1930

Por: Yahoo! Esportes - Copa do Mundo 2006

A 1ª Copa do Mundo
Campeão:
Uruguai
Vice:
Argentina
Ficha técnica
Sede:UruguaiPaíses inscritos: 13Participantes: 13Gols: 70Média de gols: 3,88Média de público: 24.139
Para todo o Uruguai, a primeira Copa do Mundo foi uma sucessão de incertezas. Dois meses antes da data marcada para a abertura oficial, nenhuma seleção européia havia confirmado sua participação. Pelo contrário, as únicas informações que a Associação Uruguaia de Futebol havia recebido do outro lado do Atlântico eram de que Itália, Espanha, Áustria, Hungria, Tchecoslováquia, Alemanha e Suíça definitivamente não viriam a Montevidéu.
As explicações eram sempre as mesmas: para se mandar uma seleção de futebol à América do Sul gastavam-se 15 dias para ir, 15 para voltar, mais 20 para a disputa do campeonato, o que significava uma ausência de quase dois meses. Diante disso, os uruguaios começavam a temer pelo êxito da sua grande festa. A certa altura, chegaram mesmo a pensar em declarar guerra ao futebol europeu e liderar um movimento para fundar uma outra federação, espécie de FIFA latino-americana, dissidente daquela que Jules Rimet presidia. Mas não levaram a idéia avante. O próprio Jules Rimet se encarregou de fazer tudo para que sua França se inscrevesse. Depois de tal iniciativa, a Europa, pelo menos, pôde contar com quatro representantes na Copa: França, Iugoslávia, Bélgica e Romênia.
Brasil sem técnico Alheio a todos esses problemas dos seus vizinhos do Prata, o Brasil vivia, longe dali, seus próprios dramas. Desde que a realização da primeira Copa do Mundo fora confirmada, a Confederação Brasileira de Desportos (CBD) fez questão de se incluir entre as primeiras a garantir sua presença. Em 3 de maio de 1930, em ofício assinado por seu presidente, Renato Pacheco, a CBD enviava à Associação Paulista de Esportes Atléticos (APEA) uma lista de jogadores convocados para a Seleção Brasileira. Entre eles, o que havia de melhor no futebol paulista: Friedenreich, Frané, Amílcar Barbury, Heitor, Del Debbio, Filó, Clodô, De Maria, Feitiço, Athiê Jorge Curi, Petronilho de Brito, Araken Patusca.
Mas a APEA não gostou. Concordava com os nomes convocados, mas não com a comissão nomeada pela CBD para fazer a convocação: Píndaro de Carvalho, Gilberto de Almeida Rego e Egas de Mendonça, três cariocas. E por que não incluir entre os membros da comissão pelo menos um representante paulista? A APEA exigia o representante paulista, a CBD firmava pé nos três cariocas e a questão se estendeu em demoradas polêmicas pelos jornais. Finalmente, em 12 de junho, a menos de um mês da abertura da Copa, a APEA comunicou à CBD que não cederia seus jogadores à Seleção. Resultado: a CBD convocou 20 cariocas, mais Poli, de Campos (RJ), e guardou a 22ª vaga para Araken Patusca, que, depois de brigar com seu clube, o Santos, prometera a Renato Pacheco furar o boicote paulista.
Embora improvisada, inexperiente e sem refletir o bom nível técnico que o nosso futebol já atingira em 1930, a Seleção Brasileira chegou a Montevidéu com alguns trunfos, embora não tivesse treinador. Um deles, Fausto dos Santos, centro-médio e líder, então despontando para uma das mais curtas e brilhantes carreiras de todo o futebol brasileiro. Outro, Preguinho, atleta completo, jogador inteligente. Outros mais, Russinho, um atacante cheio de malícia, e Carvalho Leite, um tanque cheio de coragem. E o próprio Araken, excelente no drible.
Surpresa americana Como o número de participantes era de apenas 13, e não 16 como se pretendia, o campeonato não foi disputado pelo sistema eliminatório, mas com os times divididos em quatro grupos, cujos vencedores seriam, automaticamente, semifinalistas. No Grupo 1, com uma seleção bem mais forte do que a que decidira com o Uruguai o título olímpico de 1928, a Argentina se impôs, com categoria, à França, ao Chile e ao México. No Grupo 3, após um começo muito nervoso, naquele jogo decidido num gol de Castro, o Uruguai passou fácil pela Romênia e se classificou.
No Grupo 4, os Estados Unidos, que haviam fracassado em todos os torneios olímpicos anteriores e eram incluídos entre os outsiders da Copa, surpreendiam com uma equipe em que figuravam vários profissionais escoceses e ingleses naturalizados americanos, todos sob o comando do competente Jack Coll. Sua classificação, em duas vitórias sobre o Paraguai e a Bélgica, foi merecida.
No Grupo 2, o Brasil. Em 14 de julho, a seleção escalada por Píndaro de Carvalho e Gilberto de Almeida Rego pisava o campo encharcado do Parque Central para enfrentar a da Iugoslávia. Fazia um frio de quase zero grau, os brasileiros batendo o queixo, os iugoslavos seguros de si. Aqui o depoimento de Preguinho: "Nossa seleção era tão boa quanto a deles, mas não tivemos sorte. Para começar, não esperávamos tanto frio. E os iugoslavos, em dois contra-ataques, ganharam o jogo." Os dois contra-ataques a que Preguinho se refere ocorreram ainda no primeiro tempo, de modo que os iugoslavos viraram com uma vantagem de 2 x 0. No intervalo, os brasileiros sentiam-se congelados. Tanto que se aqueceram com cobertores no vestiário. No segundo tempo, jogando bem melhor, a Seleção Brasileira conseguiu um gol, aos 16 minutos, de Preguinho. Mas ficou mesmo no 2 x 1, resultado praticamente eliminatório.
Quando o Brasil jogou com a Bolívia, em 20 de julho, no Estádio Centenário, já estava eliminado: os iugoslavos, ao derrotarem os bolivianos, três dias antes, tinham garantido a passagem para as semifinais. De qualquer forma, aquela segunda e última partida brasileira na Copa serviu para diminuir um pouco a tristeza causada pela má estréia: 4 x 0 foi o resultado final, com dois gols de Preguinho e dois de Moderato.
As semifinais Uruguai e Argentina derrotando, respectivamente, Iugoslávia e Estados Unidos - foram duas perfeitas premières para a grande final. Nelas, uruguaios e argentinos haviam deixado mais que provado que eram, de longe, os melhores entre os 13 participantes. E mais: com goleadas traduzidas em números absolutamente iguais (6 x 1), tinham não apenas arrasado seus temíveis adversários como também acentuado ainda mais o equilíbrio entre as suas seleções.
Por três dias, em Montevidéu e em Buenos Aires, não se falou em outra coisa. Uruguaios e argentinos viviam, pensavam, respiravam futebol. Na véspera do jogo, as barcas cruzavam o Prata cheias de argentinos inflamados, a agitar bandeiras, a cantar canções patrióticas, a exibir faixas pintadas em azul e branco: "Argentina si, Uruguai no!" No outro lado, a confusão era ainda maior. Hotéis lotados, ingressos nas mãos dos cambistas, discussões e até brigas que surgiam aqui e ali.
El Manco, o herói Foi de fato uma grande e emocionante final. Oitenta mil pessoas lotaram o Centenário. Os uruguaios conseguiram o primeiro gol logo aos 12 minutos, quando Castro deu um passe na medida para Dorado completar. Mas a alegria não duraria muito: oito minutos depois, Peucelle empataria. Inspirados no futebol de Luis Monti, nas avançadas dos laterais Juan Evaristo e Pedro Suárez, nas jogadas ofensivas de Peucelle, Varallo e Evaristo, os argentinos passaram a dominar o jogo. Aos 37 minutos, Stabile, o goleador do campeonato, desempatou. E o primeiro tempo chegou ao fim com os uruguaios perdendo de 2 x 1.
Foi espantosa a reação uruguaia na etapa final. Aos 12 minutos, caído, após ter driblado Paternoster e Della Torre, Cea empatou. Aos 23, num chute de fora da área, Iriarte pôs o Uruguai novamente em vantagem. Um gol que levava um país inteiro ao delírio. Mas o jogo ainda não estava decidido. Faltavam 22 minutos, tempo de sobra para os argentinos mudarem novamente o marcador. E, de fato, seguiu-se uma terrível pressão argentina sobre a área uruguaia. O Uruguai vivia momentos de sofrida espera quando, num contra-ataque, Dorado centrou da direita, pelo alto.
O grandalhão Della Torre e o miúdo Castro saltaram, mas Castro, El Manco Castro, que fora um dos gigantes daquela final, saltou tão mais alto que parecia ter molas sob os pés. Com uma cabeçada precisa, mandou a bola às redes. Era o quarto gol. Um minuto depois, o jogo acabava. E o Uruguai conquistava a taça Jules Rimet. Risos, abraços, lágrimas, a emoção tomava conta da Celeste Olímpica e dos milhares de uruguaios que transbordavam pelo Estádio Centenário.
Artilheiro
Stabile (Argentina), 8 gols
Nome completo: Guillermo StabileNascimento: 17 de janeiro de 1906, em Buenos AiresClubes: Huracán, Genoa-ITA, Napoli-ITA e Red Star-FRA
Tinha por característica entrar no meio das defesas adversárias sem perder o domínio da bola, o que lhe valeu o apelido de “Infiltrador”. Depois do Mundial, o atacante se transferiu ao Genoa. Em 1940, se tornou técnico da seleção argentina, cargo que manteve até 1958, após a péssima campanha da seleção na Copa da Suécia.

Veja os artilheiros de todas as Copas

Fonte: Yahoo! Esportes - Copa do Mundo 2006


URUGUAI - 1930
Outras Copas 1930 1934 1938 1950 1954 1958 1962 1966 1970 1974 1978 1982 1986 1990 1994 1998 2002
A 1ª Copa do Mundo
Campeão:
Uruguai
Vice:
Argentina
Ficha técnica
Sede:UruguaiPaíses inscritos: 13Participantes: 13Gols: 70Média de gols: 3,88Média de público: 24.139
Para todo o Uruguai, a primeira Copa do Mundo foi uma sucessão de incertezas. Dois meses antes da data marcada para a abertura oficial, nenhuma seleção européia havia confirmado sua participação. Pelo contrário, as únicas informações que a Associação Uruguaia de Futebol havia recebido do outro lado do Atlântico eram de que Itália, Espanha, Áustria, Hungria, Tchecoslováquia, Alemanha e Suíça definitivamente não viriam a Montevidéu.
As explicações eram sempre as mesmas: para se mandar uma seleção de futebol à América do Sul gastavam-se 15 dias para ir, 15 para voltar, mais 20 para a disputa do campeonato, o que significava uma ausência de quase dois meses. Diante disso, os uruguaios começavam a temer pelo êxito da sua grande festa. A certa altura, chegaram mesmo a pensar em declarar guerra ao futebol europeu e liderar um movimento para fundar uma outra federação, espécie de FIFA latino-americana, dissidente daquela que Jules Rimet presidia. Mas não levaram a idéia avante. O próprio Jules Rimet se encarregou de fazer tudo para que sua França se inscrevesse. Depois de tal iniciativa, a Europa, pelo menos, pôde contar com quatro representantes na Copa: França, Iugoslávia, Bélgica e Romênia.
Brasil sem técnico Alheio a todos esses problemas dos seus vizinhos do Prata, o Brasil vivia, longe dali, seus próprios dramas. Desde que a realização da primeira Copa do Mundo fora confirmada, a Confederação Brasileira de Desportos (CBD) fez questão de se incluir entre as primeiras a garantir sua presença. Em 3 de maio de 1930, em ofício assinado por seu presidente, Renato Pacheco, a CBD enviava à Associação Paulista de Esportes Atléticos (APEA) uma lista de jogadores convocados para a Seleção Brasileira. Entre eles, o que havia de melhor no futebol paulista: Friedenreich, Frané, Amílcar Barbury, Heitor, Del Debbio, Filó, Clodô, De Maria, Feitiço, Athiê Jorge Curi, Petronilho de Brito, Araken Patusca.
Mas a APEA não gostou. Concordava com os nomes convocados, mas não com a comissão nomeada pela CBD para fazer a convocação: Píndaro de Carvalho, Gilberto de Almeida Rego e Egas de Mendonça, três cariocas. E por que não incluir entre os membros da comissão pelo menos um representante paulista? A APEA exigia o representante paulista, a CBD firmava pé nos três cariocas e a questão se estendeu em demoradas polêmicas pelos jornais. Finalmente, em 12 de junho, a menos de um mês da abertura da Copa, a APEA comunicou à CBD que não cederia seus jogadores à Seleção. Resultado: a CBD convocou 20 cariocas, mais Poli, de Campos (RJ), e guardou a 22ª vaga para Araken Patusca, que, depois de brigar com seu clube, o Santos, prometera a Renato Pacheco furar o boicote paulista.
Embora improvisada, inexperiente e sem refletir o bom nível técnico que o nosso futebol já atingira em 1930, a Seleção Brasileira chegou a Montevidéu com alguns trunfos, embora não tivesse treinador. Um deles, Fausto dos Santos, centro-médio e líder, então despontando para uma das mais curtas e brilhantes carreiras de todo o futebol brasileiro. Outro, Preguinho, atleta completo, jogador inteligente. Outros mais, Russinho, um atacante cheio de malícia, e Carvalho Leite, um tanque cheio de coragem. E o próprio Araken, excelente no drible.
Surpresa americana Como o número de participantes era de apenas 13, e não 16 como se pretendia, o campeonato não foi disputado pelo sistema eliminatório, mas com os times divididos em quatro grupos, cujos vencedores seriam, automaticamente, semifinalistas. No Grupo 1, com uma seleção bem mais forte do que a que decidira com o Uruguai o título olímpico de 1928, a Argentina se impôs, com categoria, à França, ao Chile e ao México. No Grupo 3, após um começo muito nervoso, naquele jogo decidido num gol de Castro, o Uruguai passou fácil pela Romênia e se classificou.
No Grupo 4, os Estados Unidos, que haviam fracassado em todos os torneios olímpicos anteriores e eram incluídos entre os outsiders da Copa, surpreendiam com uma equipe em que figuravam vários profissionais escoceses e ingleses naturalizados americanos, todos sob o comando do competente Jack Coll. Sua classificação, em duas vitórias sobre o Paraguai e a Bélgica, foi merecida.
No Grupo 2, o Brasil. Em 14 de julho, a seleção escalada por Píndaro de Carvalho e Gilberto de Almeida Rego pisava o campo encharcado do Parque Central para enfrentar a da Iugoslávia. Fazia um frio de quase zero grau, os brasileiros batendo o queixo, os iugoslavos seguros de si. Aqui o depoimento de Preguinho: "Nossa seleção era tão boa quanto a deles, mas não tivemos sorte. Para começar, não esperávamos tanto frio. E os iugoslavos, em dois contra-ataques, ganharam o jogo." Os dois contra-ataques a que Preguinho se refere ocorreram ainda no primeiro tempo, de modo que os iugoslavos viraram com uma vantagem de 2 x 0. No intervalo, os brasileiros sentiam-se congelados. Tanto que se aqueceram com cobertores no vestiário. No segundo tempo, jogando bem melhor, a Seleção Brasileira conseguiu um gol, aos 16 minutos, de Preguinho. Mas ficou mesmo no 2 x 1, resultado praticamente eliminatório.
Quando o Brasil jogou com a Bolívia, em 20 de julho, no Estádio Centenário, já estava eliminado: os iugoslavos, ao derrotarem os bolivianos, três dias antes, tinham garantido a passagem para as semifinais. De qualquer forma, aquela segunda e última partida brasileira na Copa serviu para diminuir um pouco a tristeza causada pela má estréia: 4 x 0 foi o resultado final, com dois gols de Preguinho e dois de Moderato.
As semifinais Uruguai e Argentina derrotando, respectivamente, Iugoslávia e Estados Unidos - foram duas perfeitas premières para a grande final. Nelas, uruguaios e argentinos haviam deixado mais que provado que eram, de longe, os melhores entre os 13 participantes. E mais: com goleadas traduzidas em números absolutamente iguais (6 x 1), tinham não apenas arrasado seus temíveis adversários como também acentuado ainda mais o equilíbrio entre as suas seleções.
Por três dias, em Montevidéu e em Buenos Aires, não se falou em outra coisa. Uruguaios e argentinos viviam, pensavam, respiravam futebol. Na véspera do jogo, as barcas cruzavam o Prata cheias de argentinos inflamados, a agitar bandeiras, a cantar canções patrióticas, a exibir faixas pintadas em azul e branco: "Argentina si, Uruguai no!" No outro lado, a confusão era ainda maior. Hotéis lotados, ingressos nas mãos dos cambistas, discussões e até brigas que surgiam aqui e ali.
El Manco, o herói Foi de fato uma grande e emocionante final. Oitenta mil pessoas lotaram o Centenário. Os uruguaios conseguiram o primeiro gol logo aos 12 minutos, quando Castro deu um passe na medida para Dorado completar. Mas a alegria não duraria muito: oito minutos depois, Peucelle empataria. Inspirados no futebol de Luis Monti, nas avançadas dos laterais Juan Evaristo e Pedro Suárez, nas jogadas ofensivas de Peucelle, Varallo e Evaristo, os argentinos passaram a dominar o jogo. Aos 37 minutos, Stabile, o goleador do campeonato, desempatou. E o primeiro tempo chegou ao fim com os uruguaios perdendo de 2 x 1.
Foi espantosa a reação uruguaia na etapa final. Aos 12 minutos, caído, após ter driblado Paternoster e Della Torre, Cea empatou. Aos 23, num chute de fora da área, Iriarte pôs o Uruguai novamente em vantagem. Um gol que levava um país inteiro ao delírio. Mas o jogo ainda não estava decidido. Faltavam 22 minutos, tempo de sobra para os argentinos mudarem novamente o marcador. E, de fato, seguiu-se uma terrível pressão argentina sobre a área uruguaia. O Uruguai vivia momentos de sofrida espera quando, num contra-ataque, Dorado centrou da direita, pelo alto.
O grandalhão Della Torre e o miúdo Castro saltaram, mas Castro, El Manco Castro, que fora um dos gigantes daquela final, saltou tão mais alto que parecia ter molas sob os pés. Com uma cabeçada precisa, mandou a bola às redes. Era o quarto gol. Um minuto depois, o jogo acabava. E o Uruguai conquistava a taça Jules Rimet. Risos, abraços, lágrimas, a emoção tomava conta da Celeste Olímpica e dos milhares de uruguaios que transbordavam pelo Estádio Centenário.
Artilheiro
Stabile (Argentina), 8 gols
Nome completo: Guillermo StabileNascimento: 17 de janeiro de 1906, em Buenos AiresClubes: Huracán, Genoa-ITA, Napoli-ITA e Red Star-FRA
Tinha por característica entrar no meio das defesas adversárias sem perder o domínio da bola, o que lhe valeu o apelido de “Infiltrador”. Depois do Mundial, o atacante se transferiu ao Genoa. Em 1940, se tornou técnico da seleção argentina, cargo que manteve até 1958, após a péssima campanha da seleção na Copa da Suécia.

segunda-feira, maio 29, 2006

Compra de voto será mais “escondida”

Por: Gazeta de Alagoas

O professor de Ciências Sociais da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), Alberto Saldanha, também acredita que as medidas implementadas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) não serão capazes de coibir a prática do caixa 2. Na opinião de Saldanha, "mais uma vez ficou a sensação de que falta um envolvimento maior do Congresso Nacional na reforma política".
"Essas medidas passaram por causa do escândalo do mensalão. A proibição de brindes tem o objetivo de diminuir os custos das campanhas, mas não significa que isso vai combater o caixa 2. Sem alarde, os cabos eleitorais vão atuar no interior do Estado e nas periferias pelo voto em troca do dinheiro, mas isso será mais escondido", avisa o professor.

Maior desvio de verbas na história da educação no MA

Por: Jornal Pequeno (MA)

Para implantar tele-salas nos 217 municípios maranhenses, a então governadora Roseana Sarney retirou do tesouro do Estado R$ 93.247.804,45. A operação foi batizada de projeto Viva Educação. Segundo a equipe de governo da época, os recursos não foram suficientes, e por isso, o Governo do Estado fez um convênio com o Governo Federal no valor de R$ 12.581.549.92 para atender 116 municípios. Ou seja, restaram mais de R$ 93 milhões para aplicar em apenas 111, mas não há comprovação da aplicação desses recursos. A Corregedoria não encontrou notas fiscais referentes a compras dos kits tecnológicos com recursos do Estado, e menos ainda com recursos federais.
"Quanto aos recursos estaduais na ordem de 88% do total dos gastos, não se observou nos documentos e processos analisados qualquer forma de prestação de contas que, além de comprovar a regular aplicação dos recursos, deveria demonstrar se os objetivos e metas do programa haviam sido alcançados", expõe o relatório da Corregedoria Geral. A conclusão final a que chegou o MEC foi a reprovação das informações repassadas pelo governo do Estado sobre a execução do projeto Alvorada. Para evitar que os alunos fossem prejudicados, o atual Governo do Estado conseguiu que os R$ 9.567.189,24 que seriam devolvidos aos cofres do Ministério da Educação fossem reinvestidos no ensino médio.
A corregedoria aponta também como irregularidade a utilização de recursos federais e estaduais para o mesmo fim, isto porque, o projeto Viva Educação previa a utilização de R$ 93 milhões para a implantação de tele-salas nos 217 municípios, porém em seguida, o governo à época obteve recursos federais na ordem de R$ 12 milhões com o argumento de complementar 116 municípios que não haviam sido atendidos pelo primeiro projeto.
O que levanta as seguintes questões: como R$93 milhões, segundo o governo anterior, atenderam 111 municípios, e R$ 12 milhões foram o suficiente para atender 116 municípios?
Memória curta
Na segunda-feira, a senadora Roseana Sarney (PFL) questionou no Senado a qualidade de ensino médio no Maranhão. Em nenhum momento, a senadora fez referência aos indicadores educacionais durante o seu mandato. Os índices que ela prefere esquecer, fazem corar até mesmo os mais desinformados. E para quem preferiu trocar os professores por televisores, a senadora Roseana Sarney tem um discurso pouco convincente.

Limpeza ética tem começo no País

Por: ESPERANÇA BESSA (O Liberal)

O que se espera dos parlamentares em tempos de descrença no Poder Público? O que fazer para acabar com os inúmeros escândalos políticos que estampam diariamente as páginas dos jornais? Pensando em começar a limpeza ética pela moralização no trabalho dos vereadores de todo o País, a Associação Brasileira de Câmaras Municipais (Abracam) está realizando os seminários regionais "Capacitando os vereadores do Brasil para um novo mandato". Belém sediará a regional Norte, de 20 a 22 de junho, no Hotel Sagres.
Rogério Rodrigues da Silva, presidente da Abracam, prevê de 800 a mil vereadores reunidos no evento, que terá palestras sobre a nova lei de Consócios Públicos e um histórico do legislativo e sua relação com outros poderes. François Bremaeker, Júlio César Barbosa e Heraldo da Costa Reis, consultores do IBAM (Instituto Brasileiro de Administração Municipal), falarão respectivamente sobre o cenário futuro para os municípios, o processo legislativo e gestão da Câmara, enquanto Augusto Primo Portugal, consultor do Sebrae, falará sobre "O Gestor Público como Agente Empreendedor".
"Política e trato da coisa pública - Dos antigos aos modernos" será o tema abordado pelo professor Márcio Mucedula Aguiar, e Heliana Kátia Campos, Secretária de Articulação Institucional do Ministério do Desenvolvimento Social, discorrerá sobre "Ações do Governo Federal na Área Social". Há ainda espaço para se debater ética, desenvolvimento local e compras governamentais, planejamento e orçamento público. Tudo para que nas próximas eleições municipais de 2008, os vereadores cheguem ao plenário sabendo bem quais são seus papéis enquanto representantes da sociedade. A seguir, entrevista exclusiva com Rogério Silva.
A intenção é capacitar vereadores que estão com mandato ou preparar os futuros parlamentares?
É aberto não só para vereadores, mas para assessores, estudantes de Direito, lideranças comunitárias, etc. Todos que quiserem conhecer e entender o papel de um parlamentar podem participar. Para receber certificado é preciso ter o mínimo de 80% de freqüência. Com isso queremos moralizar a questão do desvio de conduta, para não acontecer o que ocorreu em Santa Catarina, quando vereadores compraram certificados de um seminário, mas na verdade foram fazer turismo.
A ética deve ser um dos pontos centrais que se espera desses parlamentares que serão capacitados, então?
Tem que haver ética na vida privada mas, sobretudo, na vida pública. Hoje vemos um país vivendo uma crise ética e moral. Estamos em estado de anomia, quando o povo perde a referência. Para uma ética na política precisamos começar a exercitar pela vereança, mudando a partir das bases, afinal a vereança é a escola primária para todo político que quer galgar uma carreira que chegue no executivo.
Em todos os níveis parlamentares vemos, por muitas vezes, os políticos mais investigando os próprios políticos do que legislando. Apesar das CPIs serem muito importantes, isso não é um desvio muito grande de função, não se perde muito tempo com isso?
Hoje os parlamentares mais se investigam, realmente se dedicam mais a isso do que deveriam. Também prestam muito assistencialismo, o que é outro desvio. A população, na primeira dificuldade, recorre principalmente ao vereador, que é o político mais próximo. O legislativo não foi feito para esse assistencialismo. O vereador tem que estar preocupado com o desenvolvimento local, não esperando que o prefeito mande projetos para ele ficar avaliando. Tem que ser ativo, um condutor do desenvolvimento local.
Qual outro ponto do encontro você destacaria?
Estaremos preparando os vereadores para lidar com assuntos internos de uma Câmara e para compreender as políticas públicas. Precisam compreender que programas federais têm transferências de recursos, porque se ele não sabe como funciona o repasse de recursos do Fundef ou do Sistema Único de Saúde, como vai fiscalizar?
Em Belém estamos cumprindo uma Lei Seca criada na Câmara, mas os deputados estaduais estão fazendo outra que dizem ser superior à determinação municipal. Vocês abrirão espaço para discutir o papel de cada esfera?
A lei de maior competência é a municipal. A atribuição de legislar sobre o horário de funcionamento de estabelecimentos comerciais é dos municípios, segundo o artigo 30, inciso 1º, da Constituição Federal. Nunca vi esse tipo de problema em outros Estados, porque a divisão entre poderes é constitucional. É o básico que todo parlamentar deve conhecer.

A receita da impunidade

Por: Kátia Persovisan (Jornal Peguena)
Alexandre Garcia - Jornal Bom Dia Brasil, 25/05. Comentando sobre os escândalos de corrupção nas casas legislativas (sanguessuga, mensalão), a absolvição de mais um deputado mensaleiro, Vadão Gomes (PP-SP). Dos 19 acusados pelo Conselho de ética, apenas 3 foram cassados: Roberto Jéferson, José Dirceu e o presidente do PP, Pedro Corrêa.
Na última quinta-feira, 25, procuradores, promotores, juízes e representantes de organizações não-governamentais (ONGs) realizaram ato público na Câmara dos Deputados contra a possibilidade de o Supremo Tribunal Federal (STF) extinguir a punição de prefeitos e ex-prefeitos acusados de crimes de improbidade administrativa (má gestão de recursos públicos). A reclamação contra a medida, que deve ser julgada no STF nos próximos dias, pede que a punição aos administradores não cause perda de mandato e direitos políticos, e que as ações sejam julgadas apenas no âmbito de crimes de responsabilidade. Entre os processos que podem ser anulados com a decisão favorável dos ministros estão os dos ex-prefeitos Paulo Maluf e Celso Pitta, de São Paulo. Esses são os casos mais escandalosos que a mídia nacional tanto já propagou.
E o que dizer do Maranhão? Dezenas de prefeitos, presidentes de câmaras e até um ex-deputado federal cassado podem se beneficiar da decisão. Regularmente, o Tribunal de Contas do Estado do Maranhão divulga em seu site decisões acerca de gestores que tiveram suas contas reprovadas. E aí, entra a grande questão: e o que acontece com essas pessoas? Até onde se sabe, nunca se ouviu falar de prefeito preso no Maranhão por cometer algo dessa natureza. E então, o que se pode esperar?
De acordo com Paulo Cruz Pereira, advogado do Tribunal de Contas do Estado do Maranhão e Conselheiro da OAB, em relação à prestação de contas de gestores municipais (o prazo este ano se encerrou em 15 de abril), o TCE emite um parecer, que é enviado para a Câmara de Vereadores dos respectivos municípios - que é quem vai fazer o julgamento político das contas do prefeito. Esse julgamento na Câmara só diz respeito à elegibilidade do prefeito. Por exemplo, se o Tribunal aplicar uma multa de R$ 500 mil ou R$ 1 milhão, determinando que o gestor faça ressarcimento ao erário, a Câmara não pode tocar nessa decisão do TCE. Porém, se a Câmara confirmar o parecer do TCE, o chefe do executivo municipal ficará inelegível.
"A tarefa do TCE é apreciar as contas apresentadas pelas Prefeituras. Quando ele constata que houve dano ao erário, desvio de finalidade ou de alguma forma, um ato irregular naquela prestação de contas, o TCE remete para os órgãos responsáveis. No caso dos prefeitos municipais, vai caber ao município (por meio de seus advogados - Procuradoria do Município) entrar com ação civil pública. O TCE não pode entrar com uma ação para que o gestor devolva o valor ao patrimônio público porque não é função do TCE. Este não sofreu o dano, foi o município, a quem cabe entrar com ação judicial de improbidade, de ressarcimento contra esse prefeito ou ex-prefeito, conforme o caso, para que ele devolva o que não é dele", explicou o advogado. "Cabe à Câmara fazer o julgamento político e ao Ministério Público entrar com Ação Penal ou Ação de Improbidade Administrativa, dependendo do caso. Não é porque o TCE aplica uma multa que cabe a ele executá-la. A missão constitucional do TCE é na área de controle externo, ou seja, análise das contas dos gestores que vem de fora para dentro do Tribunal de Contas para serem analisadas", enfatizou.
Mesmo que por força de lei uma Procuradoria se veja na obrigação de processar o Prefeito, há uma questão séria envolvida, que é a ingerência do gestor no órgão que, naturalmente, indica o Procurador. Às vezes, à revelia da lei, emprega assessores não concursados. Ou seja, são pessoas, no mínimo, impedidas por motivos óbvios de agir. Se, por outro lado, a irregularidade for constatada na gestão anterior de um prefeito que não está mais no cargo, o atual prefeito deve observar também todos os procedimentos para não incorrer em crime de responsabilidade, em ato de improbidade administrativa, porque ele está deixando de revisar um ato que ele é obrigado a fazer e não fazendo, estará sujeito a sanções de natureza penal e civil.
A lei, por sua vez, prevê várias etapas do que se costuma chamar de "direito de ampla defesa" e por isso existem inúmeras ações de gestores que entraram na justiça contestando a decisão do TCE. "A maioria delas é de gente que quer suspender a inelegibilidade, quer ser candidato. É um direito que lhes assiste de questionar a decisão. E nós, enquanto assessoria jurídica, trabalhamos para sustentar a legalidade da decisão", afirmou Paulo Pereira.
Uma outra coisa que pouca gente sabe é que quando os gestores enviam as contas para o TCE para serem apreciadas, obrigatoriamente eles devem enviar cópia de toda a documentação para a Câmara, para que qualquer cidadão possa também analisar. "Muitos prefeitos mandavam para a Câmara qualquer coisa ininteligível, dizendo que cumpriam o artigo 49 da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). Se não houvesse alguém com um mínimo de conhecimento ou um vereador bom, ou um promotor de justiça atento, atuante, ficava por isso mesmo", atestou o advogado.
Por causa disso, o TCE publicou uma instrução normativa, obrigando os gestores a enviar às Câmaras a cópia de tudo que é enviado para o TCE, inclusive cópia de empenhos, de nota fiscal, de cheques. "Se o cidadão chegar e ver no material, por exemplo, uma cópia de nota fiscal de um serviço que não foi prestado, que vá ao Ministério Público, entre com uma ação popular, denuncie para as outras instituições. Isso está acontecendo aos poucos, até representantes do MP têm vindo aqui se inteirar de como funciona a dinâmica do tribunal de contas. A realidade está mudando", afirmou.
E o que acontece com um gestor que tem suas contas reprovadas e nem a Câmara nem o Ministério Público tomam providências? "Ele fica absolutamente livre, sem nenhuma sanção. As câmaras têm que ficar atentas quando da prestação de contas. Cobrar o envio da cópia da documentação que foi enviada ao TCE", confirmou. "Posso citar um caso que é o de Imperatriz, cujo prefeito teve suas contas rejeitadas, entrou na justiça para suspender a decisão, mas no final nós conseguimos manter a decisão do TCE, só que ele foi candidato a prefeito e se elegeu de novo. Foi um caso emblemático. O processo demorou muito, mas conseguimos demonstrar que a decisão estava correta. Os outros órgãos não se manifestaram", lamentou.
A contrapartida estadual
De acordo com informações da Coordenação de Comunicação do Ministério Público do Maranhão, em 2005 foram propostas 45 ações no Tribunal de Justiça por não prestação de contas. Até agora, nenhum gestor municipal foi condenado. A reportagem do Jornal Pequeno tentou entrar em contato com os promotores de algumas cidades onde os prefeitos foram denunciados. De oito que foram contatados, sete estavam viajando e o oitavo estava participando de um curso. Ainda de acordo com a coordenação de comunicação, só era possível falar com promotores acerca de ex-prefeitos denunciados. Os que ainda estão no mandato, só quem pode declarar alguma coisa é o procurador-geral.
No Tribunal de Justiça do Maranhão, o assessor jurídico da Presidência, dr. Walney Abreu, informou que especificamente em sua área de atuação, ele tem conhecimentos de ações do Ministério Público solicitando a intervenção nos municípios, tendo em vista uma obrigação constitucional do gestor proceder à prestação de contas dentro do prazo estipulado. "No caso de implicações eleitorais, tem que se levar em consideração o lugar onde o denunciado foi representado, onde ele ficaria inelegível, em se tratando de prestação de contas", explicou.
Ele citou a lei complementar nº 64, de 18 de maio de 1990, que estabelece que são inelegíveis "os que tiverem suas contas relativas ao exercício de cargos ou funções públicas rejeitadas por irregularidade insanável e por decisão irrecorrível do órgão competente, salvo se a questão houver sido ou estiver sendo submetida à apreciação do Poder Judiciário, para as eleições que se realizarem nos cinco anos seguintes, contados a partir da data da decisão", entre outros casos.
Ou seja, a lei se aplica tanto àqueles que deixaram de prestar suas contas, como também àqueles que as prestaram de forma irregular, dentro das limitações que a lei estipula. Para dr. Walney Abreu, o órgão competente citado na lei - quando do caso da prestação de contas dos prefeitos - é a Câmara de Vereadores, pois o Tribunal de Contas do Estado emite apenas um parecer opinativo, sem caráter deliberativo. "Por isso, acontece de muitas vezes a sociedade olhar que as contas de determinado prefeito foram rejeitadas pelo TCE e ele continua elegível. E isso acontece porque essa decisão precisa ser submetida à Câmara Municipal respectiva. E só há inelegibilidade quando a Câmara ratifica a rejeição dessas contas", explicou. E em se tratando de uma decisão administrativa, ela é passível de revisão pelo órgão judicial, em suas várias instâncias.
Portanto, se há uma decisão do Tribunal de Contas do Estado que se manifestou pela improcedência das contas de um determinado gestor, além da necessidade deste parecer ser submetido ao órgão para ter uma eficácia de inelegibilidade, há também o fato de que esse parecer pode ser questionado judicialmente.
"Este é um ponto fundamental para a sociedade entender. Não é porque um gestor teve suas contas rejeitadas que ele perde sua elegibilidade. Enquanto a questão estiver sendo discutida no judiciário ou quando não tiver sido submetida à apreciação da Câmara de Vereadores, ele continua com seus direitos. E se esta rejeitar o parecer do TCE e entender que as contas devem ser aprovadas, vale a decisão da Câmara de Vereadores", sustentou. "É o que diz a Constituição do Estado do Maranhão sobre a competência das câmaras de vereadores. E quando elas aprovam as contas, mantém-se a condição de elegibilidade do gestor que teve suas contas rejeitadas primeiramente pelo TCE", reafirmou.
Quanto à votação do STF que vai acontecer nos próximos dias, dr. Walney Abreu confessou que, como cidadão, não gostaria que isso acontecesse. "O STF não toma apenas decisões jurídicas, são decisões políticas que vão atingir a sociedade como um todo", ratificou. "Milhares de ações de improbidade cairiam em todo o país, beneficiando muitos que prejudicaram o erário público".
Má gestão de recursos federais
Ao Tribunal de Contas do Estado, cabe a análise de contas referentes aos recursos estaduais. Quanto à correta aplicação de recursos federais, cabe ao Tribunal de Contas da União, por meio da Secretaria de Controle Externo. De acordo com Francisco de Assis Martins Lima, Assessor do Secretário de Controle Externo, a Secretaria fiscaliza a aplicação de verbas provenientes do Fundef, de convênios, e do SUS.
A fiscalização pode ser realizada por iniciativa direta, quando o TCU inclui uma prefeitura sob suspeita dentro do plano de fiscalização. Esta inclusão é feita por amostragem em cada Estado. Também pode ser realizada através de uma denúncia dessa prefeitura na aplicação de recursos federais. Terceiro, pode-se fiscalizar uma prefeitura em decorrência da não aplicação dos recursos repassados mediante, por exemplo, convênio para essa prefeitura.
"O prefeito não presta contas e o órgão repassador, que pode ser um Ministério, encaminha para nós (TCU) a tomada de contas especial, ou seja, um processo em que o órgão repassador atua para chamar esse prefeito para a devolução dos recursos em decorrência da não-prestação de contas, portanto, uma irregularidade. Aqui é dado ao prefeito o direito de se defender, prestar explicações. Esse processo no âmbito do Tribunal pode gerar ou não uma fiscalização in loco. Esse processo necessariamente vai passar por um julgamento em que o prefeito pode ser condenado a devolver os recursos ou pode ser só multado em razão da irregularidade. E até pode ser totalmente absolvido, e aí será julgado regular ou com ressalva - quando existe alguma restituição de caráter formal, mas que não deveria ter acontecido ou pode ser julgado sem nenhuma ressalva, quando o processo não tem nada contra o administrador. Esse é, via de regra, o horizonte em que o TCU atua em relação às prefeituras", explicou o secretário. A prestação de contas de convênios se relaciona ao prazo de aplicação desses convênios, que é geralmente menor que um ano.
O número de denúncias em relação à má aplicação de recursos federais tem crescido e esse aumento acontece em decorrência da conscientização da população para com essas irregularidades. "Qualquer cidadão pode fazer denúncia direto no TCU e tem seu sigilo resguardado. Só pedimos que o denunciante não aja de má fé, pois pode haver conseqüências", explicou.
O secretário informou que existem várias denúncias sobre má gestão de recursos federais, principalmente no que diz respeito ao Fundef, normalmente relacionado à questão de pagamento de professor. "Em muitas cidades do interior do Estado o professor recebe abaixo daquilo que deveria receber, mas tem muitas denúncias onde as pessoas, por não ter acesso à documentação, fazem de maneira genérica. E a gente fica com dificuldade para agir. A documentação de Fundef, SUS e merenda escolar é muito vasta, muito ampla", explicou.
O TCU pode ir conferir a veracidade das denúncias na própria cidade, mas, normalmente, a fiscalização se dá através de processo. Porém... "A nossa dificuldade também esbarra em virtude do quadro de pessoal. Nós também trabalhamos com plano de auditoria, que tem prioridade, que tem questões que envolvem prefeituras e outras não, mas sempre pode surgir dentro de nossas possibilidades um trabalho que seja considerado urgente, que seja submetido a um relator, que vai deliberar que a ação deva entrar na frente de outras ou não", disse o secretário.
Em algumas situações, os gestores condenados devolvem o que foi tirado do erário público. Raramente, mas acontece. Nesse caso, o Ministério Público Federal muitas vezes arrola servidores do TCU como testemunhas quando os gestores estão sendo cobrados na Justiça Federal. O servidor que atuou nesse processo dentro do tribunal, na secretaria, ou quem fez a auditoria na época é chamado a ser testemunha nesse processo. O TCU em Brasília faz todo um acompanhamento dessas questões. "Enquanto o processo está na fase administrativa, enquanto não foi constituído um processo de cobrança para executar esse gestor, muitas vezes os responsáveis vêm aqui e pedem um parcelamento do débito ou da multa, antes que chegue em outra instância, fazem o recolhimento parcelado, ou não, no guia administrativo. Isso ocorre em diversos processos" informou. Mas, como se sabe, esses processos são demorados. Duram em média, mais de um ano. O gestor, entretanto, mesmo ao término do mandato, continua implicado no processo.
A reportagem do JP questionou: caso a Justiça Federal determine a devolução do valor que foi desviado dos cofres públicos, isso é caso de prisão? "No Brasil, ninguém é preso por dívida, a não ser no caso de fiel depositário e pensão alimentícia. O que vão tentar é ver se há bens no nome dessa pessoa, penhorá-los, colocar em disponibilidade, levar à leilão. Mas como essas pessoas agem de má-fé, geralmente colocam seus bens nos nomes de outras pessoas, então há uma grande probabilidade de que nada venha a acontecer nesse sentido da recuperação", explicou. "Toda vez que se presencia impunidade, é frustrante. Principalmente quando gestores condenados voltam ao poder, conseguindo pelas vias da Justiça vários meios para postergar os seus deveres", lamentou o assessor.
De acordo com José Maria, secretário de Controle Externo do TCU, atualmente, existem propostas para aumentar o poder dos tribunais, de fazer com que eles possam executar seus próprios títulos, e com certeza haverá uma maior agilidade. "O gestor tem obrigação de guardar documentação de seu mandato por até 5 anos, para ficar à disposição dos órgãos de controle. A responsabilidade dele pela gestão é imprescritível. Fica sujeito a ser condenado em qualquer tempo. A ação do TCU não é só punitiva, contribui para o aperfeiçoamento da administração pública. Há uma recompensa que ameniza a situação da impunidade. Nós temos um efeito pedagógico, há muitas consultas de gestores interessados em como administrar melhor os recursos federais", explicou. "Antes não chegava denúncia aqui, hoje são mais de 50 por ano, entre denúncias e representações sobre supostas irregularidades. O cidadão está mais atento", concluiu.
O dr. Newton Pereira Ramos Neto, juiz substituto da 6ª Vara da Justiça Federal, explicou que a esfera de atuação da Justiça Federal começa quando a Tomada de Contas Especial repassada pelo TCU ao Ministério Público Federal é ajuizada em forma de ações civis de improbidade administrativa. "Esse processo segue um rito ordinário, que é o mais lento que nós temos, entre as possibilidades de apreciação", disse o juiz.
Ele também afirmou que a sensação de que às vezes nada pode acontecer se deve à demora no julgamento e também aos recursos que a lei permite. "Mesmo depois de proferida a sentença, a parte tem direito a recursos que fazem com que os efeitos da sentença não sejam aplicados enquanto não haja trânsito em julgado dessa decisão proferida pelo juiz de primeiro grau. Esses recursos levam vários anos para serem julgados pelos tribunais, em face da sobrecarga de trabalho", informou.
Para o juiz, essa situação poderia mudar. A primeira questão é que tem que haver uma simplificação, para que se pudessem ter decisões eficazes em curto e médio prazo. Outra questão seria o aumento da quantidade de juízes. "Uma vara como esta que nós temos aqui, tem mais de seis mil processos para dois juízes. E dentro desses processos, temos alguns que exigem uma apreciação a curto prazo, como o mandado de segurança, que não pode deixar esperar", adiantou.
"Nesse caso, os processos de rito ordinário, que exigem uma tramitação mais lenta, acabam ficando prejudicados, porque a Justiça Federal tem que dar atenção àqueles em que a necessidade da parte é uma necessidade imediata, isso tudo gera uma dificuldade", explicou. O juiz também informou que o STF está discutindo novamente de quem é a competência para ação de improbidade. O processo que tramita no Supremo é especificamente em relação a ministro de Estado, em que se discute se um juiz de primeiro grau pode condenar em ação de improbidade o ministro de Estado ou se essa decisão teria que ser tomada no âmbito do Supremo Tribunal Federal. "Isso tem sido criticado por vários operadores do Direito e o que se desenha no âmbito do STF é que agentes políticos teriam foro privilegiado nessa matéria, eles não responderiam por atos de improbidade administrativa, mas apenas por crimes de responsabilidade", informou.
Em sua experiência como juiz federal, dr. Newton Neto confessou que não conhece nenhum caso de prefeito que foi condenado e devolveu ao erário o que subtraiu. "Confesso que pessoalmente, não. Estou na Justiça Federal há apenas um ano e somente um mês em São Luís, porque o restante do tempo estava em Caxias e lá nós tínhamos várias ações de improbidade, todas em fase inicial, não havia nenhum processo em fase de sentença. Tem processos com sentenças prolatadas (proferidas), os que eu conheço em âmbito de grau de recurso, dependendo da apreciação do Tribunal. Enquanto não confirmada a sentença pelo Tribunal, a decisão não surge seus efeitos concretos. O que nós temos de concreto são pedidos e apreciação de pedidos sobre a indisponibilidade de bens. Eu mesmo já proferi umas decisões nesse sentido", disse.
E nesse caso, o que esperar? "As sanções da lei de improbidade não se limitam a ressarcimento do dano, tem também a declaração de suspensão dos direitos políticos. Ela também tem esse efeito político de impedir que ele (o gestor) venha a se candidatar novamente a novos cargos públicos durante um certo espaço de tempo, porque as penalidades de suspensão de direitos políticos, elas tem uma certa limitação, de acordo com a gravidade do ato de improbidade. O Ministério Público Federal tem sido atuante e nós, no papel de Judiciário Federal, também estamos fazendo aquilo que podemos fazer para dar efetividade ao nosso papel e realmente punir aqueles que eventualmente tenham praticado atos dessa natureza administrativa", finalizou.
Colaboração: Eudes Oliveira de Alencar